ARCO BRASIL
Atenção seguir as regras abaixo para comprar ou vender no fórum. Quem não seguir as regras será banido, tera os IPs bloqueados e tópico deletado. Sem exceção à regra!

Leia as regras no tópico abaixo:

http://www.arcobrasil.com/t42-regras-basicas-leia-com-atencao-antes-de-postar-um-topico
ARCO BRASIL

Fórum sobre Arco e Flecha (e tudo que for relacionado ao tema) para reunir todos os entusiastas deste esporte seja para competição ou lazer.
 
InícioCalendárioFAQMembrosRegistrar-seLogin

Compartilhe | 
 

 APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte
AutorMensagem
CALIL
General
General


Mensagens : 5096
Data de inscrição : 15/08/2009
Idade : 35
Localização : SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Qui Ago 02, 2012 10:59 am

Vitorino escreveu:
Esse é um assunto que eu já cansei de discutir até a exaustão. Mas serei breve com apenas alguns relatos.
Assim como o Dracull, já utilizei o meu armamento para repelir uma invasão de residencia, foi apenas uma vez e espero não se repetir. Mas eaí? Eram 3 individuos (que eu pude ver) e se tivessem entrado, o que teriam feito?!
Em SP, já li que a PF está utilizando formulario padrão para negar porte. Isso é orientação de "alguem", não há como negar!
Alguns dizem que ainda está facil tirar porte e que nada mudou. Dois amigos, ambos superintendentes aposentados da PF, já tentaram tirar o porte, foram negados! Fora outros amigos civis que nem chegaram a primeira etapa!
Aqui no RS (rapidamente tentei procurar a reportagem e não achei) houve casos de BOs alterados para fortalecer indices que favorecessem o desarmamento. Mais uma vez, isso é orientação de "alguém".
E, para mim, o mais básico de toda essa discussão. No momento em que ainda estiver liberado a aquisição e posse (POSSE) de armas, estamos sendo protegidos pelo "beneficio da dúvida", o "vago" não sabe se naquela residencia há ou não armamento para uma possivel coibição. No momento em que se tornar certo o desarmamento de toda a população, somado a ineficiencia dos serviços de segurança publica (que é um "cobertor curto", não pode estar em todos lugares), aí teremos qualquer vagabundinho crackelado entrando nas residencias com uma faca de cozinha.
Resumindo, não tem muito a ver com essa discussão, mas resume bem a atual acomodação do brasileiro. É uma pichação que seguidamente vejo em Porto Alegre:
"Enquanto te exploram, tu grita gol!"

Perfeito, só que o vagabundo crackelado nao vai assaltar com faca de cozinha e sim com arma ilegal que é o que eles sempre usam e isso não vai mudar em nada, alias só aumentar pois com proibição de posse o contrabando vai aumentar e MUITO!

Engraçado que os mesmos políticos que defenderm o desarmamento (lembrando que tem vários contra heiM!!) são financiados pelo tráfico durante sua campanha política.

_________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.” Ruy Barbosa
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.arcobrasil.com
jorge_wiendl



Mensagens : 2381
Data de inscrição : 25/08/2009
Localização : Piracicaba/SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Qui Ago 02, 2012 11:14 am

Calil, Vitorino e Dracull: tá começando a fazer falta os botõezinhos verdes..... scratch scratch

_________________
Nunca tive um hoyt por causa do som de violão desafinado na chuva sendo tocado por um gato manco no cio!

I walk through the valley of the shadow of death, I will fear no evil because I am the baddest motherfucker in the goddamn valley!
Voltar ao Topo Ir em baixo
v.b.-s.j.r.preto



Mensagens : 2975
Data de inscrição : 17/06/2012
Localização : São José do Rio Preto - SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Qui Ago 02, 2012 11:21 am

O dia de fúria da vovó vai render muita conversa em Rio Preto.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

geek
Voltar ao Topo Ir em baixo
Lincoln



Mensagens : 5965
Data de inscrição : 24/03/2011
Idade : 36
Localização : Campina Grande - PB

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Qui Ago 02, 2012 11:34 am

O desarmamento da população não fere somente o direito de defesa. Direito de defesa, embora importante, é um questão secundária. Diversos princípios democráticos estão sendo suprimidos. Como exemplo posso citar o principio da igualdade. Juízes, promotores, agentes penitenciários, agentes de segurança privada, entre outras categorias civis, podem possuir e portar armas. Por que favorecer essas classes? Eles são melhores que nós? As necessidades deles são importantes e as nossas não? É somente um exemplo.

O que mais tenho visto nesse debate são argumentos baseados em subjetividade. É "e se" pra cá, "e se" pra lá... Onde estão os dados concretos? Afinal qualquer um pode inventar a historinha fantasiosa que quiser envolvendo armas. Vamos proibir as armas pra maioria da população baseados em "e se meu vizinho fizer bobagem", ou "e se o bandido fica mais bravo por sua vítima ter uma arma"? Se esse tipo de raciocínio começa a vingar por aqui, daqui a pouco vamos ter proibições mais absurdas ainda.

_________________
``Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better.'' [S. Beckett]
Voltar ao Topo Ir em baixo
jorge_wiendl



Mensagens : 2381
Data de inscrição : 25/08/2009
Localização : Piracicaba/SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Qui Ago 02, 2012 11:52 am

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Estudo aponta países com populações mais armadas dentre os mais pacíficos.


Uma matéria publicada ontem no Estadão apresenta uma verdadeira radiografia da relação entre quantidade de armas civis e taxas de homicídio em diversos países ao redor do mundo. Embora não se traga uma conclusão expressa do veículo que a publicou, a pesquisa deixa claro para qualquer leitor que não existe relação diretamente proporcional entre a quantidade de armas com a população e as taxas de homicídio.

De acordo com a pesquisa, fica evidente que os casos não apresentam um padrão para essa relação, pois há casos em que os países com a população mais armada em um continente são, exatamente, os com menores taxas de homicídio. É o caso, por exemplo, dos Estados Unidos, que têm uma taxa de armas entre os civis de 88,8/100mil habitantes e um índice de homicídio por arma de fogo de apenas 2,97/100mil. Com esses números, o país ocupa a primeira colocação dentre os países mais armados e apresenta a menor taxa de homicídios por arma de fogo no continente.

Os dados, embora ainda não tão difundidos no país, já eram conhecidos por especialistas, como o pesquisador em segurança pública e coordenador da ONG Movimento Viva Brasil Fabricio Rebelo. Para ele, os dados estão em compasso com as mais recentes conclusões sobre o assunto: "embora esteja sendo agora divulgado, o estudo é relativamente antigo e foi com base nele que se firmaram as conclusões do Global Study on Homicide, do Escritório sobre Drogas e Crimes da ONU, no qual se registrou, exatamente, a ausência de qualquer relação direta entre a quantidade de armas com a população e as taxas de homicídio", afirma o pesquisador.

Segundo Rebelo, "os dados são claros ao apontar que países mais armados não são mais violentos, ou mesmo o contrário, pois há exemplos discrepantes entre essas relações, ainda que se destaquem, justamente, os casos de países com altas taxas de armamento e baixíssimos índices de homicídio, como os Estados Unidos e a Guiana, nas Américas; a Suécia e a Finlândia, na Europa; e o Líbano e a Turquia, na Asia".

Para o pesquisador, entretanto, os dados precisam ser analisados com cautela, pois não são um retrato fiel da criminalidade. "É preciso notar que os dados se referem aos homicídios cometidos com arma de fogo, e não às taxas gerais de homicídio, que são bem diferentes. No caso do Brasil, por exemplo, a taxa geral de homicídio é de 27/100mil, enquanto a de homicídios por arma de fogo é de 18,1/100mil. Se comparadas as taxas gerais de homicídio com as taxas de armas com a população civil, os números são ainda mais discrepantes, mostrando que países mais armados são muito menos violentos que os mais desarmados", conclui.

_________________
Nunca tive um hoyt por causa do som de violão desafinado na chuva sendo tocado por um gato manco no cio!

I walk through the valley of the shadow of death, I will fear no evil because I am the baddest motherfucker in the goddamn valley!
Voltar ao Topo Ir em baixo
nagual



Mensagens : 73
Data de inscrição : 09/10/2011
Idade : 33
Localização : Méier - Rio de Janeiro

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Qui Ago 02, 2012 10:19 pm

Dracull escreveu:
Nagual,


Nota-se claramente que você é contra o porte de arma para sí mesmo. Se você não tem treinamento, auto-controle ou mesmo segurança para portar uma arma, não o faça. Simplesmente não porte uma arma. É seu direito, afinal o que queremos não é armar indiscriminadamente todos, e sim garantir que aqueles que possam e queiram, se armem. Só não nos impeça de protegermos a nós e a nossos entes queridos, bem como aos nossos bens conseguidos om tanto trabalho e sofrimento.


Em tempo, eu possuo uma arma de fogo. Já usei ela várias vezes dentro de minha residência e suas adjacências. Repeli com sucesso cinco agressões antes que elas ocorressem, pelo simples fato de estar armado. Se não estivesse armado, talvez não estaria aqui hoje lhe escrevendo estas palavras, assim como tantos cidadãos de bem que morrem nas mãos da bandidagem.


Na penúltima vez, quando localizei o invasor e ele me viu, se levantou em veio em minha direção sem o menor pudor, certo de que teria faturado mais uma vítima. O que ele não contava é que eu havia acabado de limpar e municiar meu revólver, e ele estava na minha mão direita o tempo todo. Bastou uma atitude enérgica seguida de um disparo de advertência - que foi para o gramado mas o meliante não sabe disso - para o então machão bater em retirada com o rabinho entre as pernas.


Enfim, mais uma vez,se você não se sente confortável com armas, não as tenha. Mas também não me impeça de ter e usar a minha arma.


Ja,

D.

Prezado amigo, acho que antes de tudo você deveria ler o projeto de lei em questão...

Talvez a sua intencão seja boa, e eu concordo que de certa forma com você, eu escrevi que o estatuto do desarmamento permite que você tenha posse de arma na sua residência para defender sua casa e sua família, o que ela não permite é que você porte essa arma...

A questão não é se eu me sinto ou não confortável em portar uma arma, a questão é se eu me sinto confortável em que qualquer pessoa porte uma arma.
Note que a maioria dos crimes cometidos, pelo menos aqui no Rio de Janeiro, são por pessoas que estão portando armas de forma ilegal...

Um outro argumento importante e que você ajudou a reforcar, peco licenca (meu teclado nao tem a letra cedilha) para transcrever:

Citação :
Na penúltima vez, quando localizei o invasor e ele me viu, se levantou em veio em minha direção sem o menor pudor, certo de que teria faturado mais uma vítima
grifo meu...

Veja que esse argumento é um dos principais para eu ser contrário a liberacão do porte, porque o bandido, via de regra, é um cara covarde, ele vai tentar se proteger de alguma forma que ele garanta o sucesso da sua empreitada, então se ele for te assaltar e tiver a suspeita que vc está armado, das duas uma:
1) Ou ele não vai te assaltar com medo de levar um tiro
2) ou ele vai te abordar de uma maneira que você não tenha a chance de se defender.

Note que a opcão 2 é praticamente e mais certa que ele irá escolher, então ele poderá estar de tocaia em algum lugar, ou ter comparsas de tocaia, e nessa hora, meu amigo, não vai adiantar você estar armado, saber como usar um arma, ser bem treinado porque você vai estar na tocaia do bandido.

Note que você está trabalhando com a idéia que apenas uma pequena parte da populacão teria acesso a armas, oportuno se faz copiar um trecho do pl em questão:

Citação :
Capítulo IV
DO PORTE DE ARMA DE FOGO
14
Art. 23. Conceitua-se porte de arma de fogo o deslocamento do propri-etário com ela municiada e em condição de pronto uso, fora dos limites de sua resi-dência, propriedade rural ou local de trabalho pelo qual seja responsável.
Parágrafo único. O conceito estabelecido no caput inclui o deslocamen-to do proprietário com a arma, nas condições ali descritas, no interior de veículo au-tomotor, embarcação ou aeronave, ressalvado o disposto no art. 8º, § 3º.
Art. 24. O porte de arma de fogo é condicionado à obtenção da Licença de Porte de Arma, expedida pelo órgão de representação do Sinarm, ressalvados os casos expressamente previstos na legislação especial em vigor que confira aos inte-grantes de determinadas categorias a aludida prerrogativa, independentemente de formalidades.
Parágrafo único. A licença para o porte de arma de fogo é pessoal, in-transferível e revogável a qualquer tempo pela autoridade concedente, por ato justi-ficado.
Art. 25. A licença para portar arma de fogo terá prazo determinado, não inferior a cinco anos, renovável sucessivamente na forma do art. 30 desta lei.
§ 1º A licença para porte poderá ter validade restrita à unidade da Fe-deração na qual foi emitida ou em todo o território nacional, facultada, no primeiro caso, a extensão da validade ao âmbito territorial das unidades da Federação que firmarem convênio de reciprocidade para ampliação daquela.
§ 2º A licença de porte estadual de arma de fogo de uso permitido será emitida pelas polícias civis dos Estados e do Distrito Federal e comunicada ao Si-narm.
§ 3º Policiais civis, policiais militares, bombeiros militares, guardas fer-roviários, guardas portuários, agentes e guardas prisionais estaduais, bem assim os integrantes das demais forças atuantes na segurança pública são autorizados ao porte de arma de fogo em todo o território nacional, mediante procedimento definido pelos governos estaduais, devendo prever a comprovação da capacidade técnica e aptidão psicológica, conforme disposto no art. 30 desta lei.
§ 4º Servidores públicos militares e policiais, com direito ao porte de arma, deverão possuir registro específico para suas armas particulares.
15
§ 5º Os servidores públicos civis, com direito à licença de porte de ar-ma funcional prevista em lei, quando portarem suas armas, deverão sempre trazer consigo sua licença de porte.
§ 6º A concessão da licença de porte de arma de fogo aos oficiais mili-tares da ativa, da reserva remunerada e não remunerada das Forças Armadas é de competência do Comando da respectiva Força Singular e terá validade em todo o território nacional.
Art. 26. Aos possuidores de licença para porte de arma estadual que se deslocarem de sua unidade da Federação para outra na qual aquela não possua validade será expedida, pelo Departamento de Polícia Federal, mediante requeri-mento apresentado com antecedência mínima de cinco dias, licença especial válida nas unidades da Federação visitadas, com vigência compatível com o período do deslocamento.
§ 1º O requerimento de que trata este artigo deverá ser instruído com a comprovação da licença de porte estadual, da época do deslocamento e do itinerário a ser cumprido.
§ 2º A validade da licença especial se encerrará setenta e duas horas após a data de retorno informada pelo requerente e, na ocorrência de imprevistos que impliquem no adiamento deste por período maior, poderá ser prorrogada na re-presentação do Departamento da Polícia Federal da unidade da Federação em que se encontrar o requerente.
Art. 27. A licença federal para o porte de arma de fogo, de uso permiti-do ou restrito, com validade em todo o território nacional, para civis em geral e inte-grantes das instituições federais que dela necessitem somente será expedida pelo Departamento de Polícia Federal, devendo ser registrada no Sinarm.
Parágrafo único. Os integrantes da Polícia Federal e das demais forças de segurança da União são autorizados ao porte de arma de fogo em todo o territó-rio nacional, na forma do regulamento desta lei.
Art. 28. As armas de fogo utilizadas pelos empregados das empresas de segurança privada e de transporte de valores, constituídas na forma da lei, serão de propriedade, responsabilidade e guarda das respectivas empresas, somente po-dendo ser portadas quando em serviço, devendo ser observadas as condições de uso e de armazenagem estabelecidas pelo Comando do Exército.
16
§ 1º O certificado de registro e a autorização de porte para as armas re-feridas no caput serão expedidos pelo Departamento de Polícia Federal, mediante requerimento da empresa e em seu favor.
§ 2º Todos os funcionários e prestadores de serviço de empresas de segurança e de transporte de valores que utilizem armas deverão comprovar a satis-fação dos requisitos exigidos no art. 30 desta lei.
§ 3º A comprovação a que se refere o § 2º será providenciada direta-mente pela empresa, à qual também compete manter atualizada junto ao Sinarm a listagem de empregados com acesso a armas de fogo, ratificada ou alterada em pe-ríodos nunca superiores a seis meses.
Art. 29. Compete ao Ministério da Justiça autorizar o porte de arma pa-ra os responsáveis pela segurança de dignitários estrangeiros em visita ao Brasil, bem assim do corpo diplomático e de representantes de organismos internacionais sediados no país.
Art. 30. Para obtenção de licença para porte de arma estadual ou fede-ral, o interessado deverá satisfazer os seguintes requisitos:
I – apresentação do certificado de registro da arma de fogo cadastrada no Sinarm ou nos Comandos das Forças Singulares;
II – comprovação de idoneidade, com apresentação de certidões de antecedentes criminais e de não estar respondendo a nenhum processo criminal, fornecidas pelos órgãos da Justiça Federal, Estadual, Militar e Eleitoral;
III – apresentação de documento comprobatório de ocupação lícita e residência fixa;
IV – comprovação de capacidade técnica para o porte de arma de fogo, atestada por instrutor credenciado pela polícia civil, pelo Departamento de Polícia Federal ou por uma das Forças Singulares; e
V – atestado de aptidão psicológica para portar arma de fogo, emitido em laudo conclusivo firmado por psicólogo credenciado pela polícia civil, pelo Depar-tamento de Polícia Federal ou por uma das Forças Singulares.
§ 1º A licença de porte deverá ser emitida em até trinta dias após o atendimento dos requisitos pelo pretendente.
17
§ 2º O eventual indeferimento do pedido deverá ser informado ao re-querente no mesmo prazo do § 1º, por despacho fundamentado da autoridade, do qual caberá recurso ao Sinarm, no prazo de quinze dias, devendo ser apreciado em até trinta dias.
§ 3º Os órgãos emissores de licença para porte de arma de fogo man-terão listagem atualizada dos profissionais credenciados à emissão dos comprovan-tes a que se referem os incisos IV e V do caput.
Art. 31. O documento da licença de porte de arma de fogo deverá con-ter, no mínimo, os seguintes dados:
I – nome, filiação e data de nascimento do titular;
II – número da cédula de identificação civil do titular e o respectivo ór-gão expedidor;
III – número de inscrição do titular no Cadastro Pessoas Físicas (CPF) da Receita Federal do Brasil;
IV – fotografia do titular;
V – espécie, marca, calibre e número de série da arma;
VI – número do registro da arma no órgão competente;
VII – nome, cargo e assinatura do responsável pela emissão;
VIII – assinatura do autorizado; e
IX – abrangência territorial e prazo de validade do porte.
Art. 32. O exercício do porte de arma de fogo autorizado por intermédio da respectiva licença se condiciona às seguintes diretrizes:
I – a arma não deverá ser portada ostensivamente;
II – a arma não poderá ser portada quando o titular se encontrar em es-tado de embriaguez ou sob efeito de substâncias químicas, quando alucinógenas ou que alterem o desempenho intelectual ou motor;
III – a arma não poderá ser portada em clubes sociais, casas de espe-táculos, clubes noturnos, danceterias, estabelecimentos educacionais, convenções,
18
locais onde se realizem competições esportivas ou onde haja aglomerações, exceto nos clubes e associações de tiro desportivo credenciados pelo Comando do Exérci-to;
IV – eventual mudança de residência do titular deverá ser imediata-mente comunicada ao órgão expedidor da licença;
V – o extravio da arma, seu furto ou roubo deverão ser imediatamente comunicados ao órgão expedidor da licença;
VI – o trânsito eventual por locais ou em condições além dos limites de vigência da licença deverá ser feito com a arma sem munição e embalada em sepa-rado desta; e
VII – é obrigatório portar o documento de licença juntamente com a arma.
§ 1º O resumo das diretrizes contidas neste artigo deverá ser impresso no documento de licença para o porte de arma.
§ 2º O titular que infringir as diretrizes deste artigo terá sua arma apre-endida e encaminhada à autoridade policial, sem prejuízo da responsabilização pe-los atos ilícitos decorrentes de sua conduta.
§ 3º A licença de porte de arma apreendida será encaminhada à auto-ridade que a emitiu, com relato circunstanciado dos fatos, a qual poderá determinar a revogação do porte e comunicação ao Sinarm.
Art. 33. Fica instituída a cobrança das seguintes taxas pela prestação de serviços relativos à expedição e renovação do Porte de Arma de Fogo, seja ele estadual ou federal, nos valores constantes do Anexo I desta lei:
I – emissão da licença de porte de arma de fogo;
II – renovação da licença de porte de arma de fogo; e
III – emissão de segunda via da licença de porte de arma de fogo.
Parágrafo único. As despesas com a obtenção de certificados de apti-dão técnica e psicológica serão pagas diretamente pelo interessado, de acordo com os valores cobrados pelos prestadores dos serviços, dentro de limite máximo fixado pelos órgãos de credenciamento.

Note que pelo artigo 30, dá pra perceber que o referido projeto permite que qualquer pessoa que cumpra aqueles requisitos possa portar arma, ou seja, o cidadão comum, de bem, que preencha os requisitos poderá portar arma de fogo, o bandido continuará portando de forma ilegal, isso não trará nenhuma reducão na criminalidade, apenas permitirá que o cidadão comum possa revidar da mesma forma, um verdadeiro retrocesso jurídico, voltando aos tempos de Hamurabi, e de seu conhecido código que previa a máxima do "olho por olho e dente por dente"

Lembrando que a seguranca é uma funcao tipica do estado...


jorge_wiendl escreveu:
Nagual, vou tentar escrever como gente (coisa dificil para quem me conhece).

Seguinte:

O fato de um palhaço sair atirando no meio de uma multidão, implica somente em uma coisa: tem um palhaço atirando no meio de uma multidão, e ninguem na multidão tem condições de revidar. Ou seja ele pode fazer o que quiser, pois tem certeza da não reação.

Mas são coisas diferentes, o fato do cara estar portando ilegalmente uma arma de fogo, é um problema de fiscalizacão das autoridades competentes, veja que em algum momento esse cara pode ter conseguido passar no teste psicológico para possuir arma de fogo e no entanto, devido a um distúrbio mental, drogas, briga com namorada, demissão, ou qualquer outro motivo, ele pode ter surtado e resolvido atirar nas pessoas.
Se ele acreditasse que metade das pessoas naquele lugar poderiam estar armados, em uma situacão de porte permitido, e ele quisesse levar o plano de matar pessoas adiante, ele simplesmente agiria de outra forma, usando explosivos por exemplo...
E ainda,
Se ele conseguiu a arma de forma ilegal, não acredito que seria impossivel ele conseguir uma bomba ao inves de uma arma de fogo..
Citação :

Sobre a lei permitir, isso é letra morta. O que acontece na pratica é que você simplesmente não consegue o porte (PORTE e não POSSE). Só exemplificando aqui em SP, só foi concedido 1 (UM) porte de arma para civil em 2008.

Jorge, não é letra morta, você não consegue o porte porque ela não permite o porte, letra morta seria se ela não permitisse o porte e você, não sendo um dos casos de excecão previstos na lei, conseguisse...

Citação :

O fato de alguem estar armado, realmente inibe a ação de criminosos. Se tem alguem pensando no problema que ocorreu em Realengo, coloco que: Se existisse na ocasião um professor, faxineiro, GM, coordenador ou pai de aluno (enfim qualquer pessoa) armada, dificilmente o energumeno conseguiria recarregar a sua arma. Cito o exemplo do idiota que começou a atirar em um cinema aqui em SP/SP, e somente foi detido por existirem CIVIS armados no cinema que reagiram a agressão. (Inclusive foi por causa desse -_- que se iniciou toda essa campanha de desarmamento).

Sim, nesses casos sim, porque simplesmente o bandido não foi preparado para enfrentar pessoas armadas, é isso que deve ser entendido, se ele soubesse que teriam pessoas armadas ou que haveria uma grande possibilidade de existirem pessoas armadas no local, ele teria agido de outra forma, qual era a motivacão dele?

Veja que foi muito oportuno você usar o caso de realengo, note que a intencão dele era matar quantas pessoas conseguisse e depois se matar, esse cara se matou, meu amigo; se ele soubesse que haveria chance de resistência, pode ter certeza que ele ia invadir a escola com granadas, a la homem bomba, já que a intencao dele não era de sobreviver...

Citação :

Se o desarmamento realmente funcionasse, teriamos, desde a implantação do famigerado Estatuto do Desarmamento uma queda nos niveis de violencia e criminalidade, notadamente onde a campanha foi mais bem sucedida (estados do NE), mas o que está ocorrendo é justamente o contrario. Interessante que isso ninguem comenta.

Mas porque? antes as pessoas conseguiam ter êxito em matar bandidos?
Ou porque aumentou o numero de pessoas portando ilegalmente armas de fogo??
Eu passei por uma situacão quando era adolescente de um cara bater no carro do meu pai e estar armado, então eu realmente acredito que armar civis não é a opcão certa e sim melhorar a atuacão do estado na fiscalizacão e seguranca (o que é quase uma utopia)

Citação :

Uma coisa que tem que ficar bem clara, é que NÃO ESTAMOS QUERENDO QUE TODOS ANDEM ARMADOS, MAS DEFENDEMOS O DIREITO DE QUE SE POSSA ANDAR ARMADO. Conhece aquela historia de respeito? Eu respeito teu direito de não usar armas, mas respeite o meu de usa-las.

Discordo totalmente desse seu argumento e no mesmo sentido do dracul, simplesmente porque não importa qual seja a sua intencão, sem ofensas, importa o que será possível de acontecer caso o porte seja permitido.

Não me leve a mal, mas foi como no meu primeiro post, você pode ter condicões de usar armas de fogo, ams pense que seu vizinho poderá usar também, sua tia também poderá usar, pense em quantas pessoas você conhece e em quantas você não acredita que seria uma boa idéia portar armas...

Note que o artigo dos requisitos torna acessível a possibilidade de porte de arma sem muita dificuldade...

CALIL escreveu:
nagual

Vou ser bem conciso pois não tem muito o que falar sobre isso. Uma aviso antes: o anúncio no login do fórum irá continuar por tempo indetermidado. Aqui a maioria é a favor do direito que nos é permitido e que estão querendo retirar.

Se você é contra o cidadão ter POSSE de arma (e não porte, nem estou entrando nesta questão) é simples, voce e sua família não tenha uma arma e ponto final. Agora o fato de que você é contra não pode me tirar o direito de querer ter uma arma.

Eu queria saber porque ninguem é contra a produção de automóveis que mata mais que QUALQUER COISA neste país.

Aconselho a assistir os videos das audiencias sobre a campanha contra o desarmamento e veja a opinião de pessoas que pensam igual voce, pessoas estas que são a favor do desarmamento mesmo enquanto 64% da população já votou que é contra em 2005, e que dizem que cidadão do bem e bandido têm o mesmo valor:

"Tem uma colocação que me incomoda...O que é um homem de bem? Que carimbo é esse? O que é isso??"

Ou seja bandido e "homem de bem" é a mesma coisa, cidadão comum tem que ter direito individual retirado para o bem coletivo. Entenda-se como bem coletivo o cidadão ter um cabresto para nunca se rebelar.

Depois de ver um vídeo desse a reação é essa:
Igual voce falou: 100+

E se quiser extender esse debate te provo que nos EUA que TODO cidadão é armado o indice de roubo emresidencia é baixissimo, na Inglaterra onde é proibido é altíssimo. Só que será em outro tópico, não neste que não foi feito para isso.

Não precisa de estudo burlado nacional, e sim de estatisticas internacionais pois aqui todo estudo é favorecido para quem o banca.

CAlil você leu o meu post?

Sério, você leu o meu post??

Onde eu disse que era contra a posse de armas?
Onde eu disse que votei contra a comercializacão de armas quando teve o referendo?
Se eu disse que era contra a posse de armas, me desculpe mas cometi um equivoco, peco so que vc aponte onde eu declarei que era contra a posse que irei corrigir.



1- O que fui contra, é que o aviso no forum fala sobre a posse de arma de fogo, mas o projeto de lei defende o porte de arma de fogo, você leu o projeto na íntegra? ou apoiou sem ler??
note que o anuncio no forum te dá uma idéia de apoiar o projeto de lei para podermos ter arma de fogo, quando na verdade o atual lei permite termos arma de fogo e o projeto de lei quer permitir transitarmos com armas de fogo.

Note que o atual estatuto (10826) permite a posse de arma de fogo.

2- Eu tenho arma de fogo em casa, o que sou contra é que qualquer pessoa possa portar arma de fogo, se sem armas de fogo a intolerância já está em um nivel extremo, imagina com arma de fogo, e a cultura do povo brasileiro, e eu considero a região onde vivo, que é o rio de janeiro, não favorece esse tipo de liberacão...
Note que eu sei que tem muitas pessoas boas e que poderiam portar armas sem problema nenhum, mas tem muitas pessoas boas e descontroladas que seriam uma bomba relógio caso o projeto de lei, que você está fazendo campanha para apoiar e que autoriza o porte, seja aprovado.

3- Apenas por amor ao debate:
Os direitos individuais não são "supremos", eles podem e devem ser mitigados quando afrontam o interesse público.
A seguranca é funcão tipica do estado, se existem individuos portando arma ilegalmente, isso é uma deficiência do estado e deve ser cobrada do estado.
Não se pode transferir a responsabilidade de reagir a injusta agressão, ao particular (autotutela).
Permitir que pessoas comuns possam andar livremente portando arma de fogo, em que pese o direito individual, não pode afrontar o direito a seguranca da coletividade.

Note que eu estou sempre batendo na tecla do porte e não da posse (que é permitida)...
Acima eu transcrevi alguns artigos do projeto de lei que permite o porte.

Citação :
Art. 32. O exercício do porte de arma de fogo autorizado por intermédio da respectiva licença se condiciona às seguintes diretrizes:

...
.....
II – a arma não poderá ser portada quando o titular se encontrar em es-tado de embriaguez ou sob efeito de substâncias químicas, quando alucinógenas ou que alterem o desempenho intelectual ou motor;

ha ha ha, eu ri desse inciso...


Vitorino escreveu:
Esse é um assunto que eu já cansei de discutir até a exaustão. Mas serei breve com apenas alguns relatos.
Assim como o Dracull, já utilizei o meu armamento para repelir uma invasão de residencia, foi apenas uma vez e espero não se repetir. Mas eaí? Eram 3 individuos (que eu pude ver) e se tivessem entrado, o que teriam feito?!
Em SP, já li que a PF está utilizando formulario padrão para negar porte. Isso é orientação de "alguem", não há como negar!
Alguns dizem que ainda está facil tirar porte e que nada mudou. Dois amigos, ambos superintendentes aposentados da PF, já tentaram tirar o porte, foram negados! Fora outros amigos civis que nem chegaram a primeira etapa!
Aqui no RS (rapidamente tentei procurar a reportagem e não achei) houve casos de BOs alterados para fortalecer indices que favorecessem o desarmamento. Mais uma vez, isso é orientação de "alguém".
E, para mim, o mais básico de toda essa discussão. No momento em que ainda estiver liberado a aquisição e posse (POSSE) de armas, estamos sendo protegidos pelo "beneficio da dúvida", o "vago" não sabe se naquela residencia há ou não armamento para uma possivel coibição. No momento em que se tornar certo o desarmamento de toda a população, somado a ineficiencia dos serviços de segurança publica (que é um "cobertor curto", não pode estar em todos lugares), aí teremos qualquer vagabundinho crackelado entrando nas residencias com uma faca de cozinha.
Resumindo, não tem muito a ver com essa discussão, mas resume bem a atual acomodação do brasileiro. É uma pichação que seguidamente vejo em Porto Alegre:
"Enquanto te exploram, tu grita gol!"

O porte realmente não é permitido, o que me chamou atencão foi a maneira errada como essa campanha está sendo feita, já que a lei permite a posse de armas, o projeto de lei explícitamente tem o intúito de permitir o porte a qualquer pessoa da populacão que queira andar com uma arma na bolsa e cumpra os requisitos.

Uso seu argumento, da forma inversa.

Da mesma forma como somos "beneficiados" com a dúvida do invasor se temos ou não armas, você acredita, pensando friamente, que um bandido, sabendo que existe uma grande chance de você estar portando uma arma, vai assaltar você da mesma forma que um que acredite que vc não tem arma?
Bandido é covarde, mas o cara, em que pese ter pouca instrucão, não é totalmente privado de inteligência, ele provavelmente vai se cercar de todas as garantias que puder de que vc não terá chance de se defender...

Lincoln escreveu:
O desarmamento da população não fere somente o direito de defesa. Direito de defesa, embora importante, é um questão secundária. Diversos princípios democráticos estão sendo suprimidos. Como exemplo posso citar o principio da igualdade. Juízes, promotores, agentes penitenciários, agentes de segurança privada, entre outras categorias civis, podem possuir e portar armas. Por que favorecer essas classes? Eles são melhores que nós? As necessidades deles são importantes e as nossas não? É somente um exemplo.

O que mais tenho visto nesse debate são argumentos baseados em subjetividade. É "e se" pra cá, "e se" pra lá... Onde estão os dados concretos? Afinal qualquer um pode inventar a historinha fantasiosa que quiser envolvendo armas. Vamos proibir as armas pra maioria da população baseados em "e se meu vizinho fizer bobagem", ou "e se o bandido fica mais bravo por sua vítima ter uma arma"? Se esse tipo de raciocínio começa a vingar por aqui, daqui a pouco vamos ter proibições mais absurdas ainda.

Principio da igualdade, não significa que as pessoas devem ser tratadas de maneira igual, apesar do nome, já é entendimento pacificado na doutrina que o princípio da igualdade é tratar os "iguais como iguais e os desiguais como desiguais na medida da sua desigualdade", um promotor, policial, juiz, está, via de regra, muito mais exposto a uma agressão injusta, por parte de bandidos, do que nós, cidadãos comuns...

Eu também gostaria de ver os dados concretos, inclusive os históricos-sociais, porque não adianta você colar uma tabela com números e porcentagens sem antes fazer um estudo antropológico, posso te dizer com certeza que das pessoas que eu conheco, nenhuma responde processo criminal e todas tem condicões de preencher os requisitos do porte de arma do projeto de lei em questão, mas são poucas as que eu confiaria em deixar portar armas de fogo, os argumentos são muitos, indico parte do texto acima onde escrevi que os direitos individuais podem ser mitigados quando entram em colisão com direitos coletivos.

jorge_wiendl escreveu:
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Estudo aponta países com populações mais armadas dentre os mais pacíficos.


Uma matéria publicada ontem no Estadão apresenta uma verdadeira radiografia da relação entre quantidade de armas civis e taxas de homicídio em diversos países ao redor do mundo. Embora não se traga uma conclusão expressa do veículo que a publicou, a pesquisa deixa claro para qualquer leitor que não existe relação diretamente proporcional entre a quantidade de armas com a população e as taxas de homicídio.

De acordo com a pesquisa, fica evidente que os casos não apresentam um padrão para essa relação, pois há casos em que os países com a população mais armada em um continente são, exatamente, os com menores taxas de homicídio. É o caso, por exemplo, dos Estados Unidos, que têm uma taxa de armas entre os civis de 88,8/100mil habitantes e um índice de homicídio por arma de fogo de apenas 2,97/100mil. Com esses números, o país ocupa a primeira colocação dentre os países mais armados e apresenta a menor taxa de homicídios por arma de fogo no continente.

Os dados, embora ainda não tão difundidos no país, já eram conhecidos por especialistas, como o pesquisador em segurança pública e coordenador da ONG Movimento Viva Brasil Fabricio Rebelo. Para ele, os dados estão em compasso com as mais recentes conclusões sobre o assunto: "embora esteja sendo agora divulgado, o estudo é relativamente antigo e foi com base nele que se firmaram as conclusões do Global Study on Homicide, do Escritório sobre Drogas e Crimes da ONU, no qual se registrou, exatamente, a ausência de qualquer relação direta entre a quantidade de armas com a população e as taxas de homicídio", afirma o pesquisador.

Segundo Rebelo, "os dados são claros ao apontar que países mais armados não são mais violentos, ou mesmo o contrário, pois há exemplos discrepantes entre essas relações, ainda que se destaquem, justamente, os casos de países com altas taxas de armamento e baixíssimos índices de homicídio, como os Estados Unidos e a Guiana, nas Américas; a Suécia e a Finlândia, na Europa; e o Líbano e a Turquia, na Asia".

Para o pesquisador, entretanto, os dados precisam ser analisados com cautela, pois não são um retrato fiel da criminalidade. "É preciso notar que os dados se referem aos homicídios cometidos com arma de fogo, e não às taxas gerais de homicídio, que são bem diferentes. No caso do Brasil, por exemplo, a taxa geral de homicídio é de 27/100mil, enquanto a de homicídios por arma de fogo é de 18,1/100mil. Se comparadas as taxas gerais de homicídio com as taxas de armas com a população civil, os números são ainda mais discrepantes, mostrando que países mais armados são muito menos violentos que os mais desarmados", conclui.

Eu vou ver esse estudo depois, exponho os seguintes argumentos:

1) Em que pese o numero de armas/homicidios, no caso dos paises com homicidio maior que numero de armas (legalmente cadastradas):

a) quantos homicidios no brasil, usando armas de fogo, foram cometidos com armas legalmente cadastradas e armas ilegais?

2) Os paises com maiores taxas de homicidios, tem essas elevadas taxas porque?
veja que são paises muito mais atrasados do que os paises com baixas taxas de homicídios: Panamá, Africa do Sul, Venezuela, Belize, Venezuela, Honduras, El Salvador, Colombia, Bahamas.

Resolvi pesquisar sobre esses paises, olhem que interessante:

Honduras, é o que pelo seu gráfico tem o maior numero de homicidios:

Citação :

.Honduras prohíbe porte de armas en una de sus provincias
Última actualización: Jueves, 2 de agosto de 2012
Facebook Twitter CompartirEnvíe esta página por e-mail Imprima esta nota .El Congreso hondureño prohibió la portación de armas en la provincia de Colón, donde se ha registrado un marcado incremento en el número de incidentes violentos debido a las disputas por tierras y al tráfico de drogas.

Según la prensa local, en últimos tres años han muerto más de 50 personas en esa provincia, una de las más fértiles del país, donde se cultiva palma africana que es convertida en aceite para exportación.

Pero la región es también ruta para el paso de cocaína hacia Estados Unidos.

La policía, los soldados y los guardias privados de seguridad están exentos de la prohibición.

La medida legislativa suspende los permisos para llevar armas y veta el transporte de las mismas en vehículos.

Ou seja, o porte de armas era permitido nessa provincia e foi proibido, justamente como um tentativa de diminuir o numero de homicidios, note que a notícia que o porte foi proíbido é de hoje (02 de agosto de 2012)
(fonte: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Estou pesquisando mais algumas coisas sobre honduras olha que interessante:

(fonte: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Citação :

..... La legislación hondureña debiese limitar la tenencia y
registro de armas a una sola por domicilio (como en la
legislación Brasileña). Otros países han logrado al menos
limitar a una licencia y arma por persona.

Segundo o texto, em honduras é permitido o registro de 5 armas por pessoa:
Citação :
Licencias a particulares
Las personas naturales podrán registrar un máximo de cinco
(5) armas, excepto lo previsto en el artículo 32 de la presente
Ley. En lo referente a la compra de municiones y lo relativo a
las personas jurídicas, un reglamento establecerá los límites y
modalidades.

Citação :

Licencias de Portación individual: Toda persona en
ejercicio de sus derechos ciudadanos, podrá pedir una o
varias licencias para la tenencia y portación de armas de
fuego, presentando una solicitud con los datos siguientes:
1) Formulario con sus datos personales y residencia;
2) Marca, modelo, número de serie, identificación de
conversiones de calibre, si la tuviere, si la tuviere, así
como las demás características del arma;
3) Constancia de haberse practicado la prueba balística;
4) Pago de la matrícula municipal; y,
5) Documentos de identificación.
Licencias a personas jurídicas: Las personas jurídicas
deberán acreditar su constitución y el nombre correctos de las
personas naturales responsables de la portación de armas.
(Artículo 27).

(fonte: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Citação :
¿Por qué hay tantas armas en manos de civiles?
Hay que estar más armado para estar más seguro: este mito colma de armas las manos de los civiles en Centroamérica. Es un mito que hunde sus raíces en la historia pasada, que expresa la “normalización” de la violencia en las relaciones humanas y en el orden social y que refleja el errado desempeño de Estados autoritarios.

José Miguel Cruz

Una discusión por la custodia de sus hijos habría desencadenado la ira que llevó a un hombre a matar de un balazo a su esposa, en Ciudad Delgado. H. E., una mujer de 26 años, fue asesinada de un tiro la noche del miércoles. El hecho ocurrió en la vivienda de la pareja. En todos los medios de prensa centroamericanos se describen a diario hechos de violencia similares. Mas allá de la tragedia que envuelve este asesinato -y tantos otros- la noticia muestra cómo la presencia de un arma de fuego sentenció de manera irreversible el conflicto de la pareja. Sin el arma, podía haber tenido un desenlace menos fatal.



TERRITORIOS DE VIOLENCIA
La mayoría de los homicidios que ocurren en los países de Centroamérica son cometidos utilizando armas de fuego. En Honduras, según datos de la Policía de Investigaciones, casi el 75%. En Guatemala, los asesinatos cometidos con armas de fuego pasaron del 68% en 1999 al 74.8% en 2001. En El Salvador, del 70% en 2000 al 86% en los primeros ocho meses de 2005. Las armas de fuego juegan un papel protagónico en la violencia que afecta a las sociedades centroamericanas, especialmente a Guatemala, Honduras y El Salvador. Los tres países se han venido disputando el primer lugar en la lista de los más violentos del mundo, junto a Colombia, con tasas de homicidios que rondan las 50 muertes por cada 100 mil habitantes. La tasa promedio latinoamericana es de 27.7 y la mundial promedio es de 8.8. Aunque Nicaragua y Costa Rica muestran tasas de violencia por debajo del promedio latinoamericano, también allí las armas son responsables de poco más de la mitad de los delitos y las muertes.

Casi por unanimidad, la literatura que estudia la violencia suele señalar a las armas de fuego como un factor decisivo en la aparición de la violencia más letal. Diversos estudios e información reciente dan cuenta de que en toda Centroamérica el número de armas en manos de civiles es bastante alto y va en aumento. En Costa Rica, la percepción de inseguridad de la población está llevando a muchas personas a armarse, legal o ilegalmente. En Nicaragua, los años de conflictividad política han dejado no pocas armas de guerra en amplios sectores de la población. Pero es en el norte de Centroamérica -Guatemala, Honduras y El Salvador- en donde la amplia disponibilidad de armas se combina con otros factores para convertir a esta subregión en la más violenta de todo el globo. Uno de esos factores es lo que se ha dado en llamar la cultura de la violencia.

Los que suelen defender la tenencia y la portación de las armas de fuego suelen argumentar que éstas no son las responsables de los asesinatos, que los responsables son quienes las utilizan. Es cierto. Pero no es menos cierto que si en medio de una discusión alguien porta un arma, esto alterará el comportamiento y la dinámica relacional de las personas. Si al arma se suma una generalizada “ética” del uso de la violencia en la sociedad, se tienen los ingredientes básicos para un clima que intensifica la violencia.


UNA HISTÓRICA CONVIVENCIA CON LAS ARMAS
Un estudio de la Fundación Arias realizado a principios del siglo XXI señaló que en Centroamérica circulan no menos de 2 millones de armas en manos de civiles. En base a las informaciones, es sensato pensar que ese número se ha venido incrementando notablemente. Varios factores explican la armamentización de las sociedades centroamericanas: los remanentes de armas de los conflictos armados, las políticas de permisividad en el uso de armas, las campañas de mercadeo de los comerciantes de armas, la fragilidad institucional en el campo de la seguridad pública y, por supuesto, la demanda de armas de los civiles. Esta demanda puede responder a muchas causas. Usualmente se cita la inseguridad ciudadana como la principal motivación para que los centroamericanos se armen. El fenómeno es más complejo y tras él es posible encontrar los rastros de la cultura de la violencia.

Hay armas en las sociedades centroamericanas por el interés de una porción importante de los ciudadanos por tenerlas. Aunque no se trata de una mayoría, es imposible comprender la amplia circulación de armas de fuego en manos de civiles si no existiera interés por ellas. La existencia en Centroamérica de un extenso mercado de armas, sea legal o ilegal, responde a una demanda que con el paso de los años ha sido servida con una oferta cada vez más abierta y más legal. Hacia mediados de los años 90 existían en Centroamérica 270 empresas importadoras de armas (Fundación Arias, 2001), y este número ha ido en aumento, indicador del flujo de armas que llega a nuestros países por vía legal y pasa después a manos privadas. La excepción es Honduras, donde sólo existe una empresa importadora porque el Ejército es el único importador autorizado.

¿La afición de algún sector de nuestras poblaciones hacia las armas de fuego es reciente o surge con el desarrollo o con el fin de los conflictos militares? La respuesta es tema de discusión. Y aunque no se cuenta con información y estadísticas sobre la cantidad de armas de fuego que circulaban antes de las guerras, no es extraño encontrar, en las crónicas y relatos de la vida social de El Salvador y de Guatemala previos al conflicto, o mucho antes del mismo, numerosas referencias a la frecuencia con la que muchos ciudadanos poseían armas y las portaban en sus actividades cotidianas, sobre todo en las zonas rurales. Existía una arraigada relación cultural de la gente con las armas.

Para muchos salvadoreños yguatemaltecos -sobre todo en el oriente de ese país-, el uso de armas de fuego forma parte de un sistema de valores y normas, en el que las armas son socialmente permitidas, aceptadas y, en cierto modo, admiradas. Una relación con las armas que respondería, a su vez, a un sistema cultural que permite, acepta y valora el uso de la fuerza y de la violencia como forma de relación entre los miembros de una comunidad. Una cultura promotora de la violencia.


VIOLENCIA: SOCIALMENTE ACEPTADA Y ACEPTABLE
Sería equivocado detectar la existencia de una cultura de la violencia sólo porque una sociedad presente elevados índices de criminalidad. Algunas sociedades pueden ser más violentas que otras sólo porque pequeños grupos muy violentos son capaces de generar mucha inestabilidad escapando al control de la institucionalidad, sin que actúen cubiertos por el manto de la aprobación de la sociedad.

Se puede hablar de cultura de la violencia cuando en una sociedad existe una subjetividad social, más o menos compartida, que permite la aparición de la violencia. En El Salvador, Miguel Huezo contribuye a esta noción con el concepto de cultura como una construcción social capaz de generar, en individuos y grupos humanos, signos de identificación y de diferenciación, así como de establecer pautas de lo socialmente aceptable; esto es, establecer una normatividad cuyo cumplimiento integra o, en caso contrario, excluye y sanciona. Esto significa que cuando se habla de cultura de la violencia se habla de un sistema de representaciones sociales que permiten comportamientos frecuentes de agresión.

También en El Salvador, el jesuita Ignacio Martín-Baró fue el primero en sugerir una definición de la cultura de la violencia. Intentando explicar el contexto sicosocial en el cual tiene lugar la violencia, Martín-Baró se refirió al sistema de normas y valores sociales, formales e informales, que acepta la violencia como una forma de comportamiento posible o incluso la requiere. Huezo hizo una contribución importante a la aproximación teórica cuando apuntó que la cultura entendida de forma más práctica constituye una -sino la- fuente reproductora de la normatividad social y constituye una estructura de representaciones y actitudes que tienen como resultado un discurso a través del cual la violencia se reproduce. En tal sentido, cuando se habla de cultura de la violencia no se está disertando sobre las expresiones artísticas de la violencia o sobre su carácter “espiritual”. Se habla de construcciones subjetivas compartidas socialmente que rigen la manera más o menos aceptada de conducirse en la sociedad y de relacionarse con los demás con violencia. Más concretamente, se refiere al predominio del uso de la violencia como forma socialmente -y por lo tanto, normativamente- aceptable para relacionarse con los demás.

Esto implica la existencia de una ética, que no se forma de la noche a la mañana y que no podría existir si no fuera compartida. Las normas de esta ética se generan en los procesos de socialización y de interacción social. Nadie nace ni crece con esquemas normativos prefijados, los adquiere interactuando con los demás y los modifica y transmite de esa forma. Las actitudes sociales son expresiones concretas de una normatividad, compartida por diversas personas, establecen patrones de conducta
y asignan valores sociales a esas conductas.


UN MITO: LAS ARMAS PROTEGEN Y DAN SEGURIDAD
Una encuesta realizada en El Salvador en 2004 reveló que al 39% de los salvadoreños les gustaría tener un arma de fuego para su propia protección. Otra encuesta similar llevada a cabo en Guatemala en el mismo año mostró que al 35% de los guatemaltecos les gustaría poseer un arma de fuego, casi al 80% para “defenderse de la delincuencia”. Al menos uno de cada tres guatemaltecos y salvadoreños quiere tener un arma para protegerse de la posibilidad de ser víctima de la violencia. Sin embargo, un estudio salvadoreño sobre el impacto de las armas de fuego en los delitos ocurridos en 2000, encontró que una persona que intenta defenderse de un asalto usando un arma de fuego tiene 46 veces más probabilidades de salir herido o muerto que si no usa un arma. Las armas aumentan el riesgo de ser víctimas directas de la violencia.

¿Cómo se explica tan notable disparidad entre las creencias y la realidad? La creencia de que las armas protegen
y dan seguridad constituye una construcción social. Sobre todo, responde a una ideología que considera que la violencia juega un rol central en la definición de las relaciones sociales y en el mantenimiento del orden público. Cuando muchos ciudadanos expresan que el arma les da seguridad y los defiende de las amenazas, están reconociendo que la mejor forma de enfrentar las amenazas y de resolver los conflictos es con la violencia. Es este pensamiento el que marca la relación de muchos centroamericanos con las armas de fuego. Detrás del deseo de poseer armas existe la convicción de que para no ser víctima de la violencia se debe emplear la violencia, de que la violencia debe ser enfrentada con el mismo método, con violencia.

Sin duda, la gente quiere armarse por la delincuencia y por la inseguridad que ésta provoca. Sin duda, mucha gente se arma porque se siente tan genuinamente insegura que piensa que el arma los resguardará de la posible agresión.
En muchos casos, esta convicción esconde la tolerancia y hasta la exigencia de la violencia.

En esta construcción normativa se le asignan valores no sólo a las conductas violentas de respuesta sino también a las condiciones que las originan. Quienes así piensan identifican amenazas, asignan roles y justifican conductas de reacción basadas en la agresión física. Las armas ocupan un puesto fundamental en esta dinámica al ser instrumentos para el ejercicio de la violencia. Tener y portar un arma significa la posibilidad de responder violentamente frente a cualquier percepción de amenaza. Es una conducta congruente con los sistemas culturales que enseñan que usar la violencia es permitido al experimentar sentimientos de inseguridad.

La cultura de la violencia no se explica simplemente por la inseguridad ciudadana y por la debilidad institucional. La forma con que se responde a la inseguridad depende de muchos factores. Cuando una respuesta compartida, aceptada y esperada por una parte importante de la población privilegia el uso de las armas tenemos que considerar un marco cultural valorativo.


AGRESIÓN, VIOLENCIA Y ARMAS: “NORMALIZADAS”
La violencia de ataque, de defensa, de control, de opresión, de liberación, de desagravio, ocurre siempre en un contexto humano, tiene un valor social y requiere de una justificación. Sólo la violencia de origen estrictamente sicopática escapa a estas condiciones. En la mayoría de los casos de violencia ejercida con armas de fuego en las sociedades centroamericanas contemporáneas interviene el contexto social.

En Centroamérica no ocurren prácticamente homicidios por victimarios que experimentan placer en matar. Linchar a un delincuente -como sucede con demasiada frecuencia en Guatemala-, mandar a matar a quien se metió con la cónyuge -como ocurre en no pocas ocasiones en El Salvador-, torturar a un sospechoso -con la frecuencia con la que se hace en Honduras según los reportes de las organizaciones de derechos humanos-, golpear al hijo o a la hija porque se portó mal y abofetear a la mujer por irrespetuosa -como ocurre en todos nuestros países- son conductas que implican un contexto y que, dependiendo de la posición de quien lo juzga, pueden encontrar justificación. Los valores de una sociedad proveen esas justificaciones y al hacerlo contribuyen a su reproducción y a su mantenimiento.

Las armas entran en esta dinámica, no porque sirvan para defenderse, sino porque sirven para agredir. En una sociedad que “normaliza” la violencia, esa agresión está justificada. Por eso la llamada “cultura de la violencia” se convierte en el factor más contundente para explicar la tendencia hacia las armas. Si la tercera parte de la población guatemalteca y salvadoreña quiere tener armas de fuego como un instrumento de defensa no es porque sean delincuentes potenciales, son gente que está convencida de la utilidad de la violencia para relacionarse segura y efectivamente con los demás y para mantener el orden social.


UN ENTORNO AMENAZANTE Y UNA HISTORIA HOSTIL
Este orden normativo encaja con una cosmovisión de la realidad que es cotidiana y vitalmente precaria. La legitimación de la violencia encaja con un entorno ecológico amenazante e inestable, y con una historia insegura y hostil. La violencia prevalece porque generaciones de centroamericanos han sido socializados en el ejercicio de la violencia, aprendiendo que es la moneda de cambio más reconocida, la que ha dominado en el convulso ordenamiento social. La actitud más frecuente en la legitimación de la violencia es la que la autoriza con tal de mantener el orden público. Hemos aprendido que para poder subsistir con cierto orden social hay que comportarse de manera agresiva y violenta. Así se han definido históricamente las relaciones sociales y así se continúan promoviendo cuando se permite que los ciudadanos usen armas de fuego.

A estos valores contribuye en buena medida el discurso y el desempeño de las instituciones de cada uno de los países centroamericanos, y eso establece algunas diferencias entre unos países y otros. Si Nicaragua y Costa Rica presentan escenarios de violencia distintos a los de los otros tres países de Centroamérica, a pesar que estos dos países están también inundados de armas, es por la manera en que los Estados de estos dos países han reaccionado históricamente al desafío de la inseguridad.


COSTA RICA Y NICARAGUA: ¿POR QUÉ SON MENOS VIOLENTAS?
El apego de Costa Rica a la institucionalidad democrática desde hace más de medio siglo le ha permitido enfrentar la inseguridad apelando a su propia capacidad para proveer y garantizar los derechos sociales y económicos básicos a la población, sin acudir a esa violencia institucional que significa atribuirle a los militares el papel de brindar seguridad. La disolución del Ejército desde hace tantos años constituye un mensaje que resta valor al uso de la fuerza para resolver los conflictos. Y aunque el rápido crecimiento de las existencias de armas en Costa Rica está provocando un incremento en los niveles de violencia, los índices costarricenses no se comparan a los del resto de la región. Esto es un fruto de la contención que ha significado una institucionalidad democrática que ha promovido valores de apego a la convivencia.

El caso de Nicaragua es diferente, pero no por ello menos interesante. El modelo de amplia participación comunitaria en los problemas sociales generado durante la década del gobierno sandinista echó por tierra el legado de violencia social de los regímenes autoritarios pre-revolucionarios. Más allá de las valoraciones sobre el carácter autoritario de la etapa sandinista, lo cierto es que el nuevo modelo de seguridad -que sobrevivió al fin de la revolución- se basó en un importante componente de organización y participación ciudadana en los problemas locales. Esto promovió una práctica de convivencia, debate y negociación en la resolución de los conflictos interpersonales y comunitarios que, en conjunto con la institucionalidad, redujo las expresiones de la violencia.


CUANDO EL ORDEN SOCIAL ESTÁ EN MANOS PRIVADAS
En el triángulo norte de Centroamérica, en cambio, la historia política ha creado un marco institucional débil y generador del uso de la violencia privada. Por diversas razones, las transiciones políticas que trajeron la democracia política a Guatemala, El Salvador y Honduras, no han logrado imponer con claridad un Estado de derecho funcional, no han conseguido romper con los legados autoritarios de la militarización como respuesta a la inseguridad pública y no han construido un sistema de organización y participación ciudadana capaz de lograr acuerdos sociales de convivencia.

Los tres Estados del norte de Centroamérica se han caracterizado por insistir en los modelos de represión
y en el uso de la fuerza para enfrentar el problema de la inseguridad. Los programas “Mano Dura” y “Cero Tolerancia” que han dominado las políticas de seguridad en Honduras y El Salvador son el mejor ejemplo de estas tendencias. Se han caracterizado también por promover la ética de la seguridad privada, facilitando el surgimiento de empresas de seguridad
y fomentando que la gente se arme para garantizarse seguridad. Y se han empeñado en promover un tipo de participación ciudadana basado en la vigilancia y en el espionaje de los vecinos, antes que en la resolución comunitaria dialogada de los problemas. Esto no ha hecho sino incrementar la ética de la violencia privada.

Cuando las autoridades nacionales permiten la adquisición y portación de armas están legitimando la violencia para mantener el orden público y, por tanto, para definir las relaciones sociales. Cuando el Estado ofrece a sus ciudadanos la oportunidad de portar armas de forma tan amplia, como ha sucedido en Honduras, Guatemala y El Salvador, está alentando que los ciudadanos diriman sus conflictos por la fuerza, a la vez que está renunciando al monopolio de la fuerza para mantener el orden social. Está confiando a los ciudadanos armados ese orden.


LA ÉTICA DE LA AUTODEFENSA EN SOCIEDADES DESIGUALES
Esto no es nada nuevo. En realidad, estos Estados centroamericanos renunciaron durante muchos años a mantener el monopolio de la fuerza, cuando hasta la primera mitad del siglo XX permitían a los hacendados crear sus propios ejércitos privados para controlar a los jornaleros y agricultores de sus tierras. La violencia definió las relaciones humanas y laborales, sobre todo en el área rural, y permitió la creación de una ética de la autodefensa privada basada en la violencia. En Nicaragua, la revolución rompió con ese legado por la vía política.

La ética de la autodefensa constituye el eje normativo de la violencia social. Esa ética ha crecido a la par de las convicciones de que el Estado y las instituciones no proveen seguridad y que la seguridad se la debe proveer el propio ciudadano. Las transiciones políticas de inicios de los 90, marcadas y alteradas por el apego al Consenso de Washington y al modelo neoliberal, no lograron resolver esquemas tan arraigados en el triángulo norte de Centroamérica. Al contrario, sumergieron a nuestras sociedades en dinámicas tan impredecibles y tan amenazantes que atraparon a la población en la inseguridad.

En sociedades percibidas como fundamentalmente inseguras esto condicionó el reforzamiento de ese antiguo esquema de defensa vital y estimuló la vuelta a la ética de la autodefensa como elemento configurador de las relaciones sociales. Los nuevos escenarios económicos neoliberales también han afectado a Nicaragua y a Costa Rica, pero estos países vivieron procesos políticos que atenuaron su impacto en la cultura social.

En Guatemala, El Salvador y Honduras, el actual modelo ha generado un caldo idóneo para el fortalecimiento de la ética cultural de autodefensa, en detrimento de la institucionalidad y de la convivencia. En sociedades tan fragmentadas por las desigualdades sociales, la posesión de armas garantizó la capacidad de relacionarse seguramente con los demás y otorgó un estatus de respeto y de poder a quienes poseen esas armas.

En Centroamérica, muchos ciudadanos han aprendido -y han sido socializados así- que son responsables por su propia seguridad, y no lo es el Estado, que sólo tendría el papel de meter a la cárcel a los delincuentes. Tenemos Estados que facilitan armas a los ciudadanos para que se defiendan ellos mismos y que demandan inmunidad para violar los derechos de los sospechosos.


TENENCIA DE ARMAS: NEGACIÓN DE LA CONVIVENCIA
Cuando buena parte de los asesinatos con armas de fuego que ocurren en Centroamérica es cometida bajo condiciones de venganza, rencillas personales o ajusticiamento y no como consecuencia de respuesta a un asalto en contra de la propiedad, es obvio que en nuestros países están operando mecanismos sicosociales de promoción de la violencia, construidos históricamente, en reflejo del desempeño institucional de los Estados. Los discursos de las autoridades y los mensajes de los medios de comunicación contribuyen decididamente a la aparición y al mantenimiento de estos mecanismos.

Las armas de fuego son pieza central de esta cultura a la cual contribuyen reproduciéndola. Se trata de un círculo vicioso: las armas de fuego que se buscan para la defensa se convierten en amenaza para los demás. Hay que estar más armado para estar más seguro: este mito colma de armas las manos de los civiles en Centroamérica. El sistema que legitima la violencia como forma privilegiada para resolver conflictos y para defenderse hace imposible construir una sociedad basada en el respeto. Tenencia de armas: negación de la convivencia.

DIRECTOR DEL INSTITUTO UNIVERSITARIO DE OPINIÓN PÚBLICA (IUDOP) DE LA UCA DE EL SALVADOR.




Quando eu tiver um tempo livre, vou tentar fazer uma relacão dos códigos de todos esses países, referente a quais permitem e quais não permitem o porte de arma de fogo, acredito que teremos surpresas...

Att.



_________________
No dia mais claro, na noite mais densa, todo mal sucumbirá ante a minha presença...
E todo aquele que o mal venerar, o poder do lanterna irá enfrentar!!!
Hal Jordan - Dc Comics.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furadan



Mensagens : 875
Data de inscrição : 15/02/2012
Idade : 22
Localização : Palmas / Colinas - TO

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sex Ago 03, 2012 12:11 am

nagual, me desculpe, mas sou TOTALMENTE contra seu ponto de vista.

E infelizmente não estou afim de comentar cada argumento seu, por simples preguiça de minha parte. =/

Imaginemos uma historia fictícia, mas muito provável:

"Um cidadão de boa condição financeira e com habilitação tipo D acaba de perde seu cônjuge, e sofre de uma depressão terrível misturada a um ódio pela vida e seus "presentes", e que por não ter um contato social nem familiar com um nível tao "normal" como a da maioria, tem o problema passado despercebido. Certo dia essa mesma pessoa chega um nível de stress alto que perdura por um longo tempo, até que chega a uma decisão sem sentido de comprar um caminhão de grande porte trucado, junto com um baú de carga e resolve enchê-lo com tambores repletos de gasolina. Em um dia qualquer essa pessoa esta andando com esse veiculo próximo a um local fechado repleto de pessoas, e por ventura resolve direcionar esse veiculo para a direção das mesmas, mas algumas pessoas percebem o movimento e começam a correr, até perceberem que estão em um local fechado e por via do desespero não conseguem pensar em uma saída alternativa, e logo a pessoa depressiva consegue ultrapassar qualquer barreira pelo caminho (carros, pilares, etc, devido a potencia e peso do caminhão.) arremessando assim todo veiculo contra as pessoas, matando uma quantidade considerável das mesmas. Levantando uma possível consideração sobre a carga do veiculo (tambores de gasolina) que durante ação podem ter sofrido algum dano gerando um vazamento, necessitando uma simples faísca para a sua combustão, transformando o local fechado em um forno de chamas, possivelmente matando quase que todas as pessoas no local."

Essa historia fictícia (graças a Deus) absurda que inventei, pode retrata não esse acontecimento, mas alguns muito semelhantes ou relacionados. O exame "psico-técnico" para primeira habilitação não passa de um processo de desenho e paciência de 30 minutos.

Agora me diga, se você que diz não confiar em que qualquer pessoa possua o porte de arma, também me diz se aceita qualquer pessoa possuir uma habilitação?

Sinceramente, tenho mais medo de andar em um BR do que persuadir um desesperado armado, tanto pelas chances de morrer, de como a FORMA de morrer.

No que se trata de um bandido, de DE MANEIRA NENHUMA ele deve ter o direito de se defender no momento da ação. Aquele que adentra a propriedade alheia com intenção de causar danos tanto material quanto moral, esta ciente que esta sujeito a represália de diferentes formas, e devendo ter o bom senso e a lei a favor do vitimado.

Defendo o porte de armas para pessoas CAPACITADAS, com adestramento e capacidades mentais minimas para a utilização da arma. Utilizando-a para primeiro momento como ferramenta de intimidação para interromper a ação prejudicial, e como ultimo caso a utilização de seu poder de neutralização para as devidas situações.

Oque te faz pensar que o cidadão brasileiro é menos capaz de porta uma arma do que um estado unidense? Só por que acha que o brasileiro é mais agressivo do que o resto do mundo? O que falta aqui no Brasil é o cumprimento de suas normas nacionais com eficacia e rigor com intuito de coagir os infratores e pré-infratores, dever do Estado, como você citou. Mas eu não estou nem um POUCO afim de esperar uma atitude de governantes, prefiro tomar minhas decisões e me juntar a pessoas que repartilham uma ideologia semelhante a minha, no que se trata de defender minha família e patrimônio.

Eu passo longe de ser patriota, mas moro aqui, minha terra, se não dou valor a ela ou a seus presentes, ninguém mais vai da valor. O Brasil precisa melhorar, e não vai ser rápido. Esse projeto de lei mesmo não sendo perfeito, já é uma das nossas muitas partidas para tentar mudar nosso pais para uma situação mais aceitável.

_________________
“Ousadia contém gênio, poder e magia.” (Göethe)

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


Última edição por Furadan em Sex Ago 03, 2012 12:24 am, editado 5 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
CALIL
General
General


Mensagens : 5096
Data de inscrição : 15/08/2009
Idade : 35
Localização : SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sex Ago 03, 2012 12:14 am

Se voce tivesse lido a mensagem no login veria que eu escrevi apenas POSSE e não porte.

O projeto de lei é o mais proximo que temos de um confronto direto contra os desarmamentistas.

Maioria dos crimes aí no RJ são com armas ilegais? O que armas ilegais tÊm a ver com o projeto de lei que exige que voce tenha ficha limpa e faça toda a burocracia para ter um CR ou POSSE de arma?

Se o projeto de lei pede o porte, não significa que ele será aceito, mas é o mais proximo que temos e é ele que vou apoiar.

Já vi que voce dedica tempo demais tentando convencer a maioria aqui que não esta de acordo com o desarmamento. TÊm certeza que quer continuar com isso?

Eu não quero porte de arma, quero apenas o direito de POSSE (em casa) que estão tentnado dificultar. Mas apoio os que querem, aposto que isso diminuiria e MUITO as brigas e tentativas de crimes por todo o país.

Desculpe mas não vivo nesse mundo de ilusão que tudo é lindo e belo, em uma sociedade que não precisa de nada além da polícia, que ganha míseros 1500 reais para defender uma população que a odeia.

_________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.” Ruy Barbosa
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.arcobrasil.com
nagual



Mensagens : 73
Data de inscrição : 09/10/2011
Idade : 33
Localização : Méier - Rio de Janeiro

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sex Ago 03, 2012 2:26 am

Então Calil, vou quotar o anuncio:

Citação :
Eu convoco a todos do fórum a apoiar o DIREITO DE POSSE DE ARMA DE FOGO (em casa)! O Governo quer nos privar do nosso direito!!! Não precisa cadastro, nao precisa nada, é só colocar seu nome e email e apoiar!!! Vamos lá ou vamos perder o direito!!!!!!!!!!!!!

Você não foi claro em falar que o projeto de lei que apoia, autoriza entre outras coisas, o porte de arma.

Na verdade da maneira como foi colocado, dá a impressão que aqueles que tem a posse de arma vão perder esse direito se não votarem no projeto de lei.

Repare que no final você coloca: "Vamos lá ou vamos perder o direito!!!!!!!!!!!!!"

Que direito vamos perder?
Que lei fala que a posse é proibida??
Que lei, ou projeto de lei, fala que quem tiver posse de arma registrada irá perder???

A lei 10286, de desarmamento só tem o nome "estatuto do desarmamento", que foi dado por causa do referendo de 2005, repare que na definicão da lei diz o seguinte: "Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas – Sinarm, define crimes e dá outras providências."

Nem no assunto da lei, ela fala sobre desarmamento, na questão da posse eu não encontrei diferencas significativas entre o projeto de lei 3722 e a lei 10286, no entanto, o projeto de lei autoriza entre outras coisas, o porte...


CALIL escreveu:
Se voce tivesse lido a mensagem no login veria que eu escrevi apenas POSSE e não porte.

Eu lí também que vc escreveu que se não apoiarmos o projeto que autoriza o porte, vamos perder o direito a posse...

Citação :

O projeto de lei é o mais proximo que temos de um confronto direto contra os desarmamentistas.
Não, o mais próximo é o debate, já que não existe lei de perda da posse/registro de arma de fogo por civis.

Citação :
Maioria dos crimes aí no RJ são com armas ilegais? O que armas ilegais tÊm a ver com o projeto de lei que exige que voce tenha ficha limpa e faça toda a burocracia para ter um CR ou POSSE de arma?

Simples, o bandido não vai deixar de ter arma por meios ilegais, com ou sem lei que autorize o porte, aumentar o numero de pessoas que podem andar armadas não é, comprovadamente, o melhor caminho para diminuir a violência - vide estudo que quotei no post anterior...

Citação :
Se o projeto de lei pede o porte, não significa que ele será aceito, mas é o mais proximo que temos e é ele que vou apoiar.

Você não tem a opcão de fazer uma ressalva ao apoio, ou vc apoia integralmente o projeto de lei ou não apoia, uma vez que vc dê o seu apoio, vc estará apoiando todos os artigos do projeto

Citação :
Já vi que voce dedica tempo demais tentando convencer a maioria aqui que não esta de acordo com o desarmamento. TÊm certeza que quer continuar com isso?

Nunca disse que sou a favor de desarmamento, mesmo porque eu tenho arma de fogo, o que disse é que sou contra o porte de arma e sou contra a forma como a propaganda do projeto de lei foi veiculada pelo forum, pois dá a entender que ou votamos no projeto de lei ou perderemos nossa arma.

Citação :
Eu não quero porte de arma, quero apenas o direito de POSSE (em casa) que estão tentnado dificultar. Mas apoio os que querem, aposto que isso diminuiria e MUITO as brigas e tentativas de crimes por todo o país.
Quem está tentando dificultar? qual o projeto de lei?
Eu aposto que aumentaria a violencia (vide estudo sobre a america central postado no meu post anterior)

Citação :
Desculpe mas não vivo nesse mundo de ilusão que tudo é lindo e belo, em uma sociedade que não precisa de nada além da polícia, que ganha míseros 1500 reais para defender uma população que a odeia.

Realmente, o mundo perfeito é poder liberar o uso/transporte de arma de fogo por qualquer pessoa que preencha os requisitos do artigo 30 (maior, residencia fixa, trabalho, aptidao fisica e psicologica e etc. vide post meu que quotei os artigos do projeto de lei)

Citação :
nagual

Vou ser bem conciso pois não tem muito o que falar sobre isso. Uma aviso antes: o anúncio no login do fórum irá continuar por tempo indetermidado. Aqui a maioria é a favor do direito que nos é permitido e que estão querendo retirar.

Qual a lei ou projeto que quer fazer isso?
é MP?

Citação :
Se você é contra o cidadão ter POSSE de arma (e não porte, nem estou entrando nesta questão) é simples, voce e sua família não tenha uma arma e ponto final. Agora o fato de que você é contra não pode me tirar o direito de querer ter uma arma.
Você que chegou a conclusão que sou contra a posse...

Citação :
Eu queria saber porque ninguem é contra a produção de automóveis que mata mais que QUALQUER COISA neste
[/quote]

Producão de carros não mata ninguem, o que mata é o mau uso/acidentes...
Não vou entrar no mérito disso porque é muito exaustivo e eu estou escrevendo esse post pela segunda vez já que quando cliquei da primeira deu erro e eu perdi tudo que digitei =/ mas basicamente, carro = máquina, meio de transporte /// arma de fogo = ARMA....


Resumindo, sou contra a forma como o anuncio foi colocado no fórum:

1- Porque a propaganda é enganosa, você não vai perder o direito de ter uma arma de fogo se não votar no projeto e lei...
2- Porque é omissa, não fala sobre as principais implicacões desse projeto de lei, como a liberacão do porte
3- Porque não é sobre matéria a que se destina o presente fórum:
"Arco e Flecha Brasil

Fórum sobre Arco e Flecha (e tudo que for relacionado ao tema) para reunir todos os entusiastas deste esporte seja para competição ou lazer. "



Acredito que muitas pessoas que votaram dando apoio ao projeto de lei, tenham dado o apoio sem sequer ler o projeto na íntegra, ou a lei atualmente em vigor 10286, levando em conta a confianca que têm no fórum e ao que estava escrito no anúncio.

Meu intuíto foi apenas de esclarecer aos usuários do fórum que a "coisa"não é bem assim, ninguem vai tirar o seu direito de ter arma de fogo, a lei em vigor não faz isso.

Votar em um projeto de lei é coisa séria, e depois que você dá o seu apoio é complicado de retirar.

Alguns problemas de propaganda que induziam ao erro geraram acões populares:

Citação :
16. Com efeito, em relação à publicidade veiculada no ano de 2002, tendente a esclarecer a reforma trabalhista que se encontrava em trâmite no Congresso Nacional, várias ações populares foram propostas, visando a suspendê-la e a condenar os responsáveis a ressarcirem o erário. Questionou-se, nessas ações, o fato de o Governo despender vultosos recursos públicos para divulgar um projeto de lei, tentando induzir a erro a opinião pública quanto à existência de um direito que ainda dependia de aprovação do Congresso Nacional. Questionou-se, também, a utilização de lideranças sindicais como -garotos propaganda -, em afronta ao princípio da impessoalidade. Destaca-se o seguinte trecho da decisão concessiva de liminar, em uma dessas ações:

-Ora, as propagandas levadas pela imprensa dizem respeito a peculiaridades de uma reforma trabalhista ainda não efetivada, pois o aludido PLC nº 134/2001 ainda não existe no mundo jurídico, portanto, não obrigatório. Nesse contexto, as propagandas do Ministério do Trabalho servem para induzir a erro seu destinat ário, pois faz crer que eventuais mudanças na legislação trabalhista estão em vigor e são benéficas aos empregados, sem, contudo, o Poder Legislativo atestar a legitimidade das pretensas alterações - (Decisão liminar proferida nos autos da Ação Popular nº 2002.34.00.004870-2, pelo Juiz Federal Rafael Paulo Soares, em exercício perante a 22ª Vara Federal de Brasília).


Em tempo, agradeco a todos que responderam meus argumentos, é para isso que se destina um fórum, para um debate sadio e instrutivo.

Viva a democracia! cheers

_________________
No dia mais claro, na noite mais densa, todo mal sucumbirá ante a minha presença...
E todo aquele que o mal venerar, o poder do lanterna irá enfrentar!!!
Hal Jordan - Dc Comics.
Voltar ao Topo Ir em baixo
jorge_wiendl



Mensagens : 2381
Data de inscrição : 25/08/2009
Localização : Piracicaba/SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sex Ago 03, 2012 8:28 am

Citação :

Viva a democracia!


Democracia é eu mandar em você, ditadura é você mandar em mim.....


Tem hora que é melhor desistir de tentar argumentar. jocolor jocolor jocolor

_________________
Nunca tive um hoyt por causa do som de violão desafinado na chuva sendo tocado por um gato manco no cio!

I walk through the valley of the shadow of death, I will fear no evil because I am the baddest motherfucker in the goddamn valley!
Voltar ao Topo Ir em baixo
v.b.-s.j.r.preto



Mensagens : 2975
Data de inscrição : 17/06/2012
Localização : São José do Rio Preto - SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sex Ago 03, 2012 9:31 am

Eu achei muito interessante essa observação da carteira de habilitação.
A comparação do perigo do motorista com o atirador.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Para cada 10.000 veículos, morrem 7 pessoas no Brasil e 1,5 no Japão. (por ano)

Mundo: 7 bilhões de habitantes
Mundo: 1,2 milhão mil mortes/ano com mais de 50 milhões de feridos (OMS) no trânsito.
Mundo: 1.7 mortes no trânsito para cada 10.000 habitantes por ano.

Brasil: 193 milhões de habitantes
Brasil: Brasil: 45 mil mortes/ano (incluindo óbito após 72 hs do acidente, oficialmente gira em torno de 30.000 mortes/ano)
Brasil: 2,33 mortes no trânsito para cada 10.000 habitantes por ano.

Em 70% dos casos de acidentes com mortes, o fator álcool estava presente, mesmo sem configurar embriaguez.

E pensar que o governo está fazendo uma forte campanha para liberar as drogas, já é possível ver apologia à maconha em quase todos os principais veículos de comunicação do país. O nosso vizinho Uruguai vai fazer a primeira colheita oficial e legal de maconho em 2013. Imagino esses números de acidentes e mortes.

.
Voltar ao Topo Ir em baixo
jorge_wiendl



Mensagens : 2381
Data de inscrição : 25/08/2009
Localização : Piracicaba/SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sex Ago 03, 2012 10:38 am

Sou do tempo que fumar era bonito e dar o rabo era feio!!!!

_________________
Nunca tive um hoyt por causa do som de violão desafinado na chuva sendo tocado por um gato manco no cio!

I walk through the valley of the shadow of death, I will fear no evil because I am the baddest motherfucker in the goddamn valley!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furadan



Mensagens : 875
Data de inscrição : 15/02/2012
Idade : 22
Localização : Palmas / Colinas - TO

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sex Ago 03, 2012 11:40 am

Misericórdia, quanta ingenuidade...

_________________
“Ousadia contém gênio, poder e magia.” (Göethe)

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
CALIL
General
General


Mensagens : 5096
Data de inscrição : 15/08/2009
Idade : 35
Localização : SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sex Ago 03, 2012 8:29 pm

nagual

Se voce assistir aos vídeos vê que claramente, todos que pensam igual a voce querem DESARMAR a população. (Palavras dessas pessoas!!! filmada e gravada!)

Então me responda:

Se o porte NÃO é e nunca foi permitido, o que significa desarmar as pessoas?

_________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.” Ruy Barbosa
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.arcobrasil.com
nagual



Mensagens : 73
Data de inscrição : 09/10/2011
Idade : 33
Localização : Méier - Rio de Janeiro

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sab Ago 04, 2012 12:35 am

CALIL escreveu:
nagual

Se voce assistir aos vídeos vê que claramente

Calil, não pretendo me extender muito mais nessa discussão, todos os argumentos que achei pertinentes eu já expus nos posts anteriores, no entanto, vou responder suas indagacões:

1- O video que você postou, não fala em momento algum sobre desarmamento, na verdade a mulher no vídeo só fala sobre fechamento de bares as 23 horas em Diadema, e em como isso, na concepcão dela diminuiu o numero de homicidios, pois eu acredito que uma conclusão desse tipo deve ser analisada durante longos períodos de tempo para se comprovar se foi efetiva ou não.
E ela fala sobre o que incomoda ela na definicão de cidadão de bem e sobre dados do SUS...

Citação :
todos que pensam igual a voce querem DESARMAR a população. (Palavras dessas pessoas!!! filmada e gravada!)

2- Você está presumindo que eu, por ser contrário ao porte, sou favorável ao desarmamento, com base em pensamentos de outras pessoas e não nas minhas afirmacões de que sou a favor da posse de arma de fogo, sou contrário apenas de que seja legalizado o porte.
E, se não existe nenhuma lei que desarme a populacão, porque você coloca um anúncio no forum só levantando a questão da posse, sendo que a posse já é autorizada pela lei atual?

Citação :
Então me responda:

Se o porte NÃO é e nunca foi permitido, o que significa desarmar as pessoas?

Proibir que qualquer civil tenha uma arma registrada, isso é desarmar...

Enquanto as pessoas puderem ter uma arma em casa, com o seu devido registro no orgão competente, a populacão não estará desarmada.

Os exemplos no post do dracul e mais algum outro após o dele, doram exemplos de pessoas que tinham o registro (eu presumo) da arma de fogo e exerceram o seu direito de posse na residência.

Note que mais uma vez, eu venho expor que o anuncio, da forma que foi feita, está errado, pois induz as pessoas a acharem que o projeto de lei é a unica solucão para a manutencão da posse de arma de fogo, que é atualmente permitido pela lei 10286, quando na verdade de mudancas significativas do que temos na lei atual, esse novo projeto quer permitir o porte, pois na questão da posse, tanto faz a lei em vigor ou o projeto, então o anuncio induz totalmente as pessoas ao erro..

Lei atual em vigor: Permite a posse de arma de fogo e não permite o porte

Projeto 3722 que você está divulgando: Permite a posse de arma de fogo e permite o porte...

Porque você, que só manifestou o seu apoio a posse de armas de fogo, vai apoiar um projeto que quer reformar a lei atual que permite a posse?

Se o seu anuncio só fala da posse de armas de fogo, que é autorizado pela lei em vigor, não faz sentido apoiar esse novo projeto.
Por isso o anuncio está errado, porque ao apoiar o projeto, as pessoas estão apoiando as mudancas que ele vai fazer na lei atual, e essa mudanca é basicamente na questão do porte...

Por isso, o meu primeiro e segundo post nesse topico, para demonstrar as pessoas que ninguem vai tirar o direito de termos armas de fogo, pois esse direito está em vigor na lei 10286, e votar no projeto 3722 não é a solucão para mantermos a posse e sim para liberar o porte...



_________________
No dia mais claro, na noite mais densa, todo mal sucumbirá ante a minha presença...
E todo aquele que o mal venerar, o poder do lanterna irá enfrentar!!!
Hal Jordan - Dc Comics.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furadan



Mensagens : 875
Data de inscrição : 15/02/2012
Idade : 22
Localização : Palmas / Colinas - TO

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sab Ago 04, 2012 4:31 am

nagual, percebe-se no seus post, que sua oposição contra o porte de arma vem das experiencias convividas (julgo eu). Pessoas que usaram de forma indevida a arma de fogo, para causar enormes danos ou se mostrarem superiores as outras, e não no seu verdadeiro intuito: Defesa.

Mas como citado por você, provavelmente armas ilegais, compradas no comercio negro de armas, sem exigir nenhum tipo de preparamento ou teste do individuo, sendo que provavelmente armas que foram adquiridas com intenção pré-determinada de mau uso. Se no caso o projeto de lei for aprovado, acho eu, que o processo de adquirir uma arma, quanto mais porta-la, será "liberado", mas não a livrando da GIGANTESCA burocracia que ainda será exigida.

Sabe-se que é necessário um curso de capacitação técnico e psicológico somente para adquirir, imagine então para portar. Dessa forma induzido o proprietário de uma arma a um uso correto da mesma.

Sobre o posição do CALIL, não acho que ele se aprofundou em formalidades ou dados técnicos, mas sim em um pedido geral a comunidade do forum, tanto que ele utiliza poucas palavras para o apoio, alguns votando por simples confiança postada nele. No link onde se deve votar, tem um pequeno resumo sobre o projeto e seu registro (PL 3.722/2012), livre para qualquer pessoa pesquisar sobre o assunto, e decidir se é de seu agrado as propostas, antes de votar.

No momento que você diz que não existe nenhuma lei sobre desarmamento total da população civil, eu concordo com você, mas uma lei que não existe AINDA. A mídia interativa e as propagandas do governo desarmamentista (bancadas com nosso próprio dinheiro) estão batendo a porta de uma população cada dia mais ignorante, que mesmo com um acervo de conhecimento tão grande disponível, muitos ainda preferem sentar no sofá e engordarem a pança, achando ainda que televisão sabe mais que medico...

_________________
“Ousadia contém gênio, poder e magia.” (Göethe)

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
CALIL
General
General


Mensagens : 5096
Data de inscrição : 15/08/2009
Idade : 35
Localização : SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sab Ago 04, 2012 10:05 pm

Simples, porque o que vemos é o governo toda hora incentivar a todos entregarem as armas que tem em POSSE em casa.

Eu sou a favor do porte embora o que me importe mais é a posse.

E outra, o motivo do porque eu colocar o anuncio no fórum é porque a maioria a aqui concorda. Até agora só voce discordou.

Eu apoio esse projeto porque tem fundamento, ao contrario de qualquer coisa feita pelo governo.

Mas só posso dizer que NESTE fórum, você provavelmente está sozinho na sua opinião e perdendo tempo.

Embora por lei a posse é permitida, tem gente esperando há mais de 1 ano pela autorização da posse de arma e não é contemplado. E voce ainda vem me dizer que isso a lei já permite? Nem parece que voce vive no Brasil.

_________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.” Ruy Barbosa
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.arcobrasil.com
Dracull



Mensagens : 66
Data de inscrição : 12/07/2011
Localização : Curitiba, PR

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Dom Ago 05, 2012 12:11 am

Nagual,


Muito do que teria para lhe escrever foi escrito pelos colegas acima. Resta lhe dizer que estamos sim sob forte pressão desarmamentista, que ao arrepio da lei a PF nega as autorizações de compra, que a PF nega a renovação dos registros e que se alguém deslizar burocraticamente, por exemplo perder o prazo de renovação, a pena é o perdimento da arma - não há multa ou qualquer outra medida administrativa para regularizar, resta entregar a arma para a maldita campanha de desarmamento. O dito projeto de lei que apoiamos muda estes detalhes verdadeiramente malígnos da lei atual.


Sim, o projeto regulamente e autoriza o porte, para quem quiser e se capacitar para tal. Ninguém vai se submeter a este verdadeiro ordálio pensando em fazer burrada. Se alguém quer pipocar motoristas no trânsito ou atirar num vizinho chato, compra arma ilegal sem burocracia nenhuma em praticamente qualquer esquina deste país. A sua chance de ser alvejado no transito hoje é infinitamente maior do que numa situação de porte "liberado". Afinal, hoje o porte é proibido em todo o território nacional. O meliante profissional e o ocasional sabem disso, e se esbaldam por ter a certeza da não-reação.


Se apegar com unhas e dentes a um único exemplo ruim e negar todos os outros exemplos bons onde a liberação do porte ocorreu é, no mínimo, muita inocência. Mais uma vez, o porte para bandido nunca será proibido, afinal bandido não respeita lei alguma. Somente nós é que somos afetados por tacanha lei.


Finalizando, sim, minha arma de fogo é devidamente registrada. E quando for renovar o registro, terei de me submeter a todos os testes e obter novamente todas as certidões, como se estivesse adquirindo uma arma nova pela primeira vez - e isso que se trata apenas de posse, não é porte. Já imaginou ter que fazer auto-escola e todas as aulas teóricas e práticas além dos exames a cada 3 anos para renovar sua carteira de habilitação?


Ja,

D.

_________________
この世に悪があるとすれば 、それは人の心だ。
"Kono Yo ni aku ga aru to sureba, sore wa hito no kokoro da."
Edward D. Morrison
Voltar ao Topo Ir em baixo
CALIL
General
General


Mensagens : 5096
Data de inscrição : 15/08/2009
Idade : 35
Localização : SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Qui Ago 09, 2012 4:35 pm

Nagal


_________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.” Ruy Barbosa


Última edição por CALIL em Sab Ago 11, 2012 10:26 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.arcobrasil.com
DianaBll



Mensagens : 9
Data de inscrição : 10/08/2012
Idade : 19
Localização : Rio Grande do Sul

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sex Ago 10, 2012 9:41 pm

bounce Votado! Vamos la pessoal, todos votando!! =) bounce
Voltar ao Topo Ir em baixo
CALIL
General
General


Mensagens : 5096
Data de inscrição : 15/08/2009
Idade : 35
Localização : SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sab Ago 11, 2012 8:45 pm

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

_________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.” Ruy Barbosa
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.arcobrasil.com
TRC



Mensagens : 6248
Data de inscrição : 07/01/2012
Idade : 70
Localização : ItagçGo

MensagemAssunto: apoio   Sab Ago 11, 2012 9:30 pm

A cretinice dessa lei do desarme é tão grande que daqui a pouco só falta a mídia lançar uma campanha: "doe a sua arma a um bandido pobre!"
TRC
Voltar ao Topo Ir em baixo
flaviogm



Mensagens : 26
Data de inscrição : 06/07/2012
Idade : 41
Localização : São Paulo/SP

MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Sab Ago 11, 2012 9:38 pm

Votado
Voltar ao Topo Ir em baixo
TRC



Mensagens : 6248
Data de inscrição : 07/01/2012
Idade : 70
Localização : ItagçGo

MensagemAssunto: apoio   Dom Ago 12, 2012 9:58 am

Calil, desculpe-me.
Não consegui ouvir essa mulher até o final.
Ôh, vóizinha chata, sô!
Ela é PRESIDENTA do que, hem?
TRC
Voltar ao Topo Ir em baixo
jorge_wiendl



Mensagens : 2381
Data de inscrição : 25/08/2009
Localização : Piracicaba/SP

MensagemAssunto: Publicado no O Globo!    Seg Ago 13, 2012 3:10 pm


segunda-feira, agosto 13, 2012

O revólver e a faca - DENIS LERRER ROSENFIELD



O Estado de S.Paulo - 13/08


Um crime literalmente horroroso foi cometido na cidade de Porto Alegre, num destes últimos dias, envolvendo uma família de classe média alta. Um bioquímico, supostamente por motivos de ciúme e traição de sua mulher, matou-a a facadas. Aliás, segundo a perícia, algumas dessas facadas, antes das mortais, foram para fazê-la sofrer, prenúncio vívido do que lhe aconteceria a seguir. Não satisfeito, o assassino foi ao quarto do filho do casal, de 5 anos, e o esfaqueou, matando-o na própria cama. O motivo novamente alegado foi o de que a criança não poderia viver sem a mãe.

Friso a expressão "motivo alegado" com o intuito de mostrar a futilidade da razão apresentada e seu caráter particularmente cruel. Note-se que não estamos diante de um problema "social", na medida em que o casal vivia num bairro de classe média alta e desfrutava boa condição de vida: a mulher era enfermeira e o marido, funcionário público e sócio de um laboratório.

Acontece que esse crime foi simultâneo ao de um americano que assassinou várias pessoas numa sessão de cinema, no Estado do Colorado. Logo depois, outro episódio semelhante teve lugar também nos EUA, com o assassinato de vários membros da seita sikh, de origem indiana.

O assassinato, a facadas, de uma mulher e de seu filho de 5 anos mereceu apenas algumas páginas regionais na seção policial, enquanto os dois episódios americanos ocuparam manchetes de jornais nacionais e da mídia em geral. Tornou-se uma grande notícia, exigindo comentários de "especialistas".

Ora, boa parte dos ditos especialistas convocados apressou-se a declarar que o problema residia na ausência de controle de armas nos EUA. Se eles seguissem o exemplo do Brasil, tudo estaria resolvido!

O politicamente correto brasileiro, seguindo o seu congênere americano, dito "progressista", logo se erigiu em juiz dos crimes americanos, advogando o desarmamento naquele país e, indiretamente, no nosso. É como se os legisladores americanos devessem aprender com os nossos! Esse tipo de formador de opinião imediatamente alardeou que o Brasil conhece a solução, podendo ensiná-la a esses americanos ignorantes.

Considerando que a justiça exige critérios equitativos, poder-se-ia perguntar: por que o crime brasileiro não suscitou toda uma campanha midiática pelo desarmamento de facas? Nem foco midiático houve! Se os culpados são os instrumentos, e não as pessoas que os utilizam, seria razoável estabelecer a mesma exigência. A culpa estaria na faca, tal como no revólver.

Seguindo o mesmo raciocínio, as mortes no trânsito, tendo como instrumento os automóveis, deveriam também levar a uma campanha pelo "desarmamento" dos carros, visando à sua proibição. Não seriam os motoristas que matam, e sim os veículos. Pense-se, por exemplo, no motorista que atropelou dezenas de ciclistas numa manifestação, também em Porto Alegre, em fevereiro de 2011. As imagens, divulgadas nacionalmente, demonstram que só a sorte explica a ausência de mortes. No início de julho, um motorista sem habilitação atropelou mais de 20 torcedores do Corinthians que comemoravam a conquista da Taça Libertadores da América.

Analogamente, a responsabilidade dos atos das pessoas que fumam não seria dos fumantes, mas das indústrias do setor. Pois, da mesma maneira, conta o instrumento, e não aquele que exerce essa escolha.

Todos esses casos mostram a desresponsabilização do agente, como se fosse um menor incapaz que não sabe o que está fazendo. Por via de consequência, deveria ser tutelado pelo Estado, que saberia o que é melhor para ele. Ora, se esse raciocínio fosse válido, deveríamos, então, passar ao controle das facas, instrumento mortal nas mãos de um assassino. Diga-se de passagem que, segundo os especialistas, um assassino que usa de faca é muito mais cruel do que o que se utiliza de um revólver.

Vejamos alguns dados extraídos do Small Arms Survey, um projeto de pesquisa do Graduate Institute of International and Development Studies, localizado em Genebra. Ele é uma referência importante em termos de informação pública sobre armas de pequeno porte e violência armada e serve como fonte de dados para governos, pesquisadores e ativistas. Os dados sobre homicídios são do United Nations Office on Drugs and Crime (ou seja, da ONU).

Existem 270 milhões de armas de fogo em mãos de civis nos EUA. Com esse número astronômico, o país é o primeiro colocado em armas de fogo em todo o mundo. Porém, no último ano, houve 9.146 mil homicídios com armas de fogo nesse país, isto é, 2,97 por 100 mil habitantes. A Suíça ocupa a terceira colocação em posse de armas por civis: tem 3,4 milhões. Em cada 100 pessoas, 45,7 possuem armas, praticamente a metade da população. No último ano houve 57 homicídios com armas de fogo no país. Isto é, 0,77 por 100 mil habitantes. Logo, não há nenhuma relação entre o número de armas de fogo em posse dos civis e homicídios.

O Brasil tem 14 milhões de armas de fogo em mãos civis. Em cada 100 pessoas, apenas 8 possuem armas. No entanto, o alto índice de homicídios por armas de fogo - 34.678 no último ano, ou 18,1 por 100 mil habitantes - desqualifica a tese segundo a qual "poucas armas, menos homicídios". Do mesmo modo, os índices dos EUA refutam a tese de país belicista e violento. Se alguma inferência pode ser feita, é a seguinte: quanto mais armas, menos homicídios. No Brasil, as armas estão em poder dos bandidos - sem nenhum controle do Estado!

O grande problema dessa primazia do politicamente correto no Brasil é o tipo de recorte de notícias e comentaristas, numa espécie de intoxicação midiática. Um crime como o cometido a facadas, cruel entre todos, mostra quanto algo aparentemente anódino e reservado a páginas policiais pode ganhar significação visto na perspectiva de elucidação do controle e tutela do cidadão.

_________________
Nunca tive um hoyt por causa do som de violão desafinado na chuva sendo tocado por um gato manco no cio!

I walk through the valley of the shadow of death, I will fear no evil because I am the baddest motherfucker in the goddamn valley!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA   Hoje à(s) 12:24 pm

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
APOIE ESTA CAMPANHA A FAVOR DO SEU DIREITO DE DEFESA
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 4 de 7Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte
 Tópicos similares
-
» PNEU FURADO???
» Hodômetro de combustível da CBR não tá marcando direito
» Desgaste acentuado do pneu dianteiro direito
» Esta chegando a hora.
» O pneu também está na garantia?

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ARCO BRASIL :: Discussão Geral-
Ir para: