ARCO BRASIL
Atenção seguir as regras abaixo para comprar ou vender no fórum. Quem não seguir as regras será banido, tera os IPs bloqueados e tópico deletado. Sem exceção à regra!

Leia as regras no tópico abaixo:

http://www.arcobrasil.com/t42-regras-basicas-leia-com-atencao-antes-de-postar-um-topico
ARCO BRASIL

Fórum sobre Arco e Flecha (e tudo que for relacionado ao tema) para reunir todos os entusiastas deste esporte seja para competição ou lazer.
 
InícioCalendárioFAQMembrosRegistrar-seLogin

Compartilhe | 
 

 faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2  Seguinte
AutorMensagem
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 4:59 am

Facas de sobrevivência hollow handle.

Bom pessoal, sou amante dos esportes outdoor (caça, pesca, acampamento, etc.) a mais de 30 anos e dentro desse tempo pude ir muitas vezes a campo desde a minha infância onde ia aos rios Chupador, Piqueri, Ivai e Paraná com meu pai e seus amigos, nos bons períodos de férias que passava na fazenda de meus avós ao lado dos primos Amiltom, Valter e Gilvã caçando pombas, codornas e lebres, em outros rios como o Xingú, Araguaia, Amambay, entre outros já depois de mais velho. As noites à beira da fogueira nas margens da Usina Mourão pescando lambaris, tilapias e carpas na companhia de meus bons amigos Darci Besler e José Valdir, me fizeram aprender algumas coisas sobre a vida ao ar livre.
Todos estes momentos bons, mesmo em época de adolescente sempre me fiz acompanhar de uma boa lâmina por mais equipamento que pudesse ter em minha bagagem ou mesmo por mais ínfima que fosse a permanência ou o mais próximo de casa que fosse o local.
Nesse tempo todo, jamais me arrependi de ter um bom canivete ou uma boa faca em minha companhia.
Todo este desenlace que coloquei como prelúdio, serve apenas para enfatizar sobre a necessidade de ser prevenido ao se adentrar ambientes inóspitos ou desconhecidos e que possam trazer algum risco ao nosso bem estar e nunca nos esquecermos de carregar consigo uma boa faca.

Facas para aventura.
Pra falar de facas para aventura, de forma geral, sendo elas de emprego militar, caça pesca ou esportes outdoor, não podemos nos furtar a um pouco de história. Então, vamos a ela.
Ao fim do século 19, os caçadores, pescadores e praticantes de esportes outdoor não usavam lâminas muito diferentes das usadas por açougueiros e donas de casa. As lâminas eram finas e os cabos não passavam de dois pedaços de madeira rebitados à elas. Coube a Webster L. Marble na virada do século, mudar o rumo das coisas, introduzindo o conceito de faca de caça. Elas diferiam das demais por ter lâminas mais grossas e pesadas, guardas em forma de cruz e pomos metálicos, muito se assemelhando às facas Bowie que conhecemos hoje, porém, menores. Outros fabricantes logo incorporaram este estilo aos seus catálogo e é descendente direto desse conceito a idealização das modernas facas de sobrevivência.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A foto acima é de uma faca Marbles que custa caríssimo entre os colecionadores, tanto pela qualidade quanto pelo pioneirismo do fabricante.

Durante a segunda guerra mundial, facas com essa características foram distribuídas às tripulações de aeronaves que operavam atrás das linhas inimigas para auxílio da manutenção da vida em caso de aterrissagens forçadas em regiões inóspitas ou mesmo para o combate corpo a corpo em últimas instâncias. Botes salva-vidas que eram colocados nas embarcações de guerra também possuíam equipamentos de sobrevivência a bordo, incluindo facas. A maioria destas facas eram simples modelos comerciais comprados em grandes lotes junto aos fabricantes. Porém, ainda durante a primeira guerra mundial dois militares do exército ingles Erick A. Sykes e Wiliam E. Fairbain, apoiados por Jack John Wilkinson, proprietário da empresa de cutelaria Wilkinson (e também das famosas lâminas de barbear com o mesmo nome), desenvolveram uma faca específica para uma unidade do exército denominada de “Commandos” que agiria em pequenos grupos dentro das linhas inimigas causando o caos e a desorientação. Essa faca era na realidade um punhal e ficou conhecida como a primeira faca produzida em série com o fim específico para atender a soldados em campo de batalha.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Esta é a faca Sykes & Fairbain dos comandos britânicos da primeira guerra mundial. Inspiradora de fighting knifes até os dias atuais.

Na segunda guerra, ficou notabilizado o modelo das famosas facas dos marines norte americanos KA-Bar, com 18 cm de lâmina, feita em aço carbono no tradicional formato Bowie e possuindo dois rebaixos nas laterais que serviam para alívio de peso e para estravasar o sangue, as famosas “cavas de sangria”.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A faca Ka-BAR, acima, é fabricada neste e em outros modelos e tem sido muito apreciada até os dias atuais. Seu acabamento parquerizado é realmente fantástico.

Celebridades à parte, foi necessário dar alguma introdução sobre facas de combate pois as facas de sobrevivência puristas são, na verdade, facas militares por excelência, haja vista que foram desenvolvidas para essa finalidade em períodos de guerra.

Surge o conceito de “faca de sobrevivência”.
Chegam os anos 60 e com eles a guerra do Vietnam. Nesta parte do mundo, necessidades especiais surgiram, bem como toda uma gama de materiais para satisfazer essas necessidades.
No final da década de 60, o cuteleiro Bo Randal recebeu uma solicitação especial vinda do capitão George Ingraham que era médico do 94° destacamento do exército. Ingraham pediu que Randal confeccionasse uma faca que possuia uma serrilha em seu dorso para que pudesse cortar a fuselagem das aeronaves de transporte de tropas abatidas (normalmente em alumínio) para efetuar o resgate do pessoal, além de um punho oco que permitisse o armazenamento de materiais de auxílio à sobrevivência. Randal confeccionou a faca, depois, utilizando a lâmina do seu modelo 14 no mesmo sistema de cabo e passou a comercializá-la sob a discriminação de “Survival Knife Randal Model 18 Attack”, criando assim, a primeira faca de sobrevivência moderna que se tem notícia
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A Faca de Sobrevivência Randal modelo 18 Atack foi a faca precursora de toda uma vasta família de facas desenvolvidas posteriormente por empresas e cuteleiros artezanais.

Uma retórica.
Essa foi a primeira faca de cabo oco inventada?
Não mesmo.
Já a muito anos atrás, desde aproximadamente a década de 30, facas com empunhadura oca eram feitas para caçadores guardar espoletas em local longe de umidade, porém, falharam no quesito robustez pois os vapores gerados pela decomposição das espoletas antigas, que eram feitas de fulminato de mercúrio, causavam corrosão e prematura fratura dos cabos ou lâminas que, como já foi dito, eram muito delgadas.
Outras facas também foram desenvolvidas para caça e com cabo oco, mas para a guarda de fósforo e que, também foram retiradas do mercado rapidamente por um ou outro motivos.
Ainda durante a guerra do Vietnam, no início de 1970, dois projetistas Ken Warner, auxiliado por Pete Dickey, com a idéia de desenvolver uma faca de sobrevivência que realmente aguentasse a qualquer uso que se pudesse fazer dela, notadamente em situações onde o desespero é a tônica, desenharam uma faca que foi a escolhida por muitos soldados no Vietnam. O modelo escolhido era baseado em um desenho do cuteleiro Bill Moran e foi fabricado pela empresa Hackman da finlândia e alguns milhares de unidades foram feitos, porém, a empresa Garcia, na época uma próspera loja de venda de material de pesca, e que comercializava esa faca de forma regular em seu catálogo de vendas, comprou a patente do projeto e, para baratear os custos de produção, fez algumas mudanças no projeto original e contratou a empresa Jacques Inox (pasmem), em São Paulo no Brasil para a fabricação das novas unidades. As primeiras unidades (as finlandesas), eram fabricadas em aço inoxidável 440 C com espessura de 1/4”, as do contrato brasileiro eram mais finas para diminuir o peso, cerca de 1/8” e feitas em aço AISI 420. Na verdade com a metade da espessura e com material menos apropriado.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima vemos a faca Hackman, finlandesa.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Agora a versão brasileira. O perfil de ambas as facas era idêntico, mas a espessura...

Agora uma curiosidade à parte.
O próprio Bill Moran, cuteleiro idealizador do modelo do qual esta faca foi baseada, comprou 100 unidades da mesma e comercializou com bainhas feitas e decoradas à mão por ele próprio para vender a pessoas que desejavam uma faca de sobrevivência robusta mas não queriam esperar 3 anos na fila por uma obra sua.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima, foto das bainhas originais e das fabricadas por Bill Moran, a de baixo é a original e a de cima a fabricada por Bill Moran

As facas do contrato finlandês custam em torno dos U$350,00 atualmente e as do contrato brasileiro cerca de U$100,00 a menos que isso.
Construidas em aço inoxidável com lâmina de 1/4” (ou 1/8”), com comprimento de lâmina de 7” (177,8 mm) e comprimento total de 11 3/4” (298,45 mm), o cabo, guarda e pomo é feito em aço carbono banhado em cromodur na versão fiinlandesa mas na versão brasileira, a guarda e o pomo passaram a ser feitos de alumínio. Por fora do cabo haviam anéis de couro à moda KA-Bar, na versão finlandesa, mas na versão brasileira era feita de madeira.
A bainha é feita em couro e possui um bolso onde se guarda uma bússola que fica inserida em uma peça retangular feita de plástico que tem uma pedra de afiação do lado oposto e uma barra de pederneira colada na lateral, além de um apito inserido dentro da mesma.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Na foto acima pode-se ver o espaço onde era colado a pederneira e na parte de baixo a pedra de afiar
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Aqui, a bússola inserida no mesmo acessório.

Nada se sabe sobre se a faca era oferecida com algum objeto dentro do cabo ou se este vinha vazio pois os exemplares que chegaram até os dias atuais não possuem esses acessórios.
Essa faca foi a preferida de muitos soldados que lutaram naquele conflito e era amplamente utilizada pelos pilotos de aeronaves de transporte ou caças que atuaram no período sendo que a faca utilizada hoje pelos mesmos lembra muito em desenho as antigas, porém não tem o cabo oco e nem os acessórios.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima uma foto da faca camilus, de dotação dos pilotos norte americanos até recentemente, hoje é utilizada a ASEC que tem as mesmas linhas na lâmina, porém o cabo é de material sintético e algo diferenciado.

A guerra acabou mas o conceito não.
Algo próximo de 1975 , não se sabendo a data exata, um certo Dr. Charles Brewer Carias, radicado em Caracas, na Venezuela, homem que realmente tem uma vida digna de um livro de altíssima tiragem ou mesmo um filme de aventura de grande bilheteria, usa toda a sua experiência para projetar uma faca de desenho aparentemente convencional, mas que incorpora inúmeras outras qualidades e funções paralelas e que eu, particularmente acho ser insuperavelmente a mais bem projetada faca já criada em todos os tempos, a faca Explora Survival, já comentada neste fórum por mim mesmo. Não consegui ainda um esclarecimento a respeito de, se foi a MARTO (fabricante destas facas) quem primeiro teve a idéia da confecção das mesmas e convocou o Dr. Charles Brewer para projetá-la, ou se o próprio Dr. Brewer criou o projeto e passou os direitos de fabricação à MARTO, mas o fato é, que em seu tempo (para mim ainda não superada até os dias de hoje), essa faca foi tida como a melhor ferramenta para auxílio à sobrevivência já criada. Especialistas do mundo todo escreveram suas opiniões a respeito desta e em todos esses depoimentos, o que se vê são somente os elogios ao gênio criativo que é o Dr. Brewer. Particularmente, como projetista que sou, eu adoraria ter tido um instrutor/mentor como estes em minha juventude.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A faca Marto/Brewwer Explora Survival, O melhor e mais técnico equipamento que o mundo já conheceu em matéria de facas auxílio à vida em condições extremas.

Não vou me alongar muito nesse assunto pois muito já foi dito sobre ele no artigo que escrevi nessa mesma seção sob o nome “faca MARTO Brewer Explora Survival”.

Filmes de ação
Os filmes de guerra da época foram grandes divulgadores de todo tipo de armas, como arcos, bestas e, principalmente, facas.
A maioria das facas feitas para filmes de ação são feitas de forma custom e seus cuteleiros ficaram célebres pelos desenhos exclusivos e pela versatilidade de projeto.
Vamos citar alguns deles, começando pelo principal deles.

Rambo First Blod ou "O Primeiro Sangrento" (Programado para matar no Brasil).
Em meados de 1978, e embalados por um personagem um tanto quanto polêmico, o Lendário John Rambo (o qual usava uma faca com as características indicadas pelo Dr. Ingraham e com explêndido desenho e execução do cuteleiro Jimi Lile), centenas de milhares de soldados, caçadores, pescadores, aventureiros ou mesmo apreciadores de cutelaria solicitavam às lojas do ramo que lhe fornecessem facas com aquelas características. Mas a demanda muito maior do que a produção do produto causou dois efeitos que os verdadeiros amantes da cutelaria de qualidade se ressentem até os dias de hoje. 1º. Os preços e a fila de espera para se conseguir uma cópia da famosa “faca do Rambo” cresceram astronomicamente. 2º. O aparecimento de inúmeras cópias (ou mesmo modelos diferentes daquele, mas dentro do mesmo conceito) baratas e de qualidade infinitamente inferior. Esses dois fatores somados causaram um terceiro fator que é a aversão que muitos apreciadores de lâminas mal informados tem a esse tipo de sistema pois a grande maioria destas facas era feita com apenas um parafusamento da espiga da lâmina ao cabo, o que invariavelmente se solta quando se usa a mesma para golpear madeira, some a isso, lâminas muito finas e baixa qualidade do aço e o que se tem são inumeras peças com a espiga quebrada, solta ou com dentes no fio, fatores ainda agravados pela serra mal executada (que não serra nada) e kits de sobrevivência absolutamente inúteis.
As verdadeiras facas feitas para o filme por Lile tem uma lâmina de ¼” de espessura e um sistema de fixação da lâmina que compreende um degrau na espiga e um prolongamento com um furo de Ø1/4” que recebe um pino no mesmo diâmetro atravessado a ele. Um tarugo com rosca externa e uma reentrância vazada que encaixa-se perfeitamente à espiga da lâmina é posicionada nesta e trespassada por esse pino de tal forma que, ao rosquear-se o cabo a ela, esta traciona a lâmina de encontro à guarda, prendendo todo o conjunto de forma sólida e, com uma boa cola trava roscas industrial, isso só será desassociado se a base do cabo for aquecida ao rubro, o que, se for feito, com certeza destrói a lâmina, portanto, fica inviável.
O Sr. Lile fez na lâmina uma serra como as que são usadas em serras fitas para se serrar toras de madeira em madeireiras, porém, como estas toras segurariam as serras, nestas é feito um serviço de “travamento”, ou seja, os dentes dessas serras é aquecido e entortado ora para um lado e hora para o outro fazendo com que estes abram um canal na madeira serrada, maior do que a espessura de sua lâmina e possam deslizar pela abertura de forma macia e contínua. Bom, fazer um sistema assim em lâminas de facas não seria muito viável pois além destes dentes enroscarem na bainha no momento do saque, destruindo-a rapidamente, ainda seria dificílimo de entortar dentes tão curtos em uma espessura de açõ tão grossa, então, o Sr. Lile apenas desbastou a lâmina da faca para que esta ficasse com a serra mais grossa que o corpo, podendo então deslisar por entre a madeira serrada sem qualquer forma de enrosco. Ainda, como a lâmina é mais estreita que a serra, o material serrado escoa com maior facilidade não comprometendo a qualidade da serra.
Feita toda em aço inoxidável 440 C com dureza entre 53 e 55 HRcº, apenas com uma parte da lâmina na coloração natural do aço depois de temperado, a faca dos filmes Rambo I tem um aspecto bastante intimidador e, somados ao seu fio e serra polidos, dão uma aparência de serem até mais afiadas do que o são na realidade (embora sejam).
As facas originais do filme possuíam um passador costurado na parte frontal da bainha onde era instalado um afiador desmontável. Tal afiador é feito em duas partes cujas quais são rosqueadas uma à outra de tal forma que uma seja o cabo e a outra o afiador e, quando desmontado, o afiador encaixa-se dentro do seu próprio cabo para redução de espaço.
O cabo, também feito de aço inoxidável tem enrolado por fora cerca de 9 metros de um cordel de 2 mm de diâmetro na cor verde que pode ser usado na confecção de armadilhas ou pesca.
O cabo e a tampa são feitos de aço AISI 304 não-magnético para não dar interferência no campo magnético da bússola.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima uma foto da faca do filme "Rambo - Firt Blod". O começo da febre.

Rambo II.
No início de 1982, e motivados pela grande repercução conseguida pelo primeiro filme, os produtores Mario Kasar e Andrew Vajna decidem fazer a continuação das aventuras desse herói e convocam Silvester Stalone para ajudar a elaborar a história e roteiro.
Assim como no primeiro filme, uma excelente faca de sobrevivência também o acompanha.
Também confeccionada por Jimi Lile, apenas um pouco maior que a do primeiro filme, mas com exatamente as mesmas características a enorme faca livra Rambo das mais inusitadas e improváveis situações.
Não se pode dizer muito mais coisas a respeito dessa faca do que já foi dito a respeito da faca do primeiro filme pois esta é quase uma cópia em escala aumentada da primeira, diferindo desta apenas pelo “skull crusher” (quebrador de crânios, numa tradução mais aproximada) no pomo da empunhadura e a pintura da lâmina que agora é preta.
Como curiosidade a respeito desse filme podemos dizer que foram feitos três modelos de faca para serem usadas, cada um com acabamento diferente, embora no mesmo modelo e, apenas o modelo com lâmina pintada de preto seja conhecido do grande público, os demais modelos também foram usados em cenas que não era mostrado claramente a peça.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
As facas feitas para o filme Rambo II. Bonitas, mas enormes.

Também foi confeccionado uma réplica de plástico com uma pequena luz dentro de sua ponta para imitar o metal aquecido na cena em que o soldado russo queima o rosto do personagem e a fumaça e cicatriz que aparecem na cena foi conseguida através de uma maquiagem especial que reage com uma substância química colocada na ponta da faca de plástico que causa a fumaça imitando a pele sendo queimada. Nessa época tudo era mecânico e não haviam efeitos virtuais ou digitais.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A imagem da faca "quente" queimando a pele do ator. Uma luz dentro de uma faca de plástico e produtos químicos fizeram os efeitos.

Rambo III
Outra coisa que muito pouca gente conhece é que, com a morte de Jimi Lile e a necessidade de contratação de outro cuteleiro para a confecção da faca do novo filme do heroi americano, o próprio Stalone sugeriu, e foi atendido pelos produtores, a contratação de Gill Hiben, cujo qual já era conhecido do ator através de uma feira de cutelaria em que este participou. Hiben, então, não quis fugir muito ao design consagrado por Lile e projetou outra lindíssima faca de sobrevivência para a nova película, só que desta vez fez um cabo ergonômico que seria bem mais funcional, mas Stalone não quis usá-la no filme pois as locações onde seria ambientada a nova saga não exigiriam algo desse gênero e, também, segundo declarações suas, preferiu manter o estilo de Lile intocado em homenagem ao artista, então, pediu a Hiben que fabricasse outros modelos de faca mas desta vez sem a empunhadura oca e o resultado foi a enorme (mais enorme ainda) faca do filme.
Mesmo não querendo usar a faca com cabo oco no novo filme, Stalone ficou com ela para a sua coleção e Hiben fabricou mais algumas unidades para venda a colecionadores a preços muito elevados.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Esta foi a faca com cabo tubular, mas com contornos para os dedos. Notem que não tem o desbaste na lateral da lâmina, o que torna a serra inútil para serrar madeira. Um detalhe que Jimi Lile não esqueceria.

Commando (Commando Para Matar, no Brasil) e o cuteleiro Jack Crain.
Embora a película tenha direção bastante pobre e atuação idem, não foi um filme de baixo orçamento e rendeu alguns milhões aos produtores.
O personagem John Matrix, interpretado por Arnold Schwarzenegger rouba uma linda faca de sobrevivência feita pelo cuteleiro Jack Crain de uma loja de armas e a usa na luta contra o vilão Bennet. Não mostra detalhes mas tem lâmina de 6 mm de espessura com 11” (279 mm) de comprimento e cabo com 5” (127 mm) formam uma enorme espada que nas mãos de Schwarzenegger não parece nada tão monstruoso assim.
Embora possua serra no dorso da lâmina, esta é mais estreita que o corpo da mesma e seria inútil para madeira ou outro material duro, servindo apenas como fator de intimidação e agressividade do design.
Não é mostrado o que tem dentro do cabo nem tampouco se este é realmente oco mas pelas fotos dá para ver o que parece ser um fio negro na junção cabo tampa que acredito ser a borracha de vedação.
Tem um pomo plano e um cordel de nilon enrolado no cabo à Jimi Lile.
A guarda é enorme e muito desengonsada, contrastando com o restante do projeto , possui uma chave de fendas na parte inferior e uma chave philips na parte superior à moda Rambo II.
Todo o conjunto é feito de aço 440 C, sendo que a lâmina tem duas têmperas sendo a parte do meio da lâmina com 58/59 HRc e o pé da lâmina com 45/46 HRc.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Conjunto de facas de sobrevivência usados por Arnold Schwarzenegger no filme "Commando".

Predator e, de novo Jack Crain.
No fim dos anos 80, um filme de ação e terror movimentou o grande público mundial por ter no papel principal, novamente o “ator” Arnold Schwarzenegger, mas que desta vês surpreendeu com uma boa atuação em um filme muito bem produzido e, embora de orçamento restrito (a verba acabou antes do término do filme e os produtores tiveram que injetar mais dinheiro senão o filme não acabaria), muito bem dirigido.
O personagem de Schwarzenegger, o major Dutch Schafer, lidera um grupo de commandos para o que seria uma operação de resgate mas acaba ficando só em meio à floresta perseguido por um monstro alienígena que caça seus companheiros.
Schwarzenegger usa, entre outras armas, uma grande faca de sobrevivência fabricada também por Jack Crain que o ajuda a sobrepujar o álien depois que fica sem o arsenal moderno perdido na perseguição.
A faca projetada por Crain é ainda maior que a do filme Commando e possui 12 ½” (317,5 mm) de lâmina e 5 ½” (139,7 mm) de cabo e esta, até mesmo nas mãos do grandalhão Schwarzenegger já dá pra se notar que é monstruosa. Pra se ter uma idéia do tamanho, ela é 1” maior que um teclado de PC tamanho padrão que tem 17”.
Também construida toda em aço inox 440 C com o mesmo sistema de têmpera, e acabamento realmente fantástico, tanto que sequer se nota as minúsculas folgas nas junções entre lâmina e guarda, comuns em qualquer faca, seja ela comercial ou artezanal.
O destaque desta faca fica por conta de uma peculiaridade pois ao contrário do que era usado até então, esta lâmina não apresenta a serra de contrafio, porém, ao contrário do modelo Commando, a lâmina é desbastada de forma a ter o dorso mais largo do que o meio. Será que o criador iria fazer a serra e desistiu no meio do caminho por achar que ficava mais bonita sem? Mas também, convenhamos que com uma faca nestas dimensões, nem precisa serra pois a mesma já deve pesar tanto quanto um machado.
O pomo da empunhadura é feito em forma cônica, o que serve muito bém para combate pois é um “skull crusher” natural, mas o inviabiliza para quebrar noses, martelar estacas ou coisas que o valham.
Por fora do cabo encontraremos a tradicional cordinha de nilon de múltiplas utilidades.
Bom. Embora no filme não mostre, pois a cena foi cortada da película (que pena pois é interessante), mas dentro do cabo tem fósforos, que Schwarzenegger utiliza para confeccionar algumas granadas usando o propelente das granadas que lhe restaram. Pode-se ver a cena da faca sendo aberta através do youtub procurando por “Schwarzenegger Predator 1 Deleted Scenes”.
As facas Crain são dificílimas de ser encontradas e quando se encontra o preço é absurdo, por volta de U$1.600,00 as do modelo Commando e U$2.500,00 as do modelo Predator, embora os facões usados no filme sejam encontrados até mesmo no Brasil para serem comprados e já cheguei a vê-los até no Mercado Livre a preços não exatamente exorbitantes, mas também não muito acessíveis a nós, reles mortais.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Aqui o conjunto de facas e facões feitos por Jack Crain para o filme "Predator". Realmente muito bonitas

Outros.
Fora estes filmes que ficaram famosos, outros filmes de baixo orçamento (e bilheteria idem) também mostram facas de sobrevivência como o filme “American Ninja”, que mostra o ator principal usando uma Explora Survival para cortar arames, o filme “Senhor da Guerra” estrelado por Klint Eastwood, também mostra vários membros da unidade de Eastwood usando Exploras, Na série de TV “MacGuiver”, o vilão que é o arqui-inimigo de MacGuiver usa facas de sobrevivência custom em três episódios onde persegue MacGuiver, No filme “Queima de arquivo” com o grandalhão Schwarzenegger, ele usa uma Explora na cena em que enfrenta agentes na casa de uma testemunha.

De volta ao mundo real.

Cuteleiros custom norte americanos.
Além de Jimi Lile, Bo Randal, Jack Crain, notabilizaram-se com seus modelos de faca de sobrevivência, Robert Parish, Bil Sanders, Chris Reeves... Cada qual com seus modelos com maior ou menor grau de utilidade, além de processos de têmpera exclusivos e materiais e acabamento diferenciado. Alguns dos quais notabilizaram-se por seus produtos não terem a confiabilidade exigida, outros por surpreenderem exatamente pelo oposto.
Abaixo, alguns modelos e seus criadores.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Facas do cuteleiro Bill Sanders. Belas, bem prijetadas e muito bem executadas.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Esta é uma das facas do cuteleiro Chris Reeve, que ficou célebre por construir facas de sobrevivência monobloco a partir de uma barra redonda de aço carbono.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
As fotos acima são de facas do cuteleiro Martin com seus modelos MCE, SURV9, SURV8 e SURV 7, respectivamente. A primeira feita em aço carbono e a última feita em aço Damasco, as demais em inox 440 C.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Faca do cuteleiro Robert Parish, o vilão das Hollow Handle.


Facas de sobrevivência comerciais.
Buck Buckmaster
A tradicional empresa de cutelaria Buck norte americana, situada perto de San Diego, Califórnia, que estava à beira da falência, recebeu um grande impulso quando começou a fabricar o seu modelo Buckmaster, uma faca grande destinada à sobrevivência com 7 ½” (19 cm) de lâmina e ¼” de espessura tem o nome do modelo estampado na lateral por forjamento a quente.
Além da lâmina, cabo, guarda e pomo totalmente em aço inoxidável, ainda apresentava dois furos com rosca na guarda que serviam para acoplamento de dois pinos que transformavam-na em uma âncora, além de uma peça acoplada ao final do cabo e presa pela tampa que serviam para passar uma corda e transformava o conjunto em um gancho de rapel (da qual a Tramontina copiou a idéia). A bainha, feita de polipropileno injetado possuía dois passadores laterais onde se acopla um bolso de nylon que serve para a guarda de uma bússola tipo silva.
A buck notabilizou-se dentro e fora dos EUA pela excelente qualidade de seus produtos, pois além da escolha de aços e temperas que dão ao produto final uma garantia de durabilidade por toda a vida, o acabamento era esmerado, fazendo-a a preferida por muitos colecionadores de todo o mundo, embora os seus preços nunca fossem atraentes.
A faca Buckmaster é resultado de uma parceiria feita entre a Buck e a empresa Probis, fundada por Charles Fin para conceber ferramentas de sobrevivência e armas.
Embora a faca Buckmaster tenha sido um estrondoso sucesso de vendas, promovida também pelo filme Rambo que usa uma faca bastante parecida, a empresa Probis e Buck não conseguiam entrar em acordo quanto ao repasse de royalties sobre os direitos de projeto e, somado a mais dois desenhos que a Buck havia encomendado à Probis e que também foram muito rentáveis à Buck (uma faca dobrável e a baioneta M9, da qual 300.000 unidades foram vendidas ao exército), as empresas entraram em disputa judicial, só acertando suas diferenças com a compra dos direitos pela Buck.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A faca Buckmaster da Buck, Segundo alguns usuários, muito grossa, pesada e cara, mas uma das mais colecionáveis entre os norte americanos.

AITOR
Ainda na década de 80, outra tradicional fabricante de facas espanhola, a AITOR decide entrar no jogo e passa a fabricar os seus modelos Jungla 464 (que não passou da fase de protótipo), Jungle King I, Jungle King II, Jungle King III, Bucanero, Commando e, por último a Desert King, todas com cabo oco, materiais, acabamento e acessórios de excelente qualidade.
As facas AITOR tem um aço de excepcional qualidade e acabamento beirando a perfeição. A dureza das suas têmperas fica em torno dos 54 a 57 HRc, o que as torna não muito difíceis de serem re-afiadas quando perdem o corte mas os mantem por um bom tempo de uso árduo, tanto quanto o necessário para o fim a que se destinam.
Também não me alongarei falando destas facas por já ter esmiuçado o suficiente as mesmas nas matérias “Jungle King I” e “Commando” neste mesmo tópico e, as outras duas, Jungle King II e Bucanero serem objeto de posts futuros se for do agrado dos amigos foristas.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Aqui a família de facas de sobrevivência hollow handle da Aitor quase completa (falta a KJ III). Da esquerda pra direita: JK II, Bucanero, JK I, Commando e, por último, Desert King.
Destas, apenas a Bucanero não é mais fabricada. Uma família pra ninguem botar defeito.


Halcon.
Além da fábrica Aitor e Marto, uma outra empresa fabricou facas de sobrevivência, a Halcon (falcão em espanhol). Tinha um modelo que foi fabricado em pelo menos duas cores, cinza e preta e dois modelos de bainha, um rígido e outro flexível e que era, além de muito bonita, extremamente funcional.
Uma peculiaridade nos modelos dessa empresa é que, mesmo tendo cabos tubulares e apresentando uma tampa aparente nos cabos, esta não se abria e os itens de sobrevivência ficavam confinados em uma gaveta dentro da bainha. Não se sabe o porque dessa atitude da empresa, a princípio pensou-se que era por problemas de patente, mas inúmeras outras empresas fabricaram esse tipo de equipamento sem qualquer tipo de cobrança de royalties.
Estas facas são raríssimas e quem as possui em bom estado não se dispõe das mesmas. Quanto à dureza de têmpera, tipo de aço ou mesmo dimensões, nada é sabido por mim por mais pesquisa que tenha feito, embora já tenha visto fotos de uma peça destas quebrada na mesma linha onde começa o fio e a serra pois cria-se um ponto de fragilidade ali, também porque, ao que pude ver, as lâminas destas facas são muito finas, algo em torno de 3,5 a 4 mm para uma faca de lâmina tão grande onde a força de alavancagem cria tensões muito altas, notadamente no pé da lâmina.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A faca Halcon, espanhola, bela, mas frágil.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima a foto da dita cuja quebrada.

As brasileiras.
A febre sobre as tradicionais facas de sobrevivência (ou facas do Rambo como ficaram vulgarmente conhecidas) chega ao seu ápice. A grande maioria dos fabricantes do mundo todo passa a ter em seu catálogo algum tipo de faca de cabo oco com serra no dorso e bússola na tampa e, neste vasto território tupiniquim não poderia ser diferente.

Primeiro as custom.

Roberto Gaeta (ou Bob G.).
Esse fantástico artesão de São Paulo, precursor da arte no Brasil tinha em seu catálogo de vendas desenas de modelos de facas de sobrevivência com cabo oco e serra no dorso. Particularmente, acho seus projetos bastante bons, mas isso não se iguala a ótimo não é mesmo. Porém, algumas possuiamr um furo na base das lâminas e uma espécie de cintura antes da guarda que as fragilizava muito. Outro ponto que achava bastante extravagante e pouco funcional eram as bainhas com bolsos muito grandes e muita coisa saindo para fora deles.
Trabalhando quase que exclusivamente com o aço 440 C, Gaeta ficou muito conhecido pelo alto grau de acabamento das suas peças tendo, inclusive, peças suas vendidas com uma certa regularidade para o exterior.
Um projeto seu que difere muito do tradicional estilo Bowie usado nessas facas é a faca Águia, realmente algo muito inovador e estupendamente executado. Este talvês seja um dos meus projetos preferidos dentre os feitos por este artesão do açoe creio ser o mais original e efetivo dos seus designs
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima o modelo de sobrevivência convencional mais vendido de Gaeta.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Aqui uma coleção admirável.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima a "Àguia" de Gaeta, um excelente projeto, funcional e de linhas lindas, além de muito original para o gênero.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Um projeto mais recente de Gaeta é essa enorme faca com mais de 27 cm de lâmina e um adereço de borracha na empunhadura. Dessa vês a serra não é afiada.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Essa é a Zagaia, um dos últimos projetos do gênero do artesão e com adereços bem diferentes no cabo. Porém, furo e estreitamento na lâmina junto ao cabo..

Antal Bodolay.
Disputa o título de primeiro cuteleiro custom do Brasil com Bob G. a meu ver, tem projetos mais sóbrios e com características mais funcionais embora muito simplista. Um desses projetos continha adereços de couro em volta do cabo que dava um excelente haspécto final ao conjunto.
Trabalhando em uma pequena oficina na região da Pampulha em Minas Gerais, Bodolay utiliza tanto aços inoxidáveis quanto ao carbono em seus projetos sendo que estes últimos recebem acabamento tanto oxidado quanto fosfatizado e os primeiros podendo apresentar acabamento polido ao espelho ou foscos através de banhos a ácidos.
Bodolay também fabricava réplicas de canhões, balestras e outras peças de aço.
Hoje, Edgar seu filho tomou o seu lugar na confecção de peças e as executa muito bem com excelente acabamento e com materiais e têmpera primorosos
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima facas de Antal Bodolay, a do centro é um dos modelos de sobrevivência do cuteleiro, ladeada por um cucri acima e uma faca de caça à moda Buck, todas de acabamento impecável alem de design sóbrio e elegante.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Aqui o modelo de sobrevivência mais conhecido do cuteleiro com a linda bainha em couro e uma skinner de múltiplas utilidades que vinha no conjunto à moda Jungle King.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Os dois modelos acima são fabricados pelo filho de Atal, Edgar, que ao que parece herdou as habilidades do pai.

Milton Padilha.
Paulista mas residente em Curitiba, Milton Padilha trabalhava com pouquíssimo ferramental sendo o seu trabalho, talvês o mais artezanal de todos os custom’s do Brasil.
Padilha tinha vários modelos de facas e punhais mas apenas um modelo de produção mais regular com punho oco. Este modelo era baseado em um modelo do cuteleiro Robert Parris. Feito em aço ao carbono temperadas ao óleo tinham a guarda, cabo e pomo em aço AISI 304. O formato drop point culminava no eixo da lâmina e a serra triangular com dentes pequenos tinha os cantos, que deveriam alem de ser vivos e mais largos que a lâmina, arredondados pelo processo de polimento. Embora uma peça muito bem executada para servir como peça de coleção, como equipamento de sobrevivência deixaria a desejar pois uma faca que se diz de sobrevivência deve exigir cuidados mínimos e isso implica a utilização de aços inoxidáveis para não enferrujar. O sistema de junção do cabo era um segredo do artesão, mas o pouco que revelou dava mostras de que era o mesmo usado por Jimi Lile
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A faca de Padilha é quase uma réplica da faca de Parish. Só espero que não seja frágil como a sua predecessora.

Fabricantes industriais.

Paz & Pazini.
Embora esta seja uma tradicional fabricante de facas para churrasco ao estilo gaucho de Fóz do Iguaçú, havia em seus catálogos antigos algumas facas custom ou semi-custom com cabo oco que realmente chamavam a atenção pelo design e acabamento, embora os vendedores que me atenderam nunca conseguiram me responder qual o tipo do aço e nem a dureza da têmpera. À época (1985, aproximadamente), entrei em contato com a empresa para estudar a compra de uma destas fabulosas peças mas como o resultado da conversa não foi satisfatório, acabei por desistir (Oh! Quão arrependido estou).
Algumas destas peças que figuravam em uma propaganda na revista Magnum da época tinham designs e acabamento realmente de saltar aos olhos.
Como tradicionalista que sou e, fã das facas de Jimi Lile de porte médio a grande, não poderia deixar de notar estas peças e desejá-las para a minha pequena coleção.
Ao final da década de 80 a revista Magnum encomendou a este fabricante a confecção de 100 peças de um modelo de facas de sobrevivência com 18 cm de lâmina e punho oco, porém com tampa feita (no que parecia ser) de aço carbono??????
Fiquei realmente muito intrigado com aquilo pois uma tampa nesse material realmente inviabilizava muita coisa na faca pois ao contato quotidiano com a mão, mesmo recebendo um acabamento excepcional, este tenderia a enferrujar-se rapidamente, além de, inviabilizar a instalação de uma bússola nessa região. Bom... Vá saber o que pensaram os idealizadores, de repente, queriam idealizar um martelo bem resistente, quem sabe.
Estas facas eram vendidas pela própria editora da revista com uma linda bainha de couro negra em um estojo de imbuia acolchoado internamente com um veludo vermelho. Realmente lindo o conjunto.
Recentemente vi um anúncio no Mercadolivre de uma faca muito parecida com a primeira que me interessei nos anos 85 e logo mais tarde vi outra como a das versões comemorativas da revista Magnum, mas os preços estavam algo fora de alcance para min no momento. Na verdade não precisa ser muito alto pra ficar fora de alcance pra mim. Uma oportunidade que realmente vou me lamentar muito de ter perdido.
Quanto ao aço e a dureza de têmpera, acredito piamente que se fosse algo de baixa qualidade, a revista Magnum não teria escolhido essa empresa para fabricar as facas comemorativas da sua marca, principalmente porque esta revista tem um dos melhores (senão o melhor) escritor sobre o assunto de todo o pais, que é o Sr. Laércio Gazinhato, a quem muito me inspirou em minhas pesquisas sobre o assunto.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima, Página promocional das facas esportivas Paz & Pazini. Bons tempos.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Este modelo foi fabricado a pedido da revista Magnum em comemoração aos seus 10 anos.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima um dos modelos de sobrevivência da Paz & Pazini à venda no mercadolivre no início deste ano.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima o modelo comemorativo da revista Magnum fabricado pela Paz & Pazini que também estava à venda no Mercadolivre no início do ano.

Tramontina.
A tramontina começou a fabricar facas de sobrevivência com o modelo “Commander I” nos meados de 1986 ou 87, não me lembro ao certo, mas o fato é que tanto o projeto quanto a matéria prima eram de qualidade bastante impróprios (pra não dizer outras coisas), seguidos pelos modelos Commander II e Commander III.
Commander I.
O modelo que tive era muito anti-funcional pois (começando pela lâmina) tinha uma serra positivamente inútil, além de uma reentrância na base da lâmina que servia como abridor de garrafas, mas que no fim das contas enfraquecia sobremaneira a lâmina pois diminui a secção exatamente no ponto onde mais esforço esta sofre e a chapa utilizada era de grossura intermediária (4 mm), o que não ajudaria em nada nesse ponto. Pra falar a verdade, apenas dobrando a guarda na parte superior já se conseguiria um abridor muito mais eficiente que este sem, contudo, enfraquecer a lâmina. A espiga desta lâmina sofre um rebaixo e depois outro que culmina em um parafuso forjado da própria lâmina, tal forjamento acaba por “engordar” o parafuso em 1 mm deixando-o com 5 mm e cerca de 15 mm de comprimento, que é inserido dentro do cabo de alumínio e parafusado a ele por dentro. Eu nunca ouvi dizer que nenhuma destas facas tenha se quebrado nessa junção, apesar de toda essa aparente fragilidade, mas de qualquer forma, eles se soltam com muita facilidade quando de golpeia em madeiras ou usa-se algum porrete para essa finalidade, tendo-se que levar junto com a faca uma chave de pito na medida de ¼” para ir apertando o parafuso/espiga enquanto se utiliza da faca.
O cabo destas facas é feito em alumínio injetado e, embora como muitos podem dizer que é um material sem qualquer especificação de dureza e elasticidade, eu nunca vi nenhum cabo de nenhuma Tramontina de cabo oco quebrar-se por mais esforço que tenha sofrido embora já tenha visto gente que tenha colocado muita força neles, mais à frente direi mais a respeito.
A tampa do cabo da Commander I é uma grande incógnita para mim. Não sei exatamente o que eles pretendiam mas fizeram isso em uma enorme peça de Zamac com a bússola voltada para fora, o que fragiliza o conjunto e deixa a extremidade do cabo exageradamente pesada, tanto que é impossível andar com ela na cinta sem estar com o cabo abotoado pois ela se vira e cai, então, quando se está trabalhando com ela no campo e se quer uma certa agilidade no saque, é melhor colocá-la enfiada em uma árvore do que guardá-la na bainha para acesso rápido.
O kit de sobrevivência realmente não merece nem comentários. Deve ser trocado no momento da compra.
A bainha em excelente couro (afinal algo deveria prestar não é), é muito bonita e com a faca inserida nela, faz quase esquecer todas as falhas de projeto que estas possuem. Tem um bolsilho na frente e uma pequena pedra para a afiação de muito boa qualidade.
Uma observação adicional. Não sei que aço a Tramontina usou nessas facas ou que processo de têmpera empregou, mas a qualidade da combinação era realmente difícil de engolir. Eu fiz alguns belos dentes na minha apenas cortando bambu para fazer uma xoxa para pombas em uma caçada e isso me deixou tão desgostoso que acabei por doá-la de presente a um amigo que havia ido caçar comigo algumas vezes e disse não se importar com esse probleminha pois só iria usá-la para limpar peixes em suas pescarias.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Faca Commander I da Tramontina.

Commander II.
Nunca me interessei de fato por este modelo por causa da decepção com a primeira faca, mas já possui algumas melhorias muito grandes.
O modelo foi copiado da faca Buckmaster, desenhada pela empresa Probis e fabricada pela Buck, que mencionamos anteriormente. Possui uma serra para escamar peixe ou cortar pão no contrafio, serra trançada no dorço à moda explora survival (agora sim, algo funcional, embora esta não seja mais larga que o restante da lâmina, mas funciona) e um furo oblongo a alguns centímetros da ponta que, ao se encaixar a um pino existente ao final da bainha, se transforma em um eficiente cortador de arames, também copiado da explora. Quanto ao material da lâmina... algo mudou enfim. Eles passaram a utilizar aço cromo-molibdênio e tempera subzero, que a fábrica chama de “têmpera com gelofort”. Realmente melhorou muito mas ainda assim, a empresa nunca revela a duresa de suas lâminas, uma falta do fabricante em sí.
Mas a lâmina continuava a ser fixada atraves do parafuso/espiga...
A guarda, de aço, possui dois furos com rosca onde são acoplados dois pinos de aço e, juntos com uma outra peça existente ao final da empunhadura, transforma a faca em um gancho de rapel (eu não faria isso se fosse um usuário destas facas).
O cabo é praticamente o mesmo das commander I, mas a tampa (a bainha também) é uma cópia quase exata da faca Explora Survival, já comentada, o que melhora muito o projeto em sí.
O kit de sobrevivência não mudou, portanto...
A bainha é feita em poliuretano injetado com terminais em alumínio (nos primeiros modelos) ou aço carbono cromado. Possui um clip interno para que a faca não fique xacoalhando dentro da bainha mesmo quando não esta presa pela braçadeira de punho e mantem a faca firme o bastante mesmo para ser posta de cabeça para baixo e xacoalhada sem, contudo, soltar-se. Possui pedra de afiar colada na parte de tras (mas a qualidade destas caiu muito) e o referido cortador de arames na extremidade inferior. Deve-se dizer que esse equipamento corta realmente arames de grandes diâmetros e isso não se dá pelo fio da faca, mas pelas costas da lâmina que causa o cisalhamento quando de encontro à ponteira da bainha.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.].
Faca Commander II da Tramontina. Melhorias no projeto e materiais.

Commander III.
Cópia quase que exata das facas Explora Survival e, a não ser pela fixação da lâmina com o cabo (que ainda era feita do tal parafusamento da espiga), da tampa do cabo (que continua sendo feita de zamac) e da péssima gravação feita na lâmina, seria uma opção realmente excelente pois com a melhoria na qualidade do acabamento e do melhor material e processo de tênmpera usados, fariam dela com certeza uma grande companheira de aventuras para muitos e, até mesmo, uma colecionável.
Deixem me contar-lhe algo sobre o que comentei acima quanto a esforço sofrido no cabo.
A bastante tempo atras, eu nem tinha a minha Commander III ainda, um amigo meio esnobe de meu irmão prendeu a lâmina de uma destas facas em uma morsa de bancada e puchou-a até quebrá-la p-ara, segundo ele, testar a resistência, mas é necessário dizer que ela se partiu somente na furação da lâmina onde se encaixa ao cortador de arames e, mesmo assim, depois de muito esforço lateral, pois se fizer esforço cortando arames com ela ela aguenta o tranco. Esse amigo do meu irmão deu a faca quebrada a ele e ele, sabendo que eu queria fazer uma faca com cabo oco, me deu o cabo, cujo qual eu adicionei uma lâmina feita de mola e com tamanho muito maior do que a original, mantendo a fixação original da Tramontina através de um parafuso na espiga, só que também coloquei um pino elástico e cola epoxínica por dentro do conjunto (araldite 24 hs mesmo). Eu a uso para serviços extremamente pesados a muito tempo (já construi pontes, escadas, cortei até pequenos troncos para desobstruir leitos de rios, substitui a tampa por uma de inox e usei-a como martelo e, enfim, uma infinidade de atividades com ela) e ela está excepcionalmente firme ainda ao cabo. Não poderia uma empresa do porte da Tramontina ter estudado essa possibilidade e feito algo realmente de boa qualidade? Que valor isso acrescentaria ao preço do produto final? Centavos, talvez? Creio que qualquer um de nos pagaria essa diferença sem piscar pra ter uma faca realmente confiável.
Um grave problema ocorreu com a minha Commander III, como eu já mencionei em outro post sobre as facas Explora Survival. A gravação do transferidor que é feita na lateral esquerda da lâmina apagou. É isso mesmo. De tão mal feito e com tão pouca profundidade, o atrito com o clip interno que prende a lâmina o fez sumir. Uma lástima pois eu tenho o manual da faca original e ele ensina como se orientar em qualquer local do globo usando exatamente essa escala. Quanto à gravação da lâmina, já que se tem todo o aparelhamento para isso, seria somente aprofundar mais o trabalho para que tivesse uma vida mais prolongada. Recentemente enviei um e-mail ao SAC Tramontina para saber da possibilidade da regravação da lâmina e o que recebi em resposta foi: "É impossível regravar a lâmina" - Só, assim, curto e grosso.
Eu não sei se os empresários do ramo da cutelaria no Brasil são assim, lânguidos de espírito ou se simplesmente acham que seus clientes não merecem um pouco de capricho e honestidade ao fornecerem a eles algo que realmente dure o quanto se propõe a durar pois uma faca dita de sobrevivência deve aguentar mais maltratos que facas convencionais, haja vista que é um equipamento para emergência.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A faca Commander III. O mais técnico dos três projetos que a Tramontina fabricou.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Acima a foto promocional das facas de sobrevivência da Tramontina.

Além da Paz Pazini e da Tramontina, nenhuma outra fabricante de lâminas criou ou fabricou nada que tenha chamado a atenção sobre o tema no Brasil.

O esquecimento.
Depois de tantos cuteleiros realmente bons terem deixado a sua marca na fabricação de facas de sobrevivência de cabo oco, alguns realmente pisaram na bola. Robert Parish depois de ser questionado por uma revista especializada no assunto a respeito de uma faca sua que foi quebrada com pouquíssimo esforço lateral na lâmina se defendeu da seguinte forma: -“É impossível fabricar facas realmente boas e que não quebrem na base tendo apenas um pedaço tão pequeno de lâmina fixado ao cabo. Lâminas tem que ser full tang ou se quebrarão.” - Ess declaração de um artesão reconhecido como um dos grandes dos EUA jogou realmente um balde de água fria nos esforços de desenvolvimento de facas de cabo oco, no entanto AITOR as fabrica ainda hoje e dá garantia vitalícia aos compradores dos seus produtos e eu nunca vi em minha vida, um AITOR de punho oco quebrar-se ou soltar-se, mesmo depois de abusos como ficar em pé sobre o cabo com a lâmina enfiada entre troncos, pedras ou gaveteiros de cômodas. Se uma lâmina tiver que quebrar-se por esforço ali, naquele ponto, não é porque o sistema de fixação não presta, mas porque naquele ponto estava fragilizada ou por concentrar esforços, logo, se fosse uma full tang também quebraria ali. Como apreciadores de arco e flecha que somos, creio que a maioria de nos sabe que as lâminas (limbs) de arcos e bestas devem ser mais grossos no pé do que na ponta pois é ali que os esforços se concentram portanto, se tiverem que fraturar-se, é ali o ponto então, não venham me dizer que quebraram porque o projeto não funciona por causa do cabo que eu direi que isso é um absurdo.
O grande problema das facas de sobrevivência de baixa qualidade não é o rompimento, mas sim o sistema de fixação que se solta por não ser bem projetado ou devidamente executado.
Hoje a maioria dos praticantes de esporte ao ar livre quando perguntados a respeito, diz que isso é enganação, que é certo que estas facas o deixarão na mão no momento em que mais precisarem delas e por ai afora.
Simplesmente não é assim.
Tenha uma destas facas de boa procedência à mão quando estiver com o carro encalhado em uma região do norte do Brasil em uma temporada de chuvas e conte depois o que aconteceu. Deixe-a, no porta luvas do seu carro quando for pescar ou caçar e tenha que limpar um peixe ou uma caça, acender um fogo, construir um abrigo ou qualquer outra coisa corriqueira dentro de um acampamento. Você pode me dizer – Nada que um bom facão, um bom machado ou um serrote não façam melhor - mas perceba o volume e o peso diferencial que terão de carregar, porque eu tenho certeza que vocês sabem que em situações extremas, a logística é tudo.

As facas de Sobrevivência hoje.
Alem da AITOR e BUCK não tenho notícias de outras empresas cuteleiras que fabricam esses modelos atualmente. Aliás, nem sei se a Buckmaster continua a ser fabricada mas a Jungle King e a Commando ainda são líderes de vendas da Aitor mostrando que o mercado para essas lâminas ainda é pugente..
Quanto às artezanais, o cuteleiro custom Cris Reeves ainda hoje as fabrica, porém, monobloco, ou seja, em uma única peça feita a partir de uma barra de aço sólida e é reconhecido mundialmente por seus trabalhos, embora eu não goste muito dos designs de suas paças.
No Brasil, cuteleiros custom torcem o bico para fabricar facas assim e pedem verdadeiras fortunas para que não seja compensador ao cliente.

Mudança de conceito.
Hoje em dia as facas ditas de sobrevivência são aquelas que apenas possuem a lâmina se prolongando através do cabo (full tang) e, sequer possuem serra ou pedra para a afiação. Como já me manifestei antes, sou defensor do conceito purista dessas facas. Se me perguntarem novamente ( e mesmo que não perguntem), vou lhes dizer que facas de sobrevivência são somente aquelas que tem o cabo oco, serra no dorso, bússola na tampa e sistemas de afiação embutidos.

Porque facas de cabo oco?
Hoje existem as facas KA-Bar tipo BK2 ou algo assim, as facas do Bear Grils, fabricadas pela Gerber e outras tantas que, perdõem-me pela cinceridade, são boas facas, mas não são facas de sobrevivência. A do Bear Grils ainda se aproxima mais pois tem um sistema de acendimento de fogo, sistema de afiação, apito, etc., mas são facas utilitárias para bushcraft, não para sobrevivência. E se estiver no mar em uma balsa salva-vidas, vai fazer o que com uma destas facas que sequer tem kits de pesca. Srs. a pesca de pequenos peixes é a fonte mais rápida e produtiva de se matar a fome mesmo em ambientes de selva. Só não servirão mesmo no deserto, mas ai, qual faca servirá?
Peguem um cidadão desesperado por comida e água e com as mãos trêmulas e tente fazê-lo construir armadilhas com uma BK2 que não tem nem um tipo de cordas ou linhas.
Ou ponha uma Gerber/Bear Grils para derrubar toras de madeira para a confecção de uma jangada.
A resposta é uma só.
Vai sofrer.
Bater na lâmina com um porrete pode dar certo mas o aço temperado é algo peculiar, se fizer uma lâmina com baixa dureza, irá perder o fio rapidamente e se a fizer em um aço muito duro, não poderá receber golpes que se fraturará, a menos que sejam muito grossas, dai o conceito das serras no dorso das lâminas de sobrevivência, para evitar esse tipo de coisa.
Um especialista consegue fazer tudo o que quiser com uma lâmina simples e sem acessórios, mas uma pessoa comum precisa de tanta ajuda quanto puder encontrar e isso tem que ser portátil e leve pra não esgotar em demazia o sobrevivênte. A confecção de cordas de materiais naturais para abrigos e armadilhas é algo extremamente técnico e demorado, confeccionar anzóis com materiais da natureza é igualmente frustrante, tanto quanto menor for o tamanho dos peixes que estiverem à disposição, acender fogo sem qualquer sistema moderno (notadamente na Amazônia onde o índice pluviométrico é altíssimo e tudo ou está molhado, mofado ou podre) pode ser uma tarefa inpossível. Lembro que mesmo Bear Grils com um sistema de pederneira quando foi para a Amazônia não conseguiu fazer fogo por causa da umidade. Confeccionar armadilhas, se você estiver em movimento é muito demorado e carece de muito conhecimento em técnicas de rastreio para descobrir as rotas de animais portanto, algum sistema de caça de aves ou pequenos roedores que serão encontrados ocasionalmente pode ser de grande utilidade, além de kits de pesca e cordas de nylon de boa resistência para a confecção de um arco ou coisa que o valha.
Os homens do paleolítico conseguiram sobreviver construindo facas de pedra lascada, cordas de materiais naturais, arcos e flechas rudimentares mas quem disse que era fácil pra eles pra executarem suas tarefas e nessa época havia uma maior abundância de caça e pesca, além de reunirem-se em bandos para conseguir realizar as suas tarefas.
Quem assistiu ao filme “Apocalipto” dirigido por Mel Gibson viu logo no início deste uma cena de caça dos índios pré colombianos e sabe o que eu digo.
Em um momento de extremo estresse, você não quer ter que ir apanhar um kit de primeiros socorros, outro de pesca, outro de caça, outro de costura e outro de... Você quer apanhar aquele equipamento que reune todas estas funções e até algumas mais pois creio que se tiver que nadar para escapar de algum naufrágio (quem já viveu na região amazônica sabe o que pode acontecer nas imensas vias fluviais existentes) não quer ter que carregar uma mochila nas costas até a margem ou mesmo mata adentro. Mas terá que acender uma fogueira para aquecer-se até a chegada de um resgate, pescar alguns peixes para se manter e talvês manter outros sobrevivêntes, confeccionar algum abrigo para isolá-lo das chuvas frequentes e, talvês até, confeccionar uma jangada para seguir viagem caso o isolamento seja muito grande e a sua ausência não seja sentida ou não se saiba o seu paradeiro, haja vista que com as chuvas em algumas temporadas, todo o mapeamento hidrográfico da região muda sendo impossível conhecer todas as rotas e dificultando imensamente trabalhos de localização nesta área.
Contar com essas pequenas traquitanas que podem ser carregadas no cabo ou na bainha de uma faca é ser precavido e não esperar que a sorte lhe seja favorával a vida toda. Como já bem dizia a minha finada avó: “Um homem prevenido vale por dois”. Ai eu digo que “Uma boa faca de sobrevivência vale por dez”.
Bom, além da minha porção de conhecimento sobre o tema, eis também as minhas considerações. Não espero que concordem comigo em todas as minhas idéias, mas sim que tenham gostado da leitura, possam aproveitar algo dela e, colocar aqui as suas opiniões para debatermos livremente e aprendermos uns com os outros pois novas formas de pensar são sempre bem vindas e sempre se tira algo de bom tanto do velho quanto do novo pra quem quer e tem humildade de aceitar.
Caso alguém tenha fotos de modelos de facas do gênero e quiser postá-las para o nosso deleite ou, ainda, se algum cuteleiro frequentador do fórum tiver fabricado alguma faca hollow handle e queira nos brindar com fotos de suas criações, fique a vontade, só gostaria de pedir que coloquem exclusivamente fotos de facas hollow handle para não desvirtuar o tema.
Um grande abraço a todos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Lincoln



Mensagens : 5965
Data de inscrição : 24/03/2011
Idade : 36
Localização : Campina Grande - PB

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 9:43 am

Mais um artigo fantástico, Sandro. Para enriquecer a nossa cultura. Material sobre "outdoors" em português é um pouco raro. Redimensionei algumas fotos para evitar a deformação da página do fórum.

Temos excelentes articulistas aqui no fórum, quem sabe um dia organizamos uma publicação periódica. Algo tipo "Revista ArcoBrasil", em .pdf para distribuição gratuita. Poderíamos incluir anúncios para ajudar a financiar um encontro anual. Somente algumas ideias.

_______________

Divergimos bastante sobre faca de sobrevivência. Realmente eu concordo 100% com o Parish. Não somente na questão do tamanho da espiga, mas em todo o conceito das facas hollow handle. Pra mim uma faca de sobrevivência não pode falhar. Nos fóruns sobre cutelaria (americanos) que participo, esse tipo de faca é considerado um conceito ultrapassado, principalmente pelos mais jóvens. Lá o sucesso dessas facas é sempre creditado aos filmes do Rambo, e não a sua utilidade. As facas de sobrevivência, que estão na moda atualmente, devem ser full tang, com desbaste convexo ou scandi, e de preferência em aços mais modernos. Os aços usados atualmente nessas facas possibilitam uma incrível resistência a impactos, com extrema resistência a abrasão e dureza. A faca retém o fio por muito tempo, e ainda pode ser golpeada, usada pra rachar lenha, abrir picada, e todo tipo de abuso. Praticamente um contra-senso das normas da cutelaria tradicional. Alguns desses aços são CPM 3V, CPM 154, 154CM, e até mesmo A2. Fazem facas grandes com dureza maior que 58 HRC, extremamente cortantes, que não quebram nem perdem o fio com facilidade.

As facas da moda têm mais ou menos essa cara

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

_________________
``Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better.'' [S. Beckett]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 2:59 pm

Beleza Lincoln, mas, e se tiver que comer (e vai), onde estão os acessórios pra auxiliar a conseguir isso?
Ou você acha que vai ter tempo (e habilidade) pra conseguir fabricar anzóis (pois não é todo rio que tem peixes grandes o suficientes pra se pegar com arpão), linha pra pescar, madeira e corda pra confeccionar um bowdril pra fazer fogo, corda pra fazer abrigo e, por ai afora. Não digo que não consiga fabricar tudo isso, mas e o tempo que se gasta.
Tem um ditado que diz "quanto mais conhecimento se carrega na cabeça, menos peso se leva nas costas", mas quem disse que somos especialistas em sobrevivência, então, quanto mais ajuda pudermos ter em um único equipamento, melhor.
Uma outra coisa que ouvi de um colega aqui do fórum mesmo na semana passada, você sabia que a faca Jungle King I ainda é a faca mais comprada pelos cadetes que se formam no curso de sobrevivência do SIGS. E isso porque dali saem especialistas eim.
Tem outras facas boas pra sobrevivência dentro deste novo conceito que falou, como as falkniven, as Gerber (desde as BMF até as LMF, passando pela BG), as mora entre outras. Quem realmente tem habilidades de mato se vira com um canivetinho pica fumo mas eu não confio tanto assim nas minhas, e olha que tenho um livro de 700 paginas sobre o assunto aqui esperando pra ser editado.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 3:03 pm

AH!

Quase ia me esquecendo. Obrigado por redimensionar as fotos, eu já vi como fazê-lo em alguma parte aqui, mas quando a gente quer encontrar de novo nunca lembra onde estava.

Valeu e desculpa pelo trabalho extra.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Lincoln



Mensagens : 5965
Data de inscrição : 24/03/2011
Idade : 36
Localização : Campina Grande - PB

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 3:33 pm

Concordo, Sandro. Eu entendi bem os seus argumentos no artigo. Como eu deixei bem claro no meu comentário, trata-se de uma questão de modismo. Na próxima década provavelmente vão olhar pras facas de hoje e vão dizer algo parecido. No final das contas, não dá pra ter uma ferramenta que seja 100% em todos os quesitos.

_________________
``Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better.'' [S. Beckett]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vitorino



Mensagens : 427
Data de inscrição : 10/01/2012
Localização : RS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 3:38 pm

Sandro escreveu:
Uma outra coisa que ouvi de um colega aqui do fórum mesmo na semana passada, você sabia que a faca Jungle King I ainda é a faca mais comprada pelos cadetes que se formam no curso de sobrevivência do SIGS. E isso porque dali saem especialistas eim.

Na realidade a "lamina simbolo" e padrão utilizada pelos guerreiros de selva e por aqueles que são aprovados no curso do CIGS é o famoso facão de selva:
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

_________________
"Os povos que desdenham as virtudes e não se preparam para uma eficaz defesa do seu território, de seus direitos e de sua honra, expõem-se às investidas dos mais fortes e aos danos e humilhações conseqüentes da derrota".
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 4:36 pm

Vitorino.
Eu não disse que é a que o exército dá aos guerreiros de selva, mas que eles compram pra uso pessoal e por conta própria, haja vista que na zona franca de Manaus ainda se encontra muito destas facas.
Outra coisa é que este facão está com os dias contados pois agora estão trocando eles pela nova faca de selva da IMBEL. que é bem melhor que o facão antigo, as IA2 e as AMZ.
Assim como também estão trocando os fuzis FAL pelos mais modernos IA2 em calibre 556, mais leves (quase a metade do peso), com maior capacidade de tiros (30 para o IA2 contra 20 do FAL), além de novas redes de selva e poncho que estão em teste neste momento pelos nossos guerreiros de selva

Lincoln.
Eu também entendi os seus argumentos e concordo em gênero, número e grau. Alias, os maiores entendidos no ramo sobrevivência tem a mesma opinião (eu é que estou meio parado no tempo mesmo, sou das antigas. KKKK) e se você for verificar, a grande maioria dos serviços que se fazem em acampamentos ou mesmo práticas de bushcraft requerem uma faca menor e mais fina mas que tenha uma boa pega e maior controlabilidade pra fazer entalhes e pequenos trabalhos. Facas maiores e mais cheias de coisa são mais pesadas e desengonçadas pra se transportar, principalmente nos tipos de mata do brasil, normalmente cheias de cipós e galhadas.
Vamos ver o que a próxima década (ou o próximo ano, hoje as coisas andam tão rápido) nos trará, espero que coisas boas.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Lincoln



Mensagens : 5965
Data de inscrição : 24/03/2011
Idade : 36
Localização : Campina Grande - PB

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 4:58 pm

Sandro, o que tenho visto muito são bainhas que comportam duas facas. Uma grande pros trabalhos pesados, e uma muito pequena, mas muito pequena mesmo, para entalhes e tarefas delicadas. Têm uns entusiastas de facas pequenas que fazem demonstrações de sobrevivência inacreditáveis com lâminas de menos de 3 polegadas.

_________________
``Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better.'' [S. Beckett]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vitorino



Mensagens : 427
Data de inscrição : 10/01/2012
Localização : RS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 5:17 pm

Sandro escreveu:
Vitorino.
Eu não disse que é a que o exército dá aos guerreiros de selva, mas que eles compram pra uso pessoal e por conta própria, haja vista que na zona franca de Manaus ainda se encontra muito destas facas.
Outra coisa é que este facão está com os dias contados pois agora estão trocando eles pela nova faca de selva da IMBEL. que é bem melhor que o facão antigo, as IA2 e as AMZ.
Assim como também estão trocando os fuzis FAL pelos mais modernos IA2 em calibre 556, mais leves (quase a metade do peso), com maior capacidade de tiros (30 para o IA2 contra 20 do FAL), além de novas redes de selva e poncho que estão em teste neste momento pelos nossos guerreiros de selva.

Ah. Desculpa, Sandro. Depois compreendi o que você havia dito.
De igual forma, creio ser dificil aposentarem o velho facão de Selva, já é simbolo do CIGS, como eu disse, é simbolo dos Guerreiros de Selva:

“COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA (FGS) – Aprovação
a. Aprovo a segunda edição do compêndio do Facão do Guerreiro de Selva (FGS),
elaborado pela Divisão de Doutrina Pesquisa do CIGS.
b. O compêndio do Facão do Guerreiro de Selva destina-se orientar procedimentos quanto
à ritualística que envolve o artefato.
c. O Facão do Guerreiro de Selva é concedido a especialistas em operações na selva,
formados pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva do Exército Brasileiro, mediante processo regulado
neste compêndio.
d. A honraria também é estendida a autoridades que tenham contribuído com a mística que
norteia o espírito dos guerreiros de selva da Amazônia brasileira e/ou representem importantes vetores de
difusão dos nobres valores do CIGS, do Comando Militar da Amazônia e do Exército Brasileiro.
e. A responsabilidade pelo processo de concessão do FGS é da Divisão de Doutrina
Pesquisa, cabendo ao Ch Seção de Pesquisa o seu gerenciamento.
f. Publique-se.


Na íntegra: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Sobre o Fuzil, essa historinha de trocar por outro já conheço de longa data e digo, levando em conta os proprios batalhões de selva e demais OMs, não trocarão o FAL!
Simples, por conta das operações em selva necessitarem um calibre mais pesado, porque, por mais estranho que possa parecer, em ambiente de selva o projetil sofre grande influencia na trajetoria por conta de galhos, etc. Segundo ponto, nenhum fuzil aguentaria tanto o "tranco" em ambientes extremos quanto o FAL aguenta, isso já foi comprovado em todos os ambientes e climas do Brasil. Terceiro e mais importante, nenhum fuzil aguenta as "mãos sexuais" dos recrutas! hehehe...
O que está mais certo para acontecer e já está ocorrendo, é uma "reciclagem" de todos os FALs, passando para ParaFals.

_________________
"Os povos que desdenham as virtudes e não se preparam para uma eficaz defesa do seu território, de seus direitos e de sua honra, expõem-se às investidas dos mais fortes e aos danos e humilhações conseqüentes da derrota".
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 6:01 pm

Já vi algo assim também Lincoln.
Embora seja defensor das facas de médio a grande porte (entenda-se grande porte com no máximo 22 cm de lâmina que já é grande pra caramba, mais que isso entra na categoria facão), uso sempre meu Victorinox Suisschamp na cinta e ele nunca me faltou nos momentos de necessidade, e olha que ele só tem um pouco mais de 2 1/2" de lâmina e já me tirou de cada roubada. Mas também em dados momentos, a minha Jungle King I me ajudou a abrir muita picada dento de mato cheio de carrapato, cobra, porcos e até onça, então eu me sinto mais armado com ela na mão.
Mas para o trabalho de acampamento, pescaria, caça (desde que não se tenha que fazer giraus ou construir abrigos elevados), uma faca mais "manobrável", vamos dizer assim, com no máximo 17, 18 cm e com lâmina mais fina e afiada, sem dúvida que cansa muito menos pra carregar ou trabalhar.
Eu só não concordo com o termo "sobrevivência" pois caem mais na categoria utilitárias.
As facas da Gerber, desde as BMF (Basic Multi Function - Multi Funções Básica), LMF (Lightweight Multi Function - Multi Funções Leve), sejam elas as LMFI ou as LMF II, usam termos mais adequados pois não vejo nelas requisitos pra serem chamadas de sobrevivência, não tem nada que as difere para isso, entende.
Mas é aquilo que você falou e que concordo, modismo mesmo.
Quanto a bainhas que comportam duas cacas, eu tenho a coleção "Armas De Fogo", tradução de uma obra espanhola muito antiga, do início da década de 80 ainda e que já trazia fotos de facas muela grandes com facas menores acopladas que eram utilizadas pra esfolar animais e mesmo confeccionar armadilhas e entalhes de pequeno tamanho. Nessa obra, trazia muito claro os conceitos de faca de caça, faca de arremate, faca de esfolar (ou skinner) e faca de sobrevivência. Empresas como a Gerber (americana), a Muela, a Aitor e a Marto (espanholas), as Puma (alemãs) e até mesmo as Tramontina, já tiveram facas assim em seus catálogos de venda e tiveram grande aceitação e até hoje se encontram apreciadores delas, inclusive com cuteleiros custom que as fazem.
Nunca vamos encontrar uma faca que atenda a todas as funções que necessitarmos, a não ser que esta fosse a "Espada Justiceira" dos Thundercats, que encolhia ou esticava do jeito que o seu dono necessitasse dela e nunca perdia o fio (KKKKK).
Que faca você usa agora Lincoln e pra que tipo de serviços costuma usá-la, coloca umas fotos dela ai pra gente e fala alguma coisa que costuma fazer com ela.
Vou bater algumas fotos de algumas coisas que faço pra não desaprender a mexer com madeira e depois coloco também. Sei que vai desvirtuar um pouco o tema, mas nem tanto assim e talvez fique até mais interessante.
Até.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 6:14 pm

Vitorino.
Não é bem assim não, pois a coisa já está bem adiantada e os guerreiros de selva do Brasil já aprovaram tanto o calibre quanto o novo fuzil e, segundo eu tive informações, já estão sendo construídos lotes inteiros para equipar tanto exército, quanto marinha e aeronáutica e outra coisa, o IA2 será fabricado em dois calibres, no 5.56 e no já conhecido 7.62. A grande adição de material plástico e aeronáutico nesses fuzis o torna melhor pra transporte a longas distâncias. Dá uma procurada no youtub e veja os testes e comentários.
Quanto ao facão de selva, faz parte da modernização dos equipamentos das forcas armadas pois antes o soldado tinha que carregar facão e baioneta, agora e faca IA2 serve para os dois, descomplicando a fida e fazendo com que os soldados carreguem menos coisas penduradas nos equipamentos.
Se você for falar em vezes que foi cogitada a substituição do FAL, realmente foram muitas, mas nenhuma época era tão conturbada quanto agora e nem se falava tanto (nem investia tanto) nas forças armadas quanto agora, mesmo na época em que os militares dominavam. Também não se ouvia falar que o Brasil pagaria a dívida externa, que ganharia mais campeonatos mundiais, que seria a sexta (pleiteando a quinta) potência mundial e por ai afora. (KKKKKKK)
Mas acho mesmo que as coisas estão mudando, e pra melhor.
Assim espero.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Lincoln



Mensagens : 5965
Data de inscrição : 24/03/2011
Idade : 36
Localização : Campina Grande - PB

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 6:22 pm

Eu usei muito uma Tramontina modelo caçador. Acabei com ela por falta de habilidade. Mas isso faz muito tempo, tou sem pisar no mato regularmente há mais de 10 anos. Estou voltando aos poucos agora que meu pai foi morar no interior. Agora tenho um ponto de apoio praticamente dentro do mato. Minha mais nova aquisição é essa aqui [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

_________________
``Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better.'' [S. Beckett]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 6:24 pm

Lincoln.
Aqui estão algumas das artimanhas que costumo fazer nas minhas raras horas de folga.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
De cima pra baixo.
Forquilha para atiradeira (os filhos dos meus vizinhos me adoram, os pais... nem tanto).
Soquete pra alho ou macerar boldo quando alguém aqui passa um pouco dos limites no churrasco (hoje seria uma boa ocasião pra isso).
Talheres de bambu.
E, as duas últimas fotos, são de um paliteiro.
A propósito, minha filha mexeu na câmera do meu celular e deixou as fotos com 1600x1200, me explica como muda o tamanho que eu mesmo faço pra não ficar muito grande de novo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Lincoln



Mensagens : 5965
Data de inscrição : 24/03/2011
Idade : 36
Localização : Campina Grande - PB

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 6:36 pm

Show de bola, Sandro. Esses utensílios entalhados são demais. Estou ansioso pra publicação do seu livro.

Pra redimensionar as fotos é fácil. Veja a modificação que fiz no seu post

Código:
[img(640px,480px)]http://dl.dropbox.com/u/73991961/Foto0979.jpg[/img]
[img(640px,480px)]http://dl.dropbox.com/u/73991961/Foto0981.jpg[/img]
[img(640px,480px)]http://dl.dropbox.com/u/73991961/Foto0983.jpg[/img]
[img(640px,480px)]http://dl.dropbox.com/u/73991961/Foto0984.jpg[/img]
[img(640px,480px)]http://dl.dropbox.com/u/73991961/Foto0985.jpg[/img]

Entre parenteses, depois do comando img tem o tamanho da imagem redimensionada.

_________________
``Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better.'' [S. Beckett]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 6:53 pm

Lincoln.
Vi que já alterou os tamanhos das figuras, obrigado.
Esqueci de dizer que estes "brinquedinhos" foram feitos com a minha Bucanero e o meu Victorinox.
Outra coisa, vi o seu post sobre a sua faca (alias já o tinha lido a tempos atras), Muito bom, bem detalhado e com bastante informação pra que mais alguém que esteja interessado em produtos do gênero conheçam esse tipo de faca e tenham informações suficientes para escolher sem medo de errar.
Quanto a ir pro mato, embora o estado em que eu more agora seja o Mato Grosso do Sul, de mato nessa região, tá muito difícil, tem-se que andar muito e comer muita poeira pra chegar a um mato bom.
Tenho um vizinho que tem fazenda a cerca de 50 km daqui e íamos quase todo fim de semana pra lá mas ele vendeu o gado e arrendou o terreno, agora vou na beira do rio Amambay com alguns amigos da usina onde trabalho e tem um deles que é Paraguaio e já morou muito tempo em fazendas no interior do Paraguai e tem muita coisa boa pra ensinar (e como eu não me canso de aprender). Até agora já fizemos três acampamentos de uma semana e vários de um final de semana, eu levo a carne e eles a cerveja e trazemos muito companheirismo e peixes pra saborearmos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vitorino



Mensagens : 427
Data de inscrição : 10/01/2012
Localização : RS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 7:21 pm

Sandro escreveu:
Vitorino.
Não é bem assim não, pois a coisa já está bem adiantada e os guerreiros de selva do Brasil já aprovaram tanto o calibre quanto o novo fuzil e, segundo eu tive informações, já estão sendo construídos lotes inteiros para equipar tanto exército, quanto marinha e aeronáutica e outra coisa, o IA2 será fabricado em dois calibres, no 5.56 e no já conhecido 7.62. A grande adição de material plástico e aeronáutico nesses fuzis o torna melhor pra transporte a longas distâncias. Dá uma procurada no youtub e veja os testes e comentários.
Quanto ao facão de selva, faz parte da modernização dos equipamentos das forcas armadas pois antes o soldado tinha que carregar facão e baioneta, agora e faca IA2 serve para os dois, descomplicando a fida e fazendo com que os soldados carreguem menos coisas penduradas nos equipamentos.
Se você for falar em vezes que foi cogitada a substituição do FAL, realmente foram muitas, mas nenhuma época era tão conturbada quanto agora e nem se falava tanto (nem investia tanto) nas forças armadas quanto agora, mesmo na época em que os militares dominavam. Também não se ouvia falar que o Brasil pagaria a dívida externa, que ganharia mais campeonatos mundiais, que seria a sexta (pleiteando a quinta) potência mundial e por ai afora. (KKKKKKK)
Mas acho mesmo que as coisas estão mudando, e pra melhor.
Assim espero.

Seu otimismo me inspira, Sandro. hehhe...
Está é acontecendo muito barulho e pouca musica. É uma pouca vergonha o valor investido nas FAs brasileiras e o que é investido, praticamente é só com gastos de pessoal, nada de material.
Olha a novidade, a farda do EB está sendo alterada! A unica OM que continuará com a cor de boina distinta são os PQDs (boina vermelha), o resto inteiro do EB utilizará boina verde, mecanizada não será mais preta, aeromovel não será mais bege, nada! Tudo verde! A camiseta camuflada do EB não mais existirá, será V.O. novamente! Os coturnos também serão padronizados, lona verde em todos... os unicos diferenciados continuarão a ser os PQDs (marrom).
Tudo isso para que? Diminuir gastos!
Não vejo investimentos nas nossas Forças Armadas, só barulho!
E o principal invesitmento deveria ser na reestruturação de quadros e treinamento (de verdade) para todos militares, isso já daria uma baita diferença.
Encerro aqui, porque falar da porcaria que se tornou nossas FAs me dá até nauseas.

_________________
"Os povos que desdenham as virtudes e não se preparam para uma eficaz defesa do seu território, de seus direitos e de sua honra, expõem-se às investidas dos mais fortes e aos danos e humilhações conseqüentes da derrota".
Voltar ao Topo Ir em baixo
rogers2



Mensagens : 25
Data de inscrição : 06/07/2012
Idade : 32
Localização : Lages, SC

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 8:07 pm

Prezados boa noite a todos,
apenas para esclarecer um pouco e dar minha opinião, em duas das 03 unidades em que servi, (5º BECmb e 8º BEC) as facas JK-1 realmente eram possuidas por vários oficiais formados na AMAN, era até curioso, mas quando eu ainda era aspirante (NPOR, há muuuuito tempo atrás KKK) observava que os capitães mais antigos em sua maioria possuiam essa, enquanto os aspirantes e tenentes da AMAN possuíam a faca MK2 da Imbel, assim como suas pistolas particulares que eram ou 9mm ou .380. Penso que, provavelmente, deve ter havido uma grande campanha em alguma época a favor da Aitor, e posteriormente a favor da Imbel, pois isso provavelmente influenciou na compra das facas, barateando o custo. conheço as duas e dentro do que propõe são muito boas. Eu, porém, sou apaixonado pela Oso Negro, e consegui adquirir uma, mas não sei se é original ou não, foi pelo ML, muito barata, então vou esperar e pedir ajuda ao grande Sandro para averiguar.

Com relação aos facões do CIGS, eu servi em Santarém-PA e muitos colegas de carreira pleitearam ou até mesmo concluíram o COS (curso de operações na Selva). Todos os que eu conheci utilizavam um facão Casa Matão, de aço inox, vendido em Manaus mesmo, igual este aqui [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] , com lâmina de aproximadamente 1/8" (varia um pouco de um pro outro). este facão da foto que o vitorino postou é concedido aos militares que concluem o curso, ex-instrutores, ex-comandantes, e militares que lá estão servindo. há alguns anos o Comandante do meu Batalhão( inclusive esta na foto do link que eu passei, TC Dower) comentou que iria a Manaus para receber um facão dedicado aos ex-instrutores do CIGS.Apesar de ser uma arma de qualidade e ser utilizado pelos instrutores, e ter um belo design de lâmina principalmente, o grande valor deste facão é simbólico. o link é este: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] (desculpe, não consegui postar fotos)
com relação a troca dos fuzis, vou esperar um pouquinho mais, pois este assunto está da mesma maneira que a troca das fardas, pistolas, cinto e suspensório e todo o reaparelhamento das forças armadas, ou seja, estão falando há muito tempo, acho na hora que trocar, troca tudo de uma vez.
só pra ressaltar que hoje sou militar da reserva (não -remunerada)
pessoal, se desvirtuei o tópico, fiquem à vontade para apagar ou editar.

Com relação à matéria do Sandro, só tenho uma coisa a dizer: nunca vi nada igual!!! nenhum instrutor até hoje me explicou com tanta maestria a utilização de facas de sobrevivência e os detalhes históricos, políticos e sociais que permearam a criação dessas jóias.

Sandro, Parabéns, continue assim, com certeza não tem preço a contribuição que está dando aos participantes do fórum!
Abraço a todos!!


p.s.: editado para corrigir erros de português.
Vitorino escreveu:
Sandro escreveu:
Vitorino.
Eu não disse que é a que o exército dá aos guerreiros de selva, mas que eles compram pra uso pessoal e por conta própria, haja vista que na zona franca de Manaus ainda se encontra muito destas facas.
Outra coisa é que este facão está com os dias contados pois agora estão trocando eles pela nova faca de selva da IMBEL. que é bem melhor que o facão antigo, as IA2 e as AMZ.
Assim como também estão trocando os fuzis FAL pelos mais modernos IA2 em calibre 556, mais leves (quase a metade do peso), com maior capacidade de tiros (30 para o IA2 contra 20 do FAL), além de novas redes de selva e poncho que estão em teste neste momento pelos nossos guerreiros de selva.

Ah. Desculpa, Sandro. Depois compreendi o que você havia dito.
De igual forma, creio ser dificil aposentarem o velho facão de Selva, já é simbolo do CIGS, como eu disse, é simbolo dos Guerreiros de Selva:

“COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA (FGS) – Aprovação
a. Aprovo a segunda edição do compêndio do Facão do Guerreiro de Selva (FGS),
elaborado pela Divisão de Doutrina Pesquisa do CIGS.
b. O compêndio do Facão do Guerreiro de Selva destina-se orientar procedimentos quanto
à ritualística que envolve o artefato.
c. O Facão do Guerreiro de Selva é concedido a especialistas em operações na selva,
formados pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva do Exército Brasileiro, mediante processo regulado
neste compêndio.
d. A honraria também é estendida a autoridades que tenham contribuído com a mística que
norteia o espírito dos guerreiros de selva da Amazônia brasileira e/ou representem importantes vetores de
difusão dos nobres valores do CIGS, do Comando Militar da Amazônia e do Exército Brasileiro.
e. A responsabilidade pelo processo de concessão do FGS é da Divisão de Doutrina
Pesquisa, cabendo ao Ch Seção de Pesquisa o seu gerenciamento.
f. Publique-se.


Na íntegra: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Sobre o Fuzil, essa historinha de trocar por outro já conheço de longa data e digo, levando em conta os proprios batalhões de selva e demais OMs, não trocarão o FAL!
Simples, por conta das operações em selva necessitarem um calibre mais pesado, porque, por mais estranho que possa parecer, em ambiente de selva o projetil sofre grande influencia na trajetoria por conta de galhos, etc. Segundo ponto, nenhum fuzil aguentaria tanto o "tranco" em ambientes extremos quanto o FAL aguenta, isso já foi comprovado em todos os ambientes e climas do Brasil. Terceiro e mais importante, nenhum fuzil aguenta as "mãos sexuais" dos recrutas! hehehe...
O que está mais certo para acontecer e já está ocorrendo, é uma "reciclagem" de todos os FALs, passando para ParaFals.
[img][/img]

_________________
"Um homem não pode fazer o certo numa área da vida, enquanto está ocupado em fazer o errado em outra. A vida é um todo indivisível." o pequeno Mahatma Gandhi
Voltar ao Topo Ir em baixo
Fly
Hunter
Hunter


Mensagens : 2359
Data de inscrição : 10/08/2011
Idade : 45
Localização : Içara - Santa Catarina - Sul do Mundo

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 9:46 pm

Sandro,

excelente tópico e como sempre com uma escrita gostosa de ler. Continue sempre a nos brindar com seus ótimos textos.

Eu sou adepto do kit de sobrevivência junto a bainha das facas, considero a bainha como excelente apoio a todo material necessário para sobrevivência. Mas este é apenas um conceito que adoto.

Quando comecei aler sabia que não poderia faltar a menção ao filme Rambo, este mesmo filme que me despertou a paixão por estas facas de sobrevivência, independente do estilo do cabo.

abcs

Fly

_________________
E pensar que têm pessoas que acreditam que se acabarem com as armas no mundo os seres humanos se tornarão pacíficos.
Devem ter alguma falta grave de inteligência.
Fly.
Voltar ao Topo Ir em baixo
rogers2



Mensagens : 25
Data de inscrição : 06/07/2012
Idade : 32
Localização : Lages, SC

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 10:08 pm

Fly escreveu:
Sandro,

excelente tópico e como sempre com uma escrita gostosa de ler. Continue sempre a nos brindar com seus ótimos textos.

Fly
Resumiu tudo.
abraço

_________________
"Um homem não pode fazer o certo numa área da vida, enquanto está ocupado em fazer o errado em outra. A vida é um todo indivisível." o pequeno Mahatma Gandhi
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Dom Jul 29, 2012 11:46 pm

Pessoal, obrigado pelos elogios, mas não sou o dono dessas informações, são apenas compilações de coisas que leio aqui e ali e acabei resumindo, mas que bom que gostaram.

Fly- Eu também fui um fã do Rambo por muito tempo e até hoje tenho os filmes dele em casa, mas faz muito tempo que não os vejo. Um deles inclusive tem, além do filme Rambo II, tem um especial com entrevistas com os atores, cenas de bastidores, e uma versão inteirinha do filme narrada pelo diretor, Jeorge P. Cosmatos narrando cena por cena. Dai é que fiquei sabendo certos detalhes dos bastidores. Vocês não imaginam a mão de obra que foi gravar esse filme e fala também do espanto dos atores e diretores com o sucesso estrondoso que foi o filme pois realmente, marcou uma época e falar qualquer coisa em contrário é ser hipócrita. Hoje temos uma maior consciência da sujeirada que os americanos aprontaram no Vietnam, mas pra nos naquela época era um herói. Porém, apesar de sempre gostar de acampar, pescar e caçar, esse também foi o filme que realmente resumiu muita coisa de que gostava, facas, arcos e aventuras, era o melhor dos mundos.

Rogers2- Eu morei por algum tempo em Altamira, pertinho de Santarém e tive condições de ir caçar e pescar um monte por lá. Realmente um lugar de muitas belezas naturais e onde se pode aprender muito em termos de selva brasileira. A minha viagem de volta foi uma aventura à parte, devia pegar o ônibus em Altamira às 10 hs da manhã e chegar a Tucuruí às 01 hs da noite seguinte, mas era temporada de chuvas e cheguei às 4 hs da madrugada, só que três dias depois, isso porque peguei carona com três carros pequenos, dois caminhões e mais três ônibus que, invariavelmente ficavam pelo caminho.
De Tucuruí até Belém, onde meu pai estava me esperando pois era caminhoneiro, viemos de balsa, ai a viagem era linda pois pudemos ver, a partir do rio, todas as belezas naturais das margens. Realmente uma terra linda e onde moram brasileiros de grande valor que com seu jeito simples e humilde, mas muito hospitaleiro, vence os desafios da distância, falta de conforto, hospitais e enfim, toda a infraestrutura da vida moderna. Tenho muita saudade daquele pessoal e deixei muitos e bons amigos por lá, além de familiares que ficaram por lá, fizeram suas vidas e hoje são Paraenses também.
Bom, agora, depois de comer aquele pedaço de picanha que sobrou do almoço somado a uma boa linguicinha assada e coraçãozinho de galinha na brasa (alem, é claro daquela Bohêmia gelada), e, ainda, aproveitar a brasa pra assar uns pinhões, acho que vou tomar uma ducha e subir em cima daquela que está de quatro me esperando.
Mas continuem fazendo seus comentários que eu responderei a todos em outro momento.


Calma Srs. é a cama viu.

Inté mais vê.
Voltar ao Topo Ir em baixo
rogers2



Mensagens : 25
Data de inscrição : 06/07/2012
Idade : 32
Localização : Lages, SC

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Seg Jul 30, 2012 9:49 pm

Sandro, teria uma foto ou esquema desse pino elástico?
abraço
Roger

_________________
"Um homem não pode fazer o certo numa área da vida, enquanto está ocupado em fazer o errado em outra. A vida é um todo indivisível." o pequeno Mahatma Gandhi
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Ter Jul 31, 2012 1:45 am

Olá Rogers2
Pino elástico é uma chapa de aço enrolada pra ficar com a configuração de um pino.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A grande vantagem é que ele cede (muito pouco, mas cede) quando exercida muita pressão sobre ele e retorna à posição original logo em seguida não se desgastando, além de, quando vai se inserindo ele no local, sempre sob pressão, ele vai se moldando ao furo do cabo e da lâmina, ficando sempre justo no furo.
Nem sempre a gente acha pinos nas medidas exatas das peças em que vai empregar, a técnica, então, é martelar ele de lado e ir girando pra que feche completamente e depois, com a serrinha, se abre um novo canal e vai fazendo isso até sentir que o pino está com a medida do furo com alguma interferência, isto é, com um diâmetro de décimos de milímetro a mais do que o furo pra que esta entre apertada, e com um espaço de mais ou menos meio milímetro entre as bordas da chapa e ai, inserir o pino no furo por martelamento. É melhor utilizar uma marreta de 300 a 500 g para essa tarefa e nunca um martelo leve comum pois se usar um martelo leve, é mais fácil dela remanchar a cabeça e não entrar. Outra coisa, é que ela deve ser sempre com um tamanho igual ou maior que a largura da peça, preferencialmente maior pois assim você pode cortar a ponta que pode remanchar. Em indústrias isso é feito com prensas próprias com medição de pressão pois se entrar muito apertado pode fraturar a peça, se essa for de material mais macio, e se entrar muito folgada, pode soltar-se, principalmente se for usar a peça em questão para atividades que causem vibração. Espero ter sido de alguma ajuda.
Um forte abraço.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Phanton



Mensagens : 58
Data de inscrição : 06/07/2012
Idade : 34
Localização : Matias Barbosa

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Ter Jul 31, 2012 5:32 pm

Cara, só facas maravilhosas, aquelas do filme predador então, nem me fale, só faltou aquela do filme "caçado",aquela tambem é uma obr de arte..
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sandro



Mensagens : 463
Data de inscrição : 14/11/2010
Idade : 50
Localização : Naviraí - MS

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Qua Ago 01, 2012 1:07 am

Phantom.
É que esse post é só sobre Hollow Handle (facas de punho oco), mas não há dúvida que é uma excelente faca pra bushcraft também, robusta e com bastante peso à frente pra golpes e outras qualidades.
Voltar ao Topo Ir em baixo
rogers2



Mensagens : 25
Data de inscrição : 06/07/2012
Idade : 32
Localização : Lages, SC

MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Qui Ago 16, 2012 8:38 pm

Sandro, obrigado pelas respostas. desculpe, mas achei que já havia respondido!!kkk
dei uma bizonhada...
abração, mestre...

_________________
"Um homem não pode fazer o certo numa área da vida, enquanto está ocupado em fazer o errado em outra. A vida é um todo indivisível." o pequeno Mahatma Gandhi
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)   Hoje à(s) 10:20 pm

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
faca de Sobrevivência (somente as Hollow Handle)
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 2Ir à página : 1, 2  Seguinte
 Tópicos similares
-
» ar condicionado - ar saindo somente nas centrais ,laterais e parabrisa - c280 sport 95
» SOMENTE FOTOS!
» cinto de segurança traseiro vs cadeira para bebes
» Cutelaria, a mais antiga arte da humanidade (e minha paixão pessoal)
» NOVO I30 SERÁ APENAS AUTOMÁTICO!?! PODE ISSO ARNALDO?

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ARCO BRASIL :: Outros setores :: Cutelaria-
Ir para: