ARCO BRASIL
Atenção seguir as regras abaixo para comprar ou vender no fórum. Quem não seguir as regras será banido, tera os IPs bloqueados e tópico deletado. Sem exceção à regra!

Leia as regras no tópico abaixo:

http://www.arcobrasil.com/t42-regras-basicas-leia-com-atencao-antes-de-postar-um-topico
ARCO BRASIL

Fórum sobre Arco e Flecha (e tudo que for relacionado ao tema) para reunir todos os entusiastas deste esporte seja para competição ou lazer.
 
InícioCalendárioFAQMembrosRegistrar-seLogin

Compartilhe | 
 

 utilidade publica conteúdo toxóphilos na integra

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Drakenzi



Mensagens : 252
Data de inscrição : 21/02/2012
Idade : 103
Localização : MS

MensagemAssunto: utilidade publica conteúdo toxóphilos na integra    Dom Mar 04, 2012 10:34 pm

CONSTRUINDO UM ARCO

Introdução

Diante da quase inexistência de informações sobre a construção de um arco na língua portuguesa, decidimos por à disposição de todos que tenham acesso à Internet informações claras e objetiva de como construir seu próprio arco. Não só algo que consiga disparar uma flecha de qualquer maneira, mas nosso objetivo é passar conhecimento suficiente para que, com pouco dinheiro, qualquer aspirante a arqueiro possa ter em mãos uma arma precisa e potente como aquelas que há milênios fazem parte da história do homem como uma ferramenta para a caça, defesa, guerra e lazer.
Muitos são os tipos de arcos existentes (vamos ignorar aqueles compostos com roldanas, nada tradicionais, feios, apesar de também atirarem flechas), dentre os tradicionais, talvez o longbow inglês seja o mais conhecido e admirado no mundo ocidental, também o mais simples deles. Vamos mostrar aqui como fazer um arco semelhante ao longbow, algo mais próxomo do chamado flatbow, de maneira simples (apesar de ainda assim complexa para leigos, pois a arte da construção de arcos não é algo fácil). Nosso objetivo é que se consiga um arco com a potência desejada pelo arqueiro que irá usá-lo e com ótima precisão, desde que usado com as flechas corretas (ver “A flecha e o arco”) e atirado por alguém que pratique bastante o tiro com este tipo de arco.
Já alertamos o leitor que construir um arco não é algo fácil, exigirá tempo e dedicação. Dificilmente o primeiro arco feito por alguém será um bom arco, não quebrará. Mas não desanime, aprenda com seus erros, tire suas dúvidas com alguém mais experiente e o próximo provavelmente não falhará.

Ferramentas

Há um enorme número de ferramentas existentes que facilitariam a confecção de um arco, mas como muitas delas são caras e outras raríssimas no Brasil, vamos citar apenas as mínimas necessárias e mais baratas, facilmente encontradas em lojas de ferragens e ferramentas. Uma boa plaina é essencial, uma grosa (espécie de lima grossa usada em madeira), faca(s) e canivete(s), lixas de papel desde a mais grossa (60 está bom) até a mais fina encontrada (no mínimo 220) passando por todas as intermediárias encontradas (de 20 em 20 está bom, ex.: 60, 80, 100...), você também precisará de algo para prender sua peça de madeira em sua bancada (a pia da cozinha ou a mesa da sala também serve), como uma morsa, mas o melhor e mais simples é adquirir dois grampos ‘C’, os vulgos sargentos. Uma pequena grosa cilíndrica também será necessária, a menor encontrada. Instrumentos de medição como régua e paquímetro, com marcações para centímetros e polegadas, também serão essenciais.
Estas já são suficientes para execução de um arco.


A Madeira

A maneira mais artesanal e eficiente de construir um arco começa pela árvore ainda viva. Ela é cortada, o tronco rachado radialmente em algumas partes, deixa-se secar por mais ou menos dois anos na sombra, e começa-se a trabalhar lentamente a peça de madeira seguindo os anéis de crescimento....etc... Mas como esta é uma maneira muito complicada e demorada nós vamos construir o nosso arco a partir de uma peça de madeira comprada em madeireiras, um caibro.
Como não foi escolhida a região do tronco a ser usada, e por não ser uma peça que siga os anéis de crescimento, nosso arco teria grande chance de quebrar se não usássemos um revestimento nas costas do arco, o backing, ( Em posição de tiro as costas do arco está voltada para o alvo, e o ventre ou barriga voltada para o arqueiro) mais adiante falaremos mais sobre o revestimento das costas de um arco.
Deve-se escolher a peça de madeira mais bonita existente no comércio onde esta for adquirida. Aquela com a cor mais uniforme, com o menor número de fibras saltando para fora da peça, sem irregularidades, sem sinais de empenamento, rachaduras, ou envergação deve ser a escolhida. Não compre qualquer peça de madeira, uma má escolha pode ser o motivo do fracasso de um arco.
A princípio, um construtor de arcos experiente pode fazer um arco de qualquer tipo de madeira, desde que seja uma espécie de relativa qualidade da madeira. A madeira mais famosa na confecção de arcos é o teixo (Yew), largamente utilizado na Idade Média nos arcos ingleses. Hoje nos EUA a Osage Orange é uma das mais renomadas. Mas é quase impossível conseguí-las no Brasil sem que você mesmo as importe. O Ipê (não somente o roxo, mas qualquer ipê) é talvez o preferido pelos poucos( “poucos”....vamos mudar isso...) construtores de arco do Brasil. Muitos construtores de arcos experientes nos EUA usaram, e não só aprovaram mas ficaram admirados com as propriedades do Ipê num arco bem feito, uma vez eu li uma frase de um deles que dizia: “Ipê revestido com Bambu, uma combinação mortal.”.
Mas o ipê não é o único, arcos feitos de Jatobá, Pau Roxo(ou Roxinho), Aroeira (ou Gonçalo Alvez), Pau Brasil, Pati ( uma palmeira muito utilizada pelos índios da Amazônia em seus arcos, não há notícias de que alguém, senão os índios, tenham feito um arco desta madeira) também tiveram sucesso. Dentre estas citadas pode-se escolher aquela que você possa conseguir com mais facilidade, o Ipê, Jatobá e Aroeira são aqueles que já foram mais largamente utilizados com bons resultados.

O Projeto

Muitos são os projetos possíveis para uma arco. Aqui vamos mostrar um projeto de simples execução e que resultará em um arco com o mínimo de possibilidades de quebrar-se.
Antes de decidir pelo tamanho de seu arco deve-se conhecer o comprimento da puxada do arqueiro ao qual o arco está destinado. Lembre-se, um arco deste tipo é um instrumento quase tão pessoal quanto uma escova de dente. Para conhecer o comprimento de sua puxada sem ter um arco deve-se estender totalmente o braço esquerdo com o punho fechado em posição de soco, segure uma haste qualquer com a mão direita entre o dedo indicador e o “dedo do meio”, como uma flecha, apoie a outra extremidade da haste no punho fechado esquerdo e encoste o dedo indicador direito no canto direito de sua boca, até onde a maioria dos arqueiros tradicionais puxam a flecha, então meça a distância da haste de indicador a indicador. Esta será em polegadas o seu draw length ou comprimento de puxada aproximado. Geralmente os arcos comprados são feitos para uma puxada de 28 polegadas, mais ou menos a puxada de um homem de 1,80 m de altura, é neste comprimento de puxada também que é medida a potência de um arco em libras.
Quanto maior um arco menor será a probabilidade deste se quebrar. Para um iniciante,poratanto, recomenda-se que seus primeiros arcos sejam grandes, afim de não quebrarem-se com facilidade. Deste modo, recomendo que para uma puxada de 28’’ polegadas faça-se um arco de 70’’, para uma puxada maior do que 29’’ , seria interessante começar com um arco de 72’’. Um arco maior do que 72’’ não seria interessante na minha opinião. Para puxadas menores que 27’’ pode-se começar com um arco de 68’’. A não ser que esteja-se falando em puxadas realmente muito pequenas não recomendo que seu primeiro arco seja menor do que 68''.

Suponhamos que o retângulo abaixo seja sua peça de madeira, ela deve ter, no mínimo 1 ¾’’ X 1 ½’’ X tamanho do comprimento do seu arco. Os nossos retângulos deste projeto terá estas medidas mínimas.
O primeiro passo é traçar o centro do arco ( obs.: as medidas deste projeto não estão em escala, considere que o retângulo a baixo meça 1 ¾’’ x comprimrnto do arco) :


A seguir traça-se uma linha 1 ½’’ acima do centro e outra 3’’ abaixo dele, assim delimitamos a empunhadura:



Então traça-se uma linha 2 ½’’ acima da empunhadura e outra 2 ½’’ abaixo dela:



Agora tracemos uma linha longitudinal pelo centro:


Nosso arco terá 1 ¾’’ em sua área mais larga e ½’’ nas extremidades, sua empunhadura terá 1 ¼’’ de largura, sendo que todas as variações nas larguras serão unidas por retas diagonais. A configuração final desta face do projeto ficará assim, de modo que a lâmina superior é representada pelo lado direito de nosso desenho:



Como você já deve ter observado e achado estranho, vou explicar: a lâmina de cima é ligeiramente maior por ser esta a que sofre maior estresse durante o uso.

Você deverá trabalhar a madeira até chegar nesta forma em vermelho:


Face-1

Bem, vivemos num mundo de, pelo menos, 3 dimensões, vamos continuar...


Aqui temos a face lateral de nossa peça de madeira já com o centro e os outros traços marcados como na outra face do projeto(obs.: estes desenhos não estão em escala, considere que o retângulo abaixo meça 1 ½’’ x comprimento do arco):



Não dá para dizer a potência de um arco a partir de suas medidas devido a infinidade de variações que encontramos nas propriedades dos diferentes tipos e peças de madeiras. Portanto indicarei uma espessura inicial de lâmina de ½’’, esta medida permitirá conseguir desde arcos bem potentes até aqueles menos fortes durante a finalização da arma. Tracemos então o desenho de nossa lâmina:



Você deverá trabalhar a madeira até chegar nesta forma em vermelho:


Face-2
Pronto, agora que você já tem um projeto para seguir, basta só executá-lo!


Execução


Não é fundamental que já se tenha experiência com o trabalho manual de madeira para se construir um arco com relativa qualidade. No entanto não é aconselhável que seu primeiro trabalho em madeira já seja em uma peça selecionada e destinada a um arco. Recomendo que se pegue retalhos de madeira e treine nestes com as ferramentas adquiridas. Assim você poderá regular aquelas que necessitam de regulagens, como a plaina por exemplo (siga as orientações do fabricante), e conhecer o poder de desbaste delas.
A ajuda de alguém com certa experiência no trabalho com a madeira também é de extrema valia. Muitos avôs são ótimos instrutores. Lembre-se, temos muito a aprender com os mais velhos, especialmente os realmente velhos. Um marceneiro do bairro também não negará algumas dicas, um dia ele também aprendeu com alguém.
O que um homem que trabalha com madeira deve sempre ter em mente é que você sempre poderá desbastar, lixar, retirar um pouco mais de madeira, mas nunca será possível colocar madeira novamente. Portanto tenha paciência. Trabalhe aos poucos. Sem preça. E sempre com muita atenção.
Agora que você já sabe trabalhar com as ferramentas que tem, vamos ao nosso arco.
O primeiro a fazer é decidir qual dos dois lados será as costas do arco. Quase a totalidade das quebras de arcos acontecem pelo desprendimento das fibras da madeira localizadas nas costas do arco. Então, temos que dar maior atenção para esta parte de nossa arma. O lado com menos irregularidades, menos fibras aparentes deve ser o escolhido para as costas do arco.
Uma vez definida, as costas do arco deve ser muito bem lixada. Começando com a lixa mais grossa (60 já está bom) lixe até você ter certeza que outras passadas seriam desnecessárias, não mudariam nada. Então lixe um pouquinho mais. Só então passe para a lixa 80. Após lixar bem como com a lixa 80, passe para a 100. Depois de bem lixada com a lixa 100 pode dar um pouco de descanso às lixas. Como esta face receberá um revestimento posteriormente ela não necessita estar mais lisa do que estará após a lixa 100.
Agora é hora de traçar os riscos como indicados no projeto. Com um bom lápis, trace-os nas costas do arco até chegar ao desenho Face-1 do projeto.
Agora você deverá tomar uma decisão, algo pessoal. Se você decidir começar a desbastar a madeira para chegar primeiro ao traço vermelho de Face-1, pode começar. Só depois de pronto esta fase você riscará o desenho Face-2. Se preferir começar desbastando com o objetivo de chegar primeiro ao desenho do traço vermelho de Face-2, risque todos os traços agora e comece o serviço.
Você deverá tomar cuidado com as costas do arco, esta não deve ser mais mexida(no interior do traço vermelho, é claro). Comece usando a plaina, esta deverá estar bem afiada. Alguns se dão bem com as facas e/ou canivetes, se você é um deles, vá em frente com suas lâminas. Quando já estiver chegando bem perto do traço vermelho, aconselho por as lâminas e plainas de lado e começar a usar a grosa, é bem difícil fazer uma besteira com esta ferramenta. Sempre fixe sua peça de madeira para trabalhá-la, assim você terá suas duas mãos sempre livres.

Revestimento

Como já foi dito anteriormente, o desprendimento das fibras das costas de um arco é a causa de quase todas as quebras de arcos. O revestimento ou backing é um artifício usado para segurar essas fibras evitando a quebra. No entanto um arco revestido não significa um arco inquebrável. Revestir um arco significa colar em suas costas algum material tal como uma lâmina de madeira, bambu, seda, couro de diversos tipos, sinew que é o tendão de boi, búfalo, cervo, fibra de vidro ou carbono, entre outros. Vamos tratar aqui apenas da madeira, do bambu e do couro, os mais simples de conseguir e aplicar e também muito eficientes.
O revestimento com madeira pode ser feito com uma lâmina de, em média, três milímetros de espessura, não pode ser nem muito maior nem muito menor do que isto. A madeira usada deve ser de peso e dureza medianos e de boa qualidade. A peça deve estar em perfeitas condições. É importante que a madeira utilizada para este fim não seja demasiadamente fibrosa.
No caso do bambu, este deve ser do tipo gigante ou bambu-açú, com pelo menos 10 cm de diâmetro. Ele deve ser cortado maduro e após seco, rachado. As tiras devem ter o seu lado externo preservado a não ser por leves desbastes que podem ser feitos nos nós, mas isto não é necessário. O lado interno deverá ser desbastado até se tornar plano e atingir a espessura esperada, esta não deverá ser inferior a 3 milímetros, e poderá ser maior de acordo com a sua vontade, lembrando que o bambu irá aumentar a potência de seu arco, portanto não exagere na espessura deste, você pode acabar tendo que desbastar muito a madeira de seu arco posteriormente.
O adesivo usado na colagem da madeira ou do bambu pode ser um adesivo epóxi de qualidade, ou cola de madeira a base de resina vinílica, esta última muito barata e fácil de encontrar em qualquer comércio do ramo.



Para colar o revestimento de madeira ou bambu use alguns grampos ‘C’/sargentos, quanto mais grampos melhor ficará a colagem, tente por a mesma pressão em todos. Tiras de câmaras de ar também podem ser usadas na colagem desde que bem apertadas. Essas tiras podem ser usadas nos intervalos entre o grampos ou somente elas.
Se você optar pelo couro você terá de escolher qual o tipo de couro que irá usar. Uma vez cortado no tamanho certo passe bem a cola de madeira a base de resina vinílica nas costas do arco e prenda o couro ao arco usando faixas hospitalares (encontradas em farmácias para enfaixar pés torcidos etc...), as faixas devem ser enroladas sobre todo o arco bem apertada.
Para colar o revestimento no seu arco este deve estar já em sua forma final, após alcançar ambos os desenhos Face-1 e Face-2. Limpe ambas as superfícies a serem coladas isentando-as de qualquer partícula de poeira.

Alguns Detalhes...

Agora que você já tem um arco revestido, é hora de preparar alguns detalhes antes de começar a enverga-lo. Vamos desbastar os sulcos nas pontas do arco onde a corda será encaixada. Imagine que o retângulo abaixo seja a face lateral da ponta de seu arco. O traço em azul deverá ser traçado ¾’’ abaixo da ponta e o verde ½’’ abaixo do azul. Sobre a diagonal em vermelho deverá ser feito o sulco. A espessura e profundidade deste depende do tipo de corda que será usado e de sua preferência. A ferramenta mais eficiente para este desbaste é uma pequena grosa cilíndrica.
IMPORTANTE!: O lado esquerdo da figura abaixo representa as costas do arco, enquanto que o lado direito indica o ventre do arco

No caso de você ter escolhido a madeira para revestir seu arco esta deverá ser lixada desde a lixa mais grossa até a mais fina possível (mínimo 220) passando por todas as intermediárias, isto antes de iniciar a tileração. O bambu e o couro não necessitam de serem lixados.


Tillering – Trabalhando o modo como o arco enverga

Agora que seu arco está quase pronto é hora de começar a enverga-lo. Precisamos agora ter paciência e trabalhar com mais cuidado do que nunca. Devido a não uniformidade da madeira, do bambu, interferências da camada de cola entre o revestimento, o arco poderá estar envergando mais em certos pontos da lâmina do que em outros. Desse modo o estresse não será distribuído igualmente entre todos os pontos reduzindo assim a vida útil do arco. Pode haver também uma lâmina mais fraca do que a outra, o que também pode ser um problema.
Os norte-americanos, em se tratando deste processo, usam o verbo to tiller . Até hoje nuca consegui achar em nenhum dicionário o significado desta palavra como um verbo, e somente americanos arqueiros conhecem tal verbo. Usarei então a palavra inglesa aportuguesada.
É nesta fase que iremos trabalhar essas irregularidades na envergadura de nosso arco. É agora também que iremos diminuir a potência de nosso arco até aquela que queremos. Para este processo, talvez o mais importante para que tenhamos um arco bem sucedido, teremos que montar um suporte no qual prenderemos nosso arco pela empunhadura e possamos enverga-lo progressivamente e observar como as lâminas estão envergando até chegarmos ao tamanho de puxada que se busca.
Um suporte para “tilerar” um arco pode ser facilmente feito como o da foto abaixo:

Os pontinhos no caibro são ganchos presos com buchas.


Ou, ao invés de ganchos pode-se prender uma roldana no chão e com uma corda presa à corda do arco, você pode enverga-lo e observar ao mesmo tempo. Não esqueça de marcar no suporte o comprimento de puxada correspondente à envergadura que estará sendo aplicada ao arco.
A “tileração” deve-se iniciar com uma corda maior do que a que se encordoará o arco posteriormente. Prende-se as extremidades da corda nas pontas do arco sem enverga-lo ainda. Ponha-o em seu suporte e verifique se as costas do arco está no nível (um nível de pedreiro é bem útil). Então comece a envergar o arco. Com umas 8’’ já deverá ser possível observar a envergadura dele. O primeiro ponto a observar é se as duas lâminas estão envergando igualmente. Daquela que estiver envergando menos deverá ser retirada o mínimo de madeira de toda a lâmina uniformemente (recomenda-se o uso da grosa). Vá sempre trabalhando aos poucos. Marque a região a ser desbastada e desbaste bem pouco, não esqueça que você não conseguirá devolver madeira ao arco! Ponha o arco novamente no suporte e verifique o resultado. Retire madeira aos poucos e verifique o resultado quantas vezes forem necessárias. Se você conseguir que as duas lâminas enverguem exatamente o mesmo tanto, tudo bem. A lâmina superior deve, no entanto, ser sutilmente (eu digo muito sutilmente) mais flexível que a inferior. O que não deve ocorrer de maneira alguma é a lâmina de baixo ser mais flexível do que a lâmina de cima.
Agora que temos as duas lâminas envergando corretamente uma em relação à outra, vamos nos preocupar em como elas estão envergando. Um arco deste tipo não deve se parecer com uma semi-circunferência, como muitos leigos acham. O ideal é que ele seja semelhante a uma semi-elipse. Ou seja, nosso arco deve envergar mais a medida que nos aproximamos das pontas, o mesmo que dizer ser menos flexível a medida que nos aproximamos da empunhadura. Mas nada muito brusco, esta deve ser mais uma diferença sutil. Veja algumas fotos de como seu arco envergado deve se parecer:

Imagem cedida por George Tsoukalas

Chegando no comprimento de puxada que se busca com esta corda grande, reduza o tamanho dela ou utilize a própria corda destinada ao arco. Desse modo, você deverá encordoar o arco de maneira que a corda esticada mantenha o arco um pouco envergado. Então recomece o processo de tileração. Ponha novamente o arco no suporte, tire-o, desbaste, retorne o arco no suporte, observe... Faça isso quantas vezes forem necessárias até alcançar o comprimento de puxada que se quer com as duas lâminas envergando corretamente e da mesma maneira. Se você chegar no comprimento de puxada que se buscava com o arco ainda inteiro... Você se sentirá verdadeiramente aliviado, a obra de suas mãos não quebrou, alegre-se, você fez um arco!!!

Acabamento

Quando você chegar nesta fase, Parabéns, seu arco está quase pronto e já sabemos que deu certo. Agora é hora de trabalhar a empunhadura. Como neste projeto a empunhadura não enverga, você está livre para trabalha-la como quiser desde que não a enfraqueça muito. Vá trabalhando a madeira de maneira que a empunhadura se encaixe confortavelmente na mão do arqueiro.
Agora você terá de tomar mais uma decisão, você poderá colar uma pecinha de madeira logo acima de sua mão ao segurar o arco para apoiar a flecha durante o tiro ou usar sua própria mão como apoio para a flecha(era assim que a maioria dos arqueiros dos séculos passados atiravam inclusive os ingleses da idade média). No caso de atirar usando a mão como apoio, recomenda-se o uso de algum tipo de luva para evitar possíveis ferimentos. Veja exemplos de empunhaduras:


É também recomendável que se cole um protetor nas pontas do arco afim de proteger o arco de ser desbastado pelo atrito da corda diretamente com a lâmina. Este protetor pode ser de chifre, osso ou casco de animais, madeira ou algum material sintético. Veja alguns exemplos:

Com a empunhadura pronta é hora de lixar. A madeira possui uma beleza tímida, a lixa bem usada é quem ajudará a beleza da madeira a vencer sua timidez e mostrar-se em público. Comece com a lixa mais grossa e vá até a mais fina possível passando por todas as intermediárias. Quanto mais fina for a última lixa mais refinado será o acabamento e mais bela se apresentará a madeira. Lixe todo o arco (menos o bambu e o couro se for o caso) com muita dedicação. O bambu pode ser lixado levemente com uma lixa bem fina somente.
De pois de lixado é hora de envernizar. A envernização é necessária para que nosso arco se proteja da umidade, dos raios solares e ainda evita que a madeira resseque, além de realçar a beleza da madeira. Os vernizes mais indicados são aqueles a base de poliuretano ou a base de resina epóxi, os mais resistentes. Temos no comércio um verniz chamado de marítimo com excelentes propriedades para este fim, sendo este a base de poliuretano. Siga sempre as orientações do fabricante do verniz para extrair o melhor resultado do produto que compraste.



_________________
Ainda que eu ande pelo vale da sombra, pera ai, eu sou o vale da morte e da sombra, você é que fique com medo!
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://nawakum.blogspot.com
 
utilidade publica conteúdo toxóphilos na integra
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» [Utilidade Publica] Os carros mais roubados, consulte pelo CEP
» Qual a utilidade deste produto ?
» HONDA INTEGRA 700cc
» Comparativo: Honda Integra 700, Yamaha T-Max e BMW C600 Sport/C650 GT
» BMW C 650 GT / HONDA INTEGRA 700

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ARCO BRASIL :: Equipamentos :: Faça Você Mesmo - Arqueiria Artesanal e acessórios-
Ir para: